Arquivo do dia: 09/01/2013

O Chávez de Schrödinger (via Esparrela)

Por Artur Lascala

No momento em que este texto está sendo escrito, Hugo Chávez está vivo. No momento em que este texto está sendo escrito, Hugo Chávez está morto. O presidente perpetuamente eleito — recém eleito, inclusive — está, ao mesmo tempo, vivo e morto.

A condição do líder venezuelano, contrária ao senso comum e à experiência cotidiana, encontra guarida no campo da tanto inóspita quanto sedutora física quântica. Uma bem conhecida experiência mental é a do “gato de Schrödinger”. Trata-se da colocação, em um sistema absolutamente isolado, de um gato, um recipiente com um gás venenoso e uma fonte emissora de radiação capaz de quebrar o vidro com o gás. As emissões de radiação são aleatórias, de modo que elas podem ou não quebrar o vidro.

A surpreendente conclusão a que chegam os físicos é que, dada a impossibilidade de observar-se o atual estado do sistema e a particularidade da mecânica quântica, a afirmação correta a fazer-se a respeito do gato é que eleestá vivo e morto. Se a minha explicação de completo leigo não for suficiente (tenho certeza que não é), leiam aqui e vejam este vídeo aqui.

Continue Lendo via Esparrela

1 comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Ziriguidópolis (via Cotidiano e Outras Drogas)

Este texto é uma obra de ficção baseada em fatos surreais. Qualquer semelhança é mera coincidência.

O Atlético Ziriguidópolis terminou o ano passado como quinto colocado no campeonato de Roraima. Quando todos os atletas já estavam de férias, chegou a notícia que o campeão e os outros times mais bem colocados tinham desistido de participar da Taça São Paulo, e o“Ziriga” foi convidado. O presidente aceitou o convite, e o time teria de se apresentar imediatamente.

Agripino Augusto da Silva Santos, o Fuinha, era o presidente do Clube Atlético Ziriguidópolis. Um dos fundadores do time, que nasceu num bairro da periferia da Boa Vista, através de imigrantes de Minas Gerais apaixonados por samba, em 1971.

O nome Atlético veio por causa do Galo campeão brasileiro; as cores azul e verde, por causa de Cruzeiro e América; o nome Ziriguidópolis é em homenagem a Sargentelli, e o mascote, uma mulata passista, também remete ao samba.

Depois do convite inesperado, Fuinha chamou seu treinador e braço-direito, Melão, para traçarem os planos para o torneio. Cláudio da Silva foi apelidado assim porque tem a boca torta, lembrando a personagem de Don Lázaro Venturini em uma novela global dos anos 80 – “Eu prefiro Melão”, dizia Lima Duarte, vestindo o papel.

Continue Lendo via Cotidiano e Outras Drogas

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano