Arquivo do dia: 23/03/2012

Raul Seixas: O Início, o Fim e o Meio

Dirigido por Walter Carvalho e idealizado pelo produtor Denis Feijão, RAUL – O INICIO, O FIM E O MEIO, apresenta uma fascinante investigação sobre a vida pessoal e profissional de uma das maiores lendas do rock nacional através de imagens inéditas de arquivos e 54 entrevistas realizadas em Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro e também no exterior (Suíça e Estados Unidos) reunindo ex-mulheres, filhos, amigos de infância, músicos, profissionais da área musical e parceiros, como o escritor Paulo Coelho. Programa imperdível para os fãs e para todos que querem conhecer mais sobre nosso Maluco Beleza.Quer saber mais sobre o filme? Então corre para pagina do Facebook Raul Seixas O Filme . Lá você pode conferir trailers, imagens e encontrar a sala de cinema mais próxima de você.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Por onde andará Hermes Aquino ?

Músicas de Hermes Aquino na Rádio UOL . Para quem curtiu aquela época veja também Mauro Kwitko : bem necessário

1 comentário

Arquivado em Ao Sul

Para-choque de blog

“Perdido seja para nós aquele dia em que não se dançou nem uma vez! E falsa seja para nós toda a verdade que não tenha sido acompanhada por uma gargalhada.”   Nietzsche

Deixe um comentário

Arquivado em Para-choque de Blog

Um Sonho de Cinema

Por Júnior Silveira 

Um filme tem o poder de transformar, de curar, de causar uma revolução nas emoções, sentimentos e pensamentos de um individuo. Quando assistimos a um filme e nos entregamos a tal experiência, estamos diante de inúmeras possibilidades que podem causar impactos importantes em nossas vidas.

O maior poder do cinema está na força de identificação do público com a obra cinematográfica, pois quando assistimos a um filme nos identificamos com personagens, enredos, dramas, às vezes comparando o “final feliz” com a nossa própria vida.

Tudo isso nos faz refletir profundamente sobre nossa personalidade, nossas emoções e até mesmo nosso papel no ambiente em que estamos inseridos. São essas reflexões que, de fato, movem as nossas vidas, dado que são os questionamentos que nos fazem buscar as soluções e os caminhos a seguir.

Um filme pode ser comparado a um sonho, pois em ambos experimentamos sensações que nos permitem refletir sobre nossas vidas, nossas angústias e nossas escolhas. Pesquisas afirmam que, quando sonhamos, o cérebro entra num período em que revive acontecimentos. A função do sonho é nos proporcionar a experimentação de soluções para os problemas e preocupações e, até mesmo, reavaliar sentimentos e acontecimentos.

Sonhar é como vivenciar um filme, pois nos faz pensar, rir, chorar, sentir medo, reviver e relembrar. Ao acordar, lembramo-nos do sonho e passamos a refletir sobre o que sonhamos; passamos a reelaborar o significado do sonho, levando em conta as nossas experiências pessoais.

Um filme proporciona as mesmas emoções e sensações, como se vivêssemos nossa vida dentro de outra perspectiva. Quando se faz uma reflexão entre o que se assiste e o que de fato se vive, um paralelo entre a ficção e o real, é natural se colocar no lugar dos personagens, assim como colocar as soluções e o “final feliz” como expectativas na sua própria vida.

Numa sociedade tão violenta e de degradação de valores, o sonhar tem perdido espaço.  Com constantes “más notícias” e instabilidade familiar e social, uma criança pode ter, em vez de sonhos, pesadelos que afetam gravemente sua vida, tornando-a uma criança introspectiva, limitada e cheia de medos.

Na área educacional, o que tem se proposto é o uso das novas e modernas linguagens para proporcionar à criança experiências e vivências que contribuam para sua formação enquanto cidadã. O cinema tem forte influência no despertar do senso crítico e do olhar da criança sob o ambiente no qual ela se encontra, uma vez que, como exposto anteriormente, dá oportunidade a uma reflexão profunda do indivíduo.

O uso das linguagens cinematográficas é uma forte e potente ferramenta para produzir “bons sonhos”, é a oportunidade do aluno “sonhar acordado” e vivenciar um filme fazendo uma reflexão. Esse momento beneficiará o desenvolvimento da criança, estreitando a relação desta com sua realidade, além de permitir o despertar do olhar do aluno sobre ele mesmo.

O cinema traz como resultado o reflexo do ser, reflete para o próprio aluno o que ele é, o que ele quer ser e o que ele pode vir a ser. Fazer da sala de aula um estúdio de cinema é trazer para a escola meios de combater problemas encontrados numa instituição de ensino no que diz respeito ao comportamento e à socialização do aluno.

O cinema proporciona que o aluno “saia do sonho” e pratique em sua vida princípios que o torne um ser humano melhor, com olhar voltado ao próximo e à sociedade, dedicando-se à família e aos amigos e interessando em se desenvolver até o tão esperado final feliz.

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

3º Curtamazônia recebe seus primeiros filmes de longa e curta metragem

Começam a chegar ao 3º Festival de Cinema Curta Amazônia os primeiros filmes que concorrem ao troféu “100 anos da Madeira Mamoré”. São filmes de curta-metragem e longa-metragem  filmes dirigido por consagrados diretores e, novos diretores que traduzem nas suas obras e no olhar cinematográfico as mais diversas expressões e formas da cultura brasileira. Os rondonienses poderão conferir em Porto Velho no 3º Curta Amazônia que acontece de 23 a 30 de junho e, no 2º Circuito de Exibição nos municípios de Candeias do Jamari, Cacoal e Guajará Mirim. Dentre os longas-metragens de ficção está o filme do Distrito Federal, “Protetor”, direção Cleuberth Choi, classificação livre. “O Carteiro”, direção Reginaldo Faria, 2011, 103 min, classificação 12 anos, RS. Na linha documental de longa-metragem, destacamos até o momento na mostra competitiva: “Mamomas prá Sempre”, de Claudio Kahns, doc, 2011, 83 min, SP. Outro longa documental inédito no Festival é: “No fundo nem tudo é memória”, de Carlos Segundo, doc, 2012, 75 min, livre, SP. Na categoria curta-metragem chegaram para a mostra competitiva 27 filmes de diversos gêneros: ficção, animação, documentário, experimental, se destacando os filmes de ficção com 17 filmes inscritos até o momento. São filmes vindos de diversos estadosbrasileiros: Goiás, Maranhão, Minas Gerais, São Paulo, Pernambuco, Espírito Santo, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Bahia, Distrito Federal, Paraná e Rondônia. Se você ainda não fez a inscrição de seu filme, as inscrições estão abertas até 20 de abril e podem ser feitas no site www.curtamazonia.com .

Fonte: Assessoria de Comunicação

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Norte