Abreu

Texto e foto de Valéria del Cueto

Não me dê mais nenhum motivo pra ir embora. Os que estão postos são mais do que suficientes. O que vou contar pra vocês hoje pode parecer ficção, mas não é. Sabe quando você sabe que tudo pode não dar certo? É hoje! Não estou sendo pessimista, ao contrário. Me orgulho de conseguir manter a mente certa, a espinha reta (haja hidroginástica) e o coração (quase) tranquilo em meio as turbulências inerentes a atual e inevitável conjunção celeste.

Tentei. E – juro – sigo insistindo por que sou uma otimista por princípio. Sexta-feira. É hoje! Não vou dizer o dia, por que não pretendo datar essa anti-saga, mas basta fazer umas continhas pra você, leitor, descobrir a data exata.

O sol brilha, o tempo está firme, não há vento… Estou no meu Leme.

Tudo que pedi a Deus, menos um pouco. A parte de me dar a graça de poder escrever a crônica semanal no meu caderninho na praia vendo a rapaziada empenhada numa partida de futebol da areia, acompanhando o chuleado das pranchas sobre as ondas de um mar quase deserto, essa não alcancei. E olha que estou seca pra chegar ao paraíso da inspiração literária, pelo menos da minha.

Passei perto, bem perto… É sério!  Ganhei, mas não levei. Igualzinho ao meu Flamengo (mais uma dica pra datar essa crônica).

Acontece que, além de sexta-feira (aquela), é também mês de abril, que chamo de “abreu”, já que é aquele em que tudo dá, mesmo o que não plantamos nem desejamos para o pior inimigo: obras, problemas, transtornos, volta à realidade e assim por diante. É como se fosse um inferno astral adiantado.

Estranho? Mas sou estranha e essa característica astrológica nesse período do ano me persegue faz é tempo. Demorei pra detectar. Quando o fiz, passei a concentrar nessa época minhas piores tarefas. Já que é pra bater de frente que seja no sentido mais amplo e irrestrito das paradas duras cotidianas inevitáveis.

E, aí, nesse contexto, vem a obra! Por ela e para ela estou imobilizada, de castigo e sem saída. Tenho que ficar de babá, vendo o pedreiro e seu ajudante passar pra lá e pra cá enquanto cultivo e alimento minha alergia a tinta, verniz, massa corrida e pó. Mas isso é depois, daqui a pouquinho!

Hoje é só a data de entrega do material. Aquele que esperei em vão durante tooooda a manhã. O que chegou justamente no minuto em que, ciente de que meu tempo para “cronicar” estava se reduzindo e era hora do almoço, resolvi botar o pé na sensacional praia acima descrita. Não repararam a perfeição dos detalhes das delícias da minha Ponta do Leme, que só vi de longe?

Não tive nem a oportunidade de estender a canga. Quando acabei de estudar a vizinhança e a maré (hoje é dia de lua minguante) pra resolver onde me instalar o celular tocou anunciando que a entrega estava chegando no apartamento…

Voltei pra casa sabendo que ali morria a chance de escrevinhar na areia. Era agora. Ou nunca poderia juntar a fome de escrever com a vontade de respirar o ar do mar com o sol batendo nas minhas costas, ouvindo o barulho do mar. O deadline me pegaria pelo pé e, falhar, jamais!

Tive que trocar o paraíso pelo princípio do purgatório que me embalará nos próximos dias. Disse purgatório e sabe o porque? Por que no inferno dá tudo errado! No purgatório parece que vai dar tudo errado, mas as coisas, vagarosamente e como um caranguejo que caminha de lado, elas vão se movendo. Como já disse, é “Abreu”! Tempo de ter paciência e agradecer quando as coisas andam. Pra qualquer lugar.

Tá bom pra você? Pois faltou um detalhe: a lua hoje míngua, como eu, para depois…

*Valéria del Cueto é jornalista, cineasta e gestora de carnaval. Esta crônica faz parte da série “Ponta do Leme” do SEM FIM http://delcueto.multiply.com

2 Comentários

Arquivado em Delírio Cotidiano

2 Respostas para “Abreu

  1. Olá, Norma
    Obrigado pelo comentário. A Ponta, é um ponto. Tenho três séries de crônicas: “Ponta do Leme”, “Parador Cuyabano” e “Fronteira Oeste do Sul”. Todas fazem parte do Sem Fim…., um arquivão de fotos, vídeos (poucos) e textos. http://delcueto.multiply.com
    Experimente…
    Abraço
    Valéria

  2. Escrevendo “desse” jeito e ainda por cima morando na Ponta do Leme? Sei não…, mas cheira à ‘proteção” – rs.
    Grata por compartilhar.
    Fique bem.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s