Fibromialgia : sintomas semelhantes aos de outras doenças podem dificultar o diagnóstico

Se há fibromialgia, há dor. Porém, a recíproca nem sempre é verdadeira, já que a fibromialgia apresenta diversos outros sintomas, inclusive alguns muito semelhantes aos de outras doenças, como problemas de sono e fadiga. Por isso, seu diagnóstico não é tarefa simples. “É importante ressaltar ainda que a fibromialgia pode coexistir com outras doenças”, explica Milton Helfenstein Jr., Assistente Doutor da Disciplina de Reumatologia da UNIFESP. Uma pesquisa encomendada pela Pfizer (Fibromialgia: Além da Dor), aponta esta dificuldade de diagnóstico: a maioria dos médicos concorda que os sintomas da fibromialgia podem ser difíceis de distinguir de os de outras doenças (68% dos especialistas e 66% dos clínicos gerais brasileiros)1. Sem contar no desconhecimento de 70% dos pacientes brasileiros, que nunca tinham ouvido falar da fibromialgia até receberem o diagnóstico – sendo que 98% deles concordam que se trata de uma enfermidade que não se conhece bem1Como a fibromialgia está associada a uma média de oito a 12 sintomas diferentes1, o diagnóstico deve ser bastante criterioso e atentar-se aos principais sinais da doença.

PRINCIPAIS SINTOMAS DA FIBROMIALGIA

  • Dores generalizadas e difusas pelo corpo
  • Aumento da sensibilidade à dor (um estímulo geralmente não doloroso pode doer)
  • Fadiga
  • Sono não reparador (mesmo após dormir uma noite inteira, o paciente acorda cansado)
  • Transtornos do humor (ansiedade e depressão)

A fibromialgia pode ainda apresentar sintomas parecidos aos de outras enfermidades. Por isso, o reumatologista Milton Helfenstein Jr. aponta algumas dessas semelhanças – e também as diferenças – que podem ajudar o médico a definir o diagnóstico.

DOENÇA

SEMELHANÇAS

DIFERENÇAS

Hipotireoidismo: distúrbio da glândula tireoide que diminui ou impede a produção de hormônios, inclusive os que estimulam o metabolismo    Causa, entre outros sintomas, fadiga e dor muscular                       Um exame de sangue revela baixos níveis de hormônios – como T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina) – e podem ajudar no diagnóstico do hipotireoidismo                                                          
Artrite reumatoide (AR):doença inflamatória crônica, causada por disfunção no sistema imunológico do indivíduo A doença causa bastante dor. Em fase inicial, quando outros sintomas ainda não se manifestaram, pode ser confundida com a fibromialgia Além da dor, a AR pode causar inchaço nas articulações e deformidades ósseas, constatadas por exame de Raio-X. Quando bastante avançada, as deformações são percebidas a olho nu                                                                
Lúpus: doença autoimune que causa manchas na pele, febre, lesões avermelhadas no nariz e face, entre outros sintomas                                       A dor, um dos sintomas do lúpus, pode se refletir em diferentes partes do corpo de forma itinerante. A doença pode ainda causar fadiga                          Progressivamente, as manchas na pele, entre outros sintomas, começam a aparecer e facilitam a distinção entre lúpus e fibromialgia                                                                                  
Síndrome de Sjögren: doença autoimune que diminui a produção de saliva e lágrimas, podendo ainda afetar órgãos como rins, pâncreas, pulmões, entre outros Inicialmente, dores difusas e nas articulações, além de fadiga, estão entre as manifestações da doença Exames de sangue, além de testes específicos para mensurar a produção de saliva e lágrimas, podem ajudar a diferenciar a doença da fibromialgia

Apesar de ainda não conhecer a exata causa da doença, sabe-se que o aumento nos impulsos dolorosos transmitidos pelo sistema nervoso central tem um papel importante na fibromialgia. Não existem exames laboratoriais ou de imagem que comprovem a existência desta enfermidade. “Às vezes esses exames nos ajudam a descartar a possibilidade da fibromialgia, identificando outras doenças, como o hipotireoidismo”, explica Helfenstein. Assim, o caminho para o diagnóstico correto da fibromialgia passa pelo exame clínico, que avalia principalmente os locais de dor do paciente. Como referência, os médicos utilizam os 18 pontos de dor estabelecidos pelo Colégio Americano de Reumatologia na década de 1990. Essa definição contribuiu para uma padronização no diagnóstico, que costuma ser bastante demorado: no Brasil, os pacientes levam em média 4,7 anos para serem diagnosticados, passando por uma média de 7,2 médicos1. Depois do diagnóstico, é preciso levar o tratamento a sério. Ao contrário do que muitos pacientes pensam inicialmente, a atividade física deve fazer parte do programa terapêutico – manter-se ativo ajuda no controle da dor e exercícios como caminhada, hidroginástica, natação e alongamentos leves podem melhorar bastante a qualidade de vida do paciente com fibromialgia. Como ainda não existe cura para a doença, alguns medicamentos ajudam no controle dos sintomas, como analgésicos e relaxantes musculares. Utilizam-se ainda antidepressivos e neuromoduladores – nesta classe, a Pfizer desenvolveu Lyrica (pregabalina), que atua diminuindo o excesso de mensagens de dor transmitidas dos nervos doentes para o cérebro e, além de amenizar a dor, melhora a qualidade do sono do paciente. Vale lembrar que o paciente deve sempre consultar um médico – profissional capacitado para fazer o diagnóstico correto e indicar o tratamento mais adequado para cada caso.

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s