Arquivo do dia: 24/12/2011

Onde Deus está?

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Darwin não disse isso

Biologia Evolutiva

O Facebook é o novo ambiente de propagação de uma praga que já ocorre há um certo tempo. Bem antes das redes sociais na internet se tornarem populares, andou circulando por aí uma poesia bastante piegas (talvez possa até dizer dela que era um tiquinho interessante) chamada “Instantes”, atribuída a Jorge Luis Borges. Para quem não lembra é aquela que começa com “Se eu pudesse novamente viver a minha vida, na próxima trataria de cometer mais erros…”. Quem quer que já tenha lido dez por cento de um conto de Borges sabe que ele jamais seria o autor daquela peça melosa e açucarada. Mas, na internet, onde é tão fácil escrever (e reproduzir) informações, a praga das falsas autorias se alastrou. São bobagens (geralmente mal escritas, diga-se, sem querer ofender…) atribuídas a Luís Fernando Veríssimo, Shakespeare, Fernando Pessoa, Kafka… Lembro-me de, um dia, em sala de aula, encontrar fixado no…

Ver o post original 923 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

12 Motivos para casar com um Historiador

12 Motivos para casar com uma Historiadora !!!

Café Miossi

Por que eu achei divertida a idéia hahahaha.

Ver o post original 689 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

O Natal e a Nicarágua

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Eu Amo Você, Não As Frutinhas Do Panetone

Um Travesseiro Para Dois

A parte do dia que mais gostamos é a noite. Em qualquer lugar, na minha ou na sua casa,  numa viagem, não importa.
É claro que o um dia de sol deixa a gente muito feliz também, você aproveita e usa óculos escuro e sempre vou achar isso sexy. Bem como dias de frio, com a cidade romanticamente cinza, fortalecem nossos sentimentos e as mãos não se desgrudam.
Mas a noite, filme e uma comida gostosa, alguns amigos ás vezes, mas especialmente, muito de nós dois pra nós mesmos.

Talvez o grande segredo para aproveitarmos os momentos é aproveitarmos, acima de tudo, a nós mesmos, sabe? E a gente faz isso muito bem.
Pode ser a noite de maior tempestade – e já presenciamos várias – onde ficamos sentados no terraço vendo a velocidade da chuva, viajando sobre o porquê da chuva, em como é bonito, em como o céu…

Ver o post original 715 mais palavras

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações