Arquivo do dia: 25/12/2011

Feliz Natal (via Biblioteca da FAU USP)

Clique na imagem para ampliar >via Biblioteca da FAU USP

Deixe um comentário

Arquivado em Reblog

Hamlet disse : Há algo de podre no reino da Dinamarca

Agora é esperar prá ver a reação do PIG (Partido da Imprensa Golpista) sobre o caso. Vamos aguardar ! Enquanto isto,a Advocacia Geral da União (AGU) fracassou na tentativa de derrubar uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que restringiu o poder de investigação do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O STF rejeitou no sábado um pedido de liminar feito pelo titular da AGU, Luis Inácio Adams, para que o CNJ fosse liberado para fazer as apurações.Ao mesmo tempo, Associações de juízes pedem investigação sobre Eliana Calmon, numa clara tentativa de intimidação corporativista. Em defesa da Ministra, os juízes argumentam : ‘Quem não deve não teme’

Deixe um comentário

Arquivado em Curta Milimetragem

Para-choque de blog

“Tudo que se aperta demais, escorre entre os dedos.”

Deixe um comentário

Arquivado em Para-choque de Blog

2012,vamos fazer amor ?

Por Marli Gonçalves

Sabe como é? Depois de tanto tempo escrevendo a gente vai pegando umas manhas de como atrair leitores. Uma das formas é botar sexo no título. Viu só? Você já deve estar aqui comigo, só pela proposta que faço de cara, para a gente fazer junto, mesmo que de forma figurada. Outra, falar mal de alguém que, se for famoso, então…Como quero você aqui até o fim, prometo falar de todas. Ou quase todas.

No nosso meio, de jornalistas, é batata. Você pode se matar no meio de uma guerra, com correspondências diretas da linha de front, pingando sangue. Pode passar dois anos enterrado em uma pesquisa sobre os efeitos das margaridas do campo. Mas nada, nada mesmo, terá tanta leitura quanto uma boa fofoca; se tiver sexo no meio (ops!) estoura. Remédios milagrosos e novas doenças também rendem capas que se esgotam, para desespero dos médicos em geral, principalmente na segunda-feira posterior, quando todos querem tomar aquilo, ou até já apresentam os sintomas descritos. É mais delicado se for falar de política, porque sempre divide opiniões, e você pode até acabar perdendo amigos, ou fazendo inimigos que nem sabe, porque mexe com paixão. Igual futebol. É dura essa vida de dar pitacos nas coisas.

Fez três anos agora que escrevo, religiosamente – não sei bem definir se é artigo, crônica, desabafo, ou manifesto – todas as semanas, com leitores em todo o país, além de muitos desgarradinhos pelo mundo. Chamo a todos de meus leitores queridos que, como ondas, dependendo do assunto, se comunicam diretamente comigo, quando recebem por e-mail. Se falo de política, uma turma; se comento comportamento, surgem outros. Não conheço pessoalmente a maioria, mas de alguns sei mais do que certamente alguns de seus mais próximos, estabelecendo com eles um elo de confiança notável. Agradeço imensamente todos os dias. Publicada em jornais, sites e etceteras de todo o país, de Norte a Sul, há um outro detalhe: perdi o controle de quem me conhece, me lê, me repassa. Quem espia no Facebook e Twitter.Ou mesmo quem é que aproveita e me visita no meu blog que comecei sem expectativas há pouco mais de um ano e que já atingiu mais de um Maracanã em dia de final. Lá, me divirto, comentando o dia-a-dia, inventando, pescando e caçando nesse mundo no qual ando mergulhada 24/24 horas, sem esquema de plantão, sem folga. Porque a cabeça é a antena que capta e vai junto do corpinho para onde ele vai.

Disse tudo isso porque quero mesmo é rodear este ano que vem, 2012, e que chega pronto a ser um pouco mais do mesmo e também a nos surpreender, pelo bem e pelo mal. Mais uma vez, não precisa ser vidente, o governo fará bobagens que cairemos de pau em cima (ops!), a oposição fará bobagens maiores ainda, o que nos deixará de saco cheio (ops!); escândalos, crimes escabrosos, catástrofes naturais ou vindas de burradas humanas nos mostrarão quão escroques podem ser os homens. Daqui, semana a semana, em meio a dificuldades, vou escrever sobre o que toca, aborrece, acontece, comigo e com você. Representar e apresentar muito do que você queria dizer. Mais do que queria dizer.

Todo ano tenho um mote a seguir, coisa que aprendi com um grande e bem sucedido empresário com quem trabalhei, que mantinha sempre um pé no mundo invisível. O mote que usarei desta vez veio de uma amiga muito querida, que você até conhece e gosta, mas não direi quem é porque não “carece”. O que ela me disse será a nossa mágica, a do balacobaco, de um ano par, de transformações e resistências.

Prepare-se. Mais uma vez teremos de nos reinventar diária e continuamente para criar, viver, sobreviver e suportar, no nosso mundo e fortaleza particular, irradiando para os círculos externos que chegam até ao assombroso Universo, que por sua vez já anda desdobrado, com seus planetas e sóis. Ao infinito.

Nessa passagem encontramos a crise mundial. Ou a terrível ameaça maia da qual ouviremos falar – pode es-cre-ver – todo santo dia, e que diz que o mundo vai acabar ou no dia 21, ou no dia 23 de dezembro. Ou nunca. O que só saberemos depois de instalar os enfeites de novo nas árvores de Natal. Vai ser um porre da porra(ops!).

Touradas serão proibidas na Espanha, o verão de Londres será finalmente mais quente com os Jogos de Verão (lá), e nossos soldados devem sair do Haiti que não é aqui. Todas as atividades que o menino Neymar fizer serão notícia no ano de centenário do Santos Futebol Clube.

Queremos saber se eles, o povo de lá, verão a primavera árabe finalmente, enquanto o inverno cala uma Europa dividida, uma América desengonçada, e uma Ásia tomando xarope de crescimento. Os presupuestos latinoamericanos continuarão comme çapresupuestos. Dois passos para a frente, um para trás, milongueiros, tangueiros, sambados. Batidos e mexidos, 007!

Ih, cheguei até aqui sem fofocar e falar mal de ninguém. Fico devendo.No momento ando mais é querendo saber qual será a moda do próximo verão que nem isso tem tido graça depois do verão da lata, do apito. Quero saber como vão fazer para as mosquitas Aedes pararem de trepar tanto, ter tantos filhos ( e nem ganham bolsa-família). Quero cortar o barato da barata, e agora descobriram lá na África uma barata safa que pula 48 vezes o tamanho de seu corpo. Não quero sonhar com ela, nem com o comentário de meu irmão quando contei sobre a talzinha, qe ele me disse que ela logo poderia chegar aqui de navio. Se tem até carrapato de sofá se mudando para o Brasil, embarcado em cruzeiros …É, é real.

Vou dizer que quero mais é que, se o mundo for acabar mesmo, que acabe em melado. Ou em chantilly, que é muito mais sexy.

São Paulo, na portinha de 2012, ano bissexto, portanto pode agendar coisas para 29 de fevereiro.

Marli Gonçalves é jornalista.  Ainda escreverá um livro com sexo no título, e quem sabe até, talvez, nos capítulos. Mas só depois de publicar esses nossos picadinhos semanais. E se você aceitar minha proposta inicial.

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Diz a lenda – É Natal

Por  Beto Ramos

Vejo pessoas apressadas comprando sonhos.
As pessoas de bem ficam em silêncio vendo o movimento nas ruas, com seus automóveis e motos disputando cada palmo de chão.
É Natal e as casas estão todas enfeitadas com bolinhas vermelhas, pisca-pisca nos jardins e nas fachadas dos prédios.
Hoje, temos shopping com suas escadas rolantes, praça de alimentação e muita gente em busca de sonhos.
Já não existe o meu trator com rodinhas de sandália e a pá mecânica de lata de conserva.
Lembrei-me do meu bodinho verde que era puxado por barbante, tendo o som do motor feito na boca.
Saio de casa e esbarro nas pessoas que não me conhecem, e muitas não fazem questão de conhecer.
Elas estão apressadas em busca de algum sonho.
E vem aos meus ouvidos aquela música da Simone “Então é Natal, e o que você fez, o ano termina…”
Desligo o som.
Não quero ouvir a Simone.
Gostaria de ouvir as pessoas conversando, saudando uns aos outros com abraços fraternos como o que o Carlinhos Maracanã me deu em frente aos Correios.
É Natal.
Presentes.
Presentes.
Festa.
Muita festa.
E os nossos corações?
E o seu coração?
Ouvi um mendigo desejar feliz Natal para alguém.
Alguém desprezou o mendigo.
Não acreditou no seu coração.
Como está você mamãe?
E você meu caro amigo poeta das andorinhas?
É Natal!
Todos correm apressados em busca de sonhos.
Vou dormir às onze horas e esperar o Papai Noel.
Ele vai colocar o presente embaixo da minha rede.
Pela manhã, vou para o quintal, vou para rua com os meus sonhos nas mãos.
Eu também planto sonhos.
E nunca deixei de ser criança.
Mas, tenho medo de escada rolante.
Subi e desci a Avenida Sete de Setembro.
Andei na Barão do Rio Branco.
Fui pela José de Alencar.
Sentei na Praça Getúlio Vargas.
É Natal.
Todos respiram o Natal.
Todos buscam seus sonhos.
E o seu sonho, qual seria?
Vamos fechar os olhos e nos abraçar fraternalmente em pensamento.
Escrever a mais bela poesia como presente.
Cantar a mais linda canção composta com as batidas do coração.
Vamos fechar os olhos e dizer eu te perdôo, eu te amo e você é meu amigo querido!
É Natal.
As pessoas de bem se preocupam com os outros.
P… Papai Noel eu desejo de presente uma Porto Velho melhor.
Uma capital com uma melhor distribuição de capital.
Ah! Um segredo, o Papai Noel me visitou poucas vezes na minha infância!
Mas, nem por isso eu deixei de acreditar no meu Papai Noel.
E o meu Papai Noel anda com bota de seringa, poronga na cabeça, roupa surrada de beradeiro.
O saco é de estopa.
Dentro do saco sempre vai existir pedidos de felicidade, carinho, paz, amor, desejo de amizades verdadeiras.
Este Papai Noel vai caminhar todos os dias nas ruas de Porto Velho.
Sempre irá visitar a todos vocês que acreditam na vida.
É o Papai Noel dos mendigos.
Que anda na Estrada de Ferro Madeira Mamoré.
No Mercado Cultural.
Que desce a ladeira da prefeitura.
Que fica nas sombras das Três Maria.
Que navega no rio Madeira.
Este Papai Noel sempre vai estar em você, em todos nós.
Diz a lenda

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano