Estrada de Ferro Madeira Mamoré

Ferrovia pode renascer após 40 anos

Por Sergio Adeodato | Para o Valor, de Porto  Velho

Rio Mamoré dá caminho a barqueiros que remam até a cidade  gêmea de Guayaramerin, no lado boliviano da fronteira, que é uma zona de livre  comércio

Ao completar 100 anos, a lendária Estrada de Ferro Madeira-Mamoré ressurge  das cinzas como centro de uma polêmica que envolve o futuro do desenvolvimento  econômico e da biodiversidade na isolada fronteira de Rondônia com a Bolívia. A  questão concentra-se no município de Guajará-Mirim, a 331 km de Porto Velho  (RO), onde os antigos trilhos foram engolidos pela mata desde a sua completa  desativação há 40 anos, e 93% do território está dentro de parques, terras  indígenas e outras áreas protegidas que restringem atividades produtivas, como o  agronegócio que movimenta a economia no restante do Estado.

No cenário de estagnação, o projeto de reativar um trecho da chamada  “Ferrovia…

Ver o post original 1.841 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s