Arquivo do dia: 02/04/2012

Religiões Afro Brasileiras e Política

A Comunidade Candomblicista ganhou a liminar que proibe igrejas evangélicas de venderem o Acarajé, uma comida típica da Bahia dedicada a Iansã como “bolinho de Jesus”. O Acarajé é um patrimônio cultural brasileiro que muito contribui para a caracterização da identidade do brasileiro. Graças a esta ação as chamadas “Baianas” filhas deste orixá tão lindo e poderoso não sofreram mais com atitues tão preconceituosas por parte dos evangélicos!

Iansã terá assegurado novamente seu delicioso Acarajé sem ter que concorrer com o capitalismo desenfreado em que se encontram grande parte das igrejas evangélicas.

Iêparrei Iansã! Iê parrei!!!

Axé!

Fonte: Café História

Nota: na tentativa de confirmar veracidade deste fato importante sobre os Acarajés, não encontramos nenhuma menção ou projeto que afirmasse a proibição da venda de Acarajé como bolinho de Jesus ficou então no aguardo de novas informações e da conscientização dessa importante pauta.

Por: Oluandeji

Ver o post original

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Workshop de fotografia na Pousada dos Anjos, em Cunha/SP

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Sul

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Somos andando

No dia do aniversário do golpe que mergulhou o Brasil em mais de 20 anos de ditadura, a Zero Hora publica um artigo (“A dita dura brasileira”) de um coronel que defende os responsáveis por toda a dor causada naquele período. Não vou entrar no mérito do artigo, mas de sua publicação. Generais e coronéis de pijamas existem uns quantos, e alguns deles não se importam de assumir o ridículo de defender uma ditadura que causou mortes, torturas, desaparecimentos.

Antes que surjam os argumentos de que o jornal gaúcho estava apenas abrindo espaço para o contraditório, antecipo-me a contestá-los. As mortes, as torturas, os desaparecimentos, embora não tenham sido julgados, são incontestáveis. Abrir espaço para que alguém, o coronel Sparta, defenda o regime de exceção que causou-os é como ceder a página a um assassino em série para que defendesse seus atos. Não para que se dissesse inocente, mas…

Ver o post original 396 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações