Um Travesseiro Para Dois

Não é saudade de alguém, é saudade do que alguém pode fazer por mim.
E quer saber, eu não estou nem aí para as pessoas que falam x ou y quando eu posto alguma coisa depressiva, ou quando eu volto a falar do mesmo assunto que me machucou dias atrás.

Se eu fosse de vidro, talvez as dores seriam menores. Mas aqui é carne e osso.

E eu vou continuar cantando saudade até que alguém me apresente outra música.
Porque o que eu canto sozinho nas ruas dessa cidade, nas viages de ônibus, nas frases que eu leio ou nas cenas de casais que eu vejo, nada mais é que no fundo uma vontade de viver algo parecido. Só que com alguém ao meu lado.
Eu já vivi muita coisa boa comigo mesmo, agora eu tenho muita vontade de dividir as próximas coisas com alguém.

Eu não tenho medo de…

Ver o post original 410 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s