Arquivo do dia: 02/11/2011

Madeira – Mamoré : a intrigante ferrovia, por Luiz Brito

Este slideshow necessita de JavaScript.

O fotógrafo e documentarista Luiz Brito prepara  um novo livro fotográfico  com imagens  de sua  autoria e algumas  de  regaste  de outros fotógrafos, porém desconhecidas do grande público. O tema  a ser publicado  será  a ferrovia  Madeira- Mamoré. Trata-se de um trabalho contemporâneo,  pois Luiz já há  algum  tempo  vinha percorrendo  trechos  da inesquecível   e intrigante  ferrovia e hoje realiza algumas fotos adicionais para o projeto.    Segundo o documentarista,   na sua maneira de compreender a  Madeira –Mamoré , além de ter sido  uma grande aventura humana foi também uma grande tragédia para trabalhadores   da nação  karipuna e também um empreendimento de interesse capitalista. O  atual registro  está sendo  produzido em  preto e branco  ( sistema analógico) e a cores ( digital) . Brito disse  ainda  que  pretende  com este trabalho não só fazer um registro  das atuais condições   da ferrovia,  mas também  colocar no cenário  das imagens  ou no contexto pessoas  que viram  e viveram  o funcionamento  da mesma  ou  que ainda esperam  por sua reativação  completa ou de  alguns de seus trechos.  Utiliza uma percepção estética  que  transita entre o documental e a fotografia como arte pura, que tem norteado tais registros.  Trata-se de um trabalho de atualização em termo de imagens,  até porque  a mesma  completará  cem anos da sua inauguração e 2012 será um bom ano para tornar publico este projeto. Brito  completa  que ” a sua experiência  de caminhar e fotografar   nos trechos da antiga ferrovia,  o deixou  muito contente por mostrar para  outras pessoas  um retrato atualizado  da mesma”.

O projeto também se realiza  pensando em todos aqueles que aqui estiveram para sua construção e acabaram falecendo ,tombando muitas  vezes  no próprio  leito  da ferrovia deixando para nós essa forte presença que sempre encontramos ao longo  dos trechos,  trilhos e espaços da ferrovia.

” É um projeto dedicados a todos esses trabalhadores e indígenas desaparecidos independente de suas nacionalidades, queremos mais uma vez imortaliza-los e lembra-los fotográficamente junto com a sua obra aqui deixada.” finalizou o fotógrafo.

2 Comentários

Arquivado em Ao Norte