OSSOS DO OFÍDIO

O saco do fim da sacolinha é ter de aguentar a cara da minha vizinha. Ecológica. Toda hora em que ela me encontra no elevador. Vamos salvar o planeta. Meu amor. A mesma criatura que leva o cachorro à rua. Vestido de casaco de náilon. A tiracolo. Para fazer cocô.

O saco do fim da sacolinha é ver a bolsa verde que querem que eu compre. Leve para casa. Ridícula. O Dia dizendo que cuida da natureza. Ele que vende linguiça embalada. Americana. Paga uma miséria para a caixa que mora pertinho da Represa Guarapiranga.

O saco do fim da sacolinha é acharem que o serviço está feito e a consciência limpa. Sujeira pequena não precisa empacotar. Ora. Joga-se para debaixo do tapete da cozinha. O meio ambiente agradece a sua forcinha.

O saco do fim da sacolinha é eu não ter mais onde atirar meus papéis fora. Romances. Contos que eu escrevo no calor da hora. Merda…

Ver o post original 10 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s