Arquivo do dia: 10/04/2012

Regra 34

David Remnick, editor da New Yorker, disse certa vez que “a revista que publicamos toda semana reflete o que eu quero ler ou o que as pessoas à minha volta — este grupo de editores — considera impressionante ou profundo, ou engraçado, ou inteligente ou o que seja.”

É mais ou menos o que penso quando alimento este blog com as inutilidades que você está acostumado a ver.

Para mim, o blog é um monólogo interior. Uma caixa preta de impressões passageiras e algumas confissões. Ler blogs como este é acompanhar o fluxo de pensamentos de alguém; é a coisa mais próxima que temos de telepatia.

Ou, para citar mais explicitamente uma passagem do artigo de Mark Dery, autor que me foi apresentado por Gunter Axt (confesso que queria ter escrito isso):

“Os blogs são o equivalente pós-moderno do gabinete de curiosidades do período barroco — um aglomerado idiossincrático de objetos encontrados (ideias, imagens, fatos…

Ver o post original 179 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Papel Social

.
O Governo Federal pediu o bloqueio de bens do Projeto Tamar e o cancelamento do certificado de filantropia. Motivo: a fundação criada para proteger as tartarugas pagou para que um integrante do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS) e um advogado fraudassem a concessão do documento que dá à entidade o direito de ser filantrópica. Houve até  falsificação de provas.

Por Lúcio Lambranho*, para a Papel Social.

.

As tartarugas voltando para o mar após a desova, salvas do risco de extinção, são a marca registrada do projeto Tamar desde 1980. Mas a imagem positiva de preservação da natureza é bem diferente dos fatos narrados em uma ação produzida pela Advocacia Geral da União (AGU).

O processo, que tramita na Justiça Federal, revela fraudes e irregularidades na concessão do título de entidade de assistência social, o que daria ao Tamar uma isenção milionária de impostos.

No documento, a…

Ver o post original 1.281 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Parabéns , Guajará-Mirim ! Esta cidade é 10 !

Estação final da centenária Estrada de Ferro Madeira-Mamoré, Guajará em breve vai escutar o apito da máquina 20 rodando pelos trilhos num pequeno trecho turístico até o Yata ou Bananeiras. Quem viver , verá ! Pérola do Mamoré, parabéns pelo seu aniversário. Um abraço em todo(a) guajaramirense que ama, de fato, esta terra ! Leia mais sobre Guajará-Mirim aqui .

2 Comentários

Arquivado em Ao Norte

Começou a 118ª Romaria da Irmandade do Senhor Divino Espírito Santo, no Vale do Guaporé – Programação Completa

A 118ª Romaria do Senhor Divino Espírito Santo no Vale do Guaporé, na Amazônia iniciou nesta segunda, dia 9 de abril de 2012, com a chegada do batelão às 4 horas da tarde na localidade de Surpresa, distrito de Guajará-Mirim. É uma festa planejada com um ano de antecedência .
A celebração, que envolve o Brasil e a Bolívia, é um Patrimônio Cultural Imaterial de Rondônia que está em processo de instrução para ser reconhecido como Patrimônio Brasileiro.

O Iphan, numa parceria com a UNESCO,  está enviando uma equipe com antropólogas capacitadas ao Vale do Guaporé, para consolidar a argumentação perante a Câmara do Patrimônio Imaterial, que decide sobre a inclusão dos registros.

O Presidente da Irmandade do Divino, Dionísio Faustino também espera uma atenção maior das autoridades para esta que é a maior celebração religiosa, cultural e folclórica do Vale do Guaporé :
– Aguardamos muita gente na chegada em Piso Firme, povoado da Bolívia, quando o batelão aportará no dia 23 de maio de 2012 às 16 horas.

É ano eleitoral, mas os ribeirinhos já conhecem os políticos que dão atenção ao Vale, por isto vai a dica: Não adianta chegar como penetra distribuindo bonézinho e camiseta, é perda de tempo. Os beiradeiros, quilombolas, devotos e assemelhados são espertos e só dirigem suas preces para quem realmente merece.
E para quem fala mal ou escreve,  quando convém, sobre a cultura rondoniense é uma boa pedida, tirar um pouco a bunda da cadeira e andar algumas centenas de quilômetros em estrada de chão e voadeira, lendo Viagem ao Redor do Brasil, do João Severiano da Fonseca, irmão do ilustre Deodoro da Fonseca, para purificar a alma .

1 comentário

Arquivado em Ao Norte

Etnodoc divulga projetos vencedores

O Edital de apoio a documentários etnográficos sobre patrimônio cultural imaterial – Etnodoc divulgou a lista dos 15 projetos vencedores da edição 2011. Idealizado pelo Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan, em parceria com a Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edson Carneiro – Acamufec, e patrocinado pela Petrobras, o Etnodoc tem como objetivo somar esforços e ampliar as ações voltadas para a valorização e promoção dessa dimensão do patrimônio cultural, assim como estimular iniciativas voltadas para a melhoria das condições de transmissão, produção e reprodução dos bens culturais que compõem esse universo. A terceira edição do Etnodoc apoia 15 projetos inéditos de documentários etnográficos, de média duração, voltados para exibição em redes públicas de TV. Os recursos somam R$ 1,2 milhão e cada projeto selecionado receberá a quantia de no máximo, R$ 80 mil.

Projetos vencedores do Etnodoc 2011
971 – Cuaracyaangaba – o céu guarani – Lara de Campos Velho
1137 – Vaqueiros encantados – Marcia Paraiso
1206 – O boto parceiro o homem – Natália Reis
1226 – Plantas que ajudam o homem na Amazônia – Ana Luiza Meneses de Gouvea
1300 – D’ouro – Joana Oliveira
1302 – Ópera cabocla – Adriano Barroso dos Santos
1336 – No próximo frio, eu ferro – Andre Costa
1469 – O lenço do samba – Shaynna Jacques Pidori
1530 – Do “bugre” ao Terena: a Dança da Ema na urbe – Michelly Aline Jorge Espíndola
1591 – Na rota dos sertões – Silvio Tendler
1622 – Pegadas de couro – Paula Oliveira Dib
1625 – O canto da lona – Thiago Mendonça
1664 – A Santa de Casa e o povo de santo – Conceição Aparecida dos Santos
1788 – De “fronte” – Aluízio de Azevedo Silva Júnior
1869 – Batuque gaúcho – Sergio Luiz Valentim Júnior

Suplentes
1º – 1503 – Cuícas – Rafael Bacelar Nogueira
2º – 1536 – O ouro, a draba e a montagem: o universo das ciganas calín em S. Paulo – Flora Lahuerta
3º – 1409 – Tooro Nagashi – luzes ao vento – Ester Marçal Fér
4º – 1692 – “Minha Santa Margarida…” – Clive Gavin Andrews
5º – 1010 – Pescadores artesanais de Arraial do Cabo – Rosemary Cintra Mártires
6º – 1742 – Divina Toada – Rafael Machado Nobre de Souza
7º – 997 – Canto das lavadeiras – Antonio Garcia Couto

3 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações