Arquivo do dia: 20/08/2012

Dia da fotografia (via MarielenBaldissera)

E no dia da fotografia, eu fotografei. O povo na Redenção, no show acústico sucateiro da banda Apanhador Só. Veja mais via http://marielenbaldissera.wordpress.com/

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Sul

Dia da fotografia

Dia da fotografia.

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Sul

Terroristas da terceira idade (via Prof. Hariovaldo Almeida Prado)

By Cachorrinho Pulguento

Ilustríssimo Professor Hariovaldo Almeida Prado
Nobres Confrades e confradas
Nobres Clérigos
Companheiros e Companheiras de batalha
Fabrícios de todos os naipes e Curiosos em geral

Na serie Arquivos X, o agente Fox Mulder era um “pouquinho” paranóico. Um diálogo que jamais saiu da minha cabeça ocorreu entre ele e o agente John Dogget.

Dogget: – “Bem que me falaram que você era completamente paranóico! Das coisas que você era capaz de acreditar!”
Mulder: – “Que coisas agente Dogget?”
Dogget: “De que você era capaz de ver conspiração até num piquenique de Igreja”
Mulder: “Que Igreja?”

Megan Rice, uma subversiva freira idosa que já foi presa mais de 40 vezes por atos de desobediência civil e insubmissão aos homens bons, invadiu o arsenal nuclear de Oak Ridge, no estado do Tennessee, no que foi classificado por especialistas em segurança como “a maior falha de segurança numa central nuclear na historia do imperio”.

Continue Lendo via Prof. Hariovaldo

1 comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Nem toda a nudez será castigada

Por Marli Gonçalves

Pronto, agora melou. Virou moda. Vira e mexe agora, em todo o mundo, alguém arria as calças, levanta a blusa, mostra os peitos, põe a própria na janela. Não é uma nova forma de protesto, mas está sendo atualizada, com mulheres lindas e loiras que se jogam no chão e esperneiam quando a polícia chega e as arrasta, gerando invariáveis fotos para manchetes

Os protestos ficaram mais bonitos em todo o mundo. O problema vai ser quando banalizar a forma, ou formato, o que aqui no Brasil acontece muito mais rápido do que em qualquer outro lugar. Não faz um mês apareceu uma ativista em verde e amarelo, a Sara Winter, como ela própria se batizou. Apareceu, viajou para a Ucrânia e foi aceita – é, isso mesmo, tem de passar por uma espécie de vestibular com prova oral e prova prática, de capacidade de aguentar o tranco – no mais novo grupo feminista da praça internacional, o Fêmen. Aquele, das moças bonitas, guirlanda de flores nos cabelos, seios fartos e pele alva pintada com os dizeres dos protestos, grupo que foi aparecendo aqui, ali, e daqui a pouco vai abrir franquias em todo o planeta. Logo no primeiro protesto lá fora, Sara foi parar na cadeia, gritando que era estrangeira, e brasileira. Nem sei como não levou umas bolachas a mais justamente por isso.

Aqui, Sara foi imediatamente paparicada pela imprensa, como uma ET que desce à Terra. Parecia que finalmente nascia uma heroína, um protótipo de Macunaíma. Mas como protesto não é coisa de se fazer sozinha sempre, Sara já andava arregimentando novas “membras” para a organização feminista, que proclama um feminismo diferente. E começou a testá-las, também nas ruas. Apareceram na Avenida Paulista contra proibição de partos em casa. Apareceram contra a opressão. E, pelo que parece, podem aparecer a qualquer momento contra qualquer coisa que não precise exatamente explicar muito. Ótimo.

Tudo ia indo muito bem até que essa semana a polícia resolveu catá-las, depois que ela e outras abnegadas em teste foram parar na frente do Consulado russo em São Paulo, pedindo a libertação, lá na Rússia, das três integrantes do Pussy Riot, banda encarcerada (que pegou dois anos de pena) porque andou, digamos, falando da mãe do presidente Putin. E dentro de uma igreja.

Pareceu um soluço. Do dia para a noite nossa heroína foi revelada de outra forma: teria pensamentos de extrema-direita, fascistas, e uma de suas tatuagens, a cruz de ferro, seria símbolo nazista. Descobriram também que ela criticou, deu um pau na Marcha das Vadias o ano passado – justamente também uma forma de usar a nudez para protestar pelo respeito pela mulher. Percebi um tom de muxoxo até quando contam que ela é do interior paulista, de São Carlos. Enfim, Sara agora samba para se explicar. Já assumiu ter sido prostituta e falou algo bem sério, mas para o qual já não vi ninguém dar real atenção: teria sido ela própria vítima de violência por parte do ex-marido.

Mas aí já se precisaria falar sério e sabe como é…

Foi uma das ascensões e quedas mais rápidas que vi. A cara do nosso país. Uma terra de vestais, moralistas, puros, tímidos, religiosos, pudicos, corpos cobertos. Onde a nudez está para onde se olha, mas só é vista como natural em dias de Carnaval – e nem isso mais, ultimamente, com a massificação dos desfiles e ocultação das genitálias. Um país onde o naturismo ainda não é bem aceito, e nem legalizadas as regiões onde pode ser praticado. Onde se escandaliza com pouco e fecha-se os olhos para o horror e a barbárie. Onde moças de mini-saia ( ou abajures, como chamávamos) hoje sorriem e dão entrevista, felizes em serem chamadas de periguetes, porque tem uma na novela em cartaz, sentindo-se as maiores inovadoras da paróquia dançando o funk chão-chão-chão. Tem até concurso para ver quem é a mais periguete, se é que isso pode um dia dizer algo. A verdade é que mudam o nome das coisas e o país vai ficando mais e mais careta.

Lembro de há alguns anos ter ficado impressionada com a pequena quantidade de pessoas dispostas a participar que apareceram no Parque Ibirapuera, para o ensaio do fotógrafo americano Spencer Tunick, especialista em fazer arte com corpos naturais em pelo. Só apareceram no máximo umas mil e quinhentas. Recordo que fiquei pasma ainda quando, em seguida, Tunick foi, acho que para o Chile, onde com temperaturas abaixo de zero reuniu mais de três mil pessoas.

Hoje, anos depois, penso que seria até menor o número que toparia. Estamos ficando muito chatos e perigosamente carolas.

Me preocupo muito com essas coisas porque essa questão envolve vários temas que me são caros e que estão sendo totalmente folclorizados, como o próprio naturismo, o terrível uso e manipulação religiosa, a nudez como forma de protesto e , também, como o feminismo, pelo qual tanto nos esfalfamos para o reconhecimento. Vange Leonel, cantora, escritora e ativista gay, fez uma proposta no Twitter que achei interessante: que se pense em instituir o ensino da luta feminista nas escolas.

Como aqui até o passado é incerto… Seria bom, antes que como alguém também já disse, como tudo no Brasil, o tema seja esculachado. Vire piada.

São Paulo, como eram gostosos os meus brasileiros, 2012

Marli Gonçalves é jornalista- Gostei dos bombeiros espanhóis que arriaram as calças e mostraram as derrières para protestar contra as medidas econômicas de austeridade. Por aqui logo pode aparecer a versão masculina do Fêmen: o Movimento Sêmen, com os homens protestando por serem usados como objetos.

************************************************************

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações