Arquivo do dia: 04/02/2012

Héctor Abad levou quase 20 anos para ter coragem de sentar-se diante do computador, na mesma sala que seu pai ocupava no sítio La Inês, herdado em linha sucessória desde os primeiros membros da família, e contar os detalhes do assassinato de seu mentor, professor, modelo e herói – o médico sanitarista Héctor Abad Gómez, seu próprio pai. Não fez apenas isso. Narrou a história da família, das irmãs, dos amigos e, principalmente, de um país convulsionado por conservadores, traficantes, religiosos alienados, milícias pagas pelos ricos e poderosos para executar inimigos. Falou, acima de tudo, sobre a luta daquele médico idealista para dar um pouco de dignidade aos deserdados de sempre em sociedades assim. O resultado é um livro comovente, corajoso, em que o leitor percebe a dor e o lamento do escritor em cada página. Compreende, principalmente, ao ler A Ausência que Seremos (Companhia das Letras), a imensa admiração…

Ver o post original 894 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Você come demais?!

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

2 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações

Brasil: de empresa internacionalizada à uma sociedade biocentrada

Leonardo Boff

Há interpretações clássicas sobre a formação da nação-Brasil. Mas esta do cientista político Luiz Gonzaga de Souza Lima é seguramente singular e adequada para entender o Brasil no atual processo de globalização: A Refundação do Brasil: rumo a uma sociedade biocentrada (Rima,São Carlos 2011). Seu ponto de partida é o fato brutal da invasão e expropriação das terras brasileiras pelos “colonizadores” à base da escravidão e da superexploração da natureza.

Não vieram para fundar aqui uma sociedade mas para montar uma grande empresa internacional privada, uma verdadeira agro-indústria, destinada a abastecer o mercado mundial. Ela resultou da articulação entre reinos, igrejas e grandes companhias como a das Índias Ocidentais, Orientais, a Holandesa (de Mauricio de Nassau), com navegadores, mercadores, banqueiros, não esquecendo as vanguardas modernas, dotadas de espírito de aventura e de novos sonhos, buscando novos conhecimentos e enriquecimento rápido.

Ocupada a terra, para cá foram trazidas matrizes (cana de…

Ver o post original 567 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações