quatro tradições

Este texto vem na baliza dos recentes acontecimentos aventados pela discussão do vídeo “Chororô na delegacia: acusado de estupro alega inocência:  produzido pelo programa “Brasil Urgente Bahia” e reprisado nacionalmente pela emissora Band. Nele uma repórter que deveria estar ali pra entrevistar um preso, vai além do seu papel como jornalista e comete inúmeros crimes e violações a direitos humanos constitucionalmente garantidos, humilhando o réu em sua origem social humilde e falta de instrução (em vários momentos ela se ri do acusado não saber pronunciar “próstata”, falando “prostra”), chegando mesmo em alguns momentos ao absurdo de acusá-lo de ter cometido alguns crimes. A postura dessa jornalista e da rede que vinculou ela ao ar causaram indignação generalizada tanto da população, de quem se preocupa com o tema e até mesmo da própria classe profissional que ela se vincula.

Nossa intenção é fazer uma análise do ponto de vista da sociologia jurídica…

Ver o post original 1.210 mais palavras

3 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações

3 Respostas para “

  1. Everton Lopes

    O fato de ser detido já é humilhante, ainda o colocam em rede nacional pra ser humilhado ao quadrado.

  2. ana aranda

    Infelizmente, este tipo de jornalismo torpe e ignorante ocorre cotidianamente nas emissoras de rádio e televisão brasileiras. Lamentável.

  3. norma7

    Há várias formas de sociedades que o ser humano irá participar durante sua vida. Porém, duas lhe são impostas: a familia e o Estado. E ambas falharam com esse rapaz. Lamentável, que mesmo custodiado numa delegacia, que ele fosse tratado com tanta indignidade, principalmente porque ele não tinha a menor noção do que estava ocorrendo. Como é fácil chutar cachorro morto (principalmente em nome de uma desqualificada audiência).No Caso da Jornalista (oi? será?), o papel desempenhado por ela, a colocou numa posição mais “desvalida” do que a ocupada pelo suposto acusado, na minha escala de valores. Ela foi cruel com o próximo numa posição desfavorecida e por motivo torpe.
    Abaixo a carta iniciada pelo “Boca do Inferno”:
    “Carta aberta de jornalistas sobre abusos de programas policialescos na Bahia

    ‘O demo a viver se exponha,
    Por mais que a fama a exalta,
    Numa cidade onde falta
    Verdade, honra, vergonha.’
    (Gregório de Mattos e Guerra)
    (…)
    http://www.bahianoticias.com.br/holofote/noticia/24336-jornalistas-repudiam-atitude-da-reporter-mirella-cunha-em-carta-aberta.html

    Fique bem, Norma

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s