Arquivo do mês: agosto 2011

Joseph Blatter: 'a abertura da Copa precisa ocorrer no Rio de Janeiro' (via Blog do Navarro)

Segundo o correspondente do Estadão na Suíça, Jamil Chade, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou que ‘a abertura da Copa precisa ocorrer no Rio’, jogando um balde de água fria nas pretensões da capital paulista de sediar o evento. Blatter também teria comentado a respeito de Ricardo Teixeira: “Para a CBF era mais fácil trabalhar com Lula que com Dilma”. Em relação ao presidente da CBF, não temos nenhuma novidade. … Read More via Blog do Navarro

1 comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Joseph Blatter: ‘a abertura da Copa precisa ocorrer no Rio de Janeiro’ (via Blog do Navarro)

Segundo o correspondente do Estadão na Suíça, Jamil Chade, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, afirmou que ‘a abertura da Copa precisa ocorrer no Rio’, jogando um balde de água fria nas pretensões da capital paulista de sediar o evento. Blatter também teria comentado a respeito de Ricardo Teixeira: “Para a CBF era mais fácil trabalhar com Lula que com Dilma”. Em relação ao presidente da CBF, não temos nenhuma novidade. … Read More via Blog do Navarro

1 comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

UAI ! ! ! Origem da expressão mineira (via Armando Falconi)

UAI ! ! ! Origem da expressão mineira Minas é um estado cheio de surpresas e alegrias! Acompanhe a origem da palavra tipicamente mineira o UAI.   … Read More via Armando Falconi

1 comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Ricos. (via vida breve)

Há algo de perturbador nestas manifestações de ricos que entre Nova Iorque e Paris se mobilizam para que lhes aumentem os impostos. É preciso que uma democracia ultrapasse todos os limites da submissão abjecta aos interesses de uma elite para que esta acorde repentinamente de um torpor de três décadas e nos comunique que nos esquecemos de a taxar.

Não competia a Warren Buffet ou à herdeira da L’Oreal propalar a generosidade de quem sofre com as dores do mundo e deseja, sacrificando-se, mitigá-las. Pelo contrário: nós, a opinião pública e o poder político deviamos tornar esta espécie de grandes gestos ridículos e desnecessários. Num país decente, com uma justiça fiscal rudimentar, os multimilionários deviam queixar-se dos seus impostos como se queixa um cidadão normal. Mas para isso era conveniente que os pagassem.

A Europa e a America encheram-se de vassalos desta casta que agora quer ajudar-nos. Que a criadagem das nossas plutocracias preencha os parlamentos e as administrações das empresas públicas distribuindo entre si as sobras das grandes fortunas com mesuras e salamaleques é o mais trágico testemunho do grande equívoco liberal: a ideia de que podemos deixar os grandes em paz enquanto recomendamos frugalidade aos pequenos e distribuimos roupa e comida pelos pobrezinhos.

Só uma sociedade de escravos consegue ser feliz entre esta miséria moral.

Read More via vida breve

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

O mais irônico de tudo é que eu vou publicar no Facebook (via SAMBA DE TERNO)

Em Pernambuco, no nosso dialeto, existe um adjetivo muito utilizado no cotidiano tanto das pessoas ricas quanto das pessoas pobres. Eu inclusive o utilizo, de vez em quando, e sempre me recordo da minha infância quando escuto soar a referida palavra. E apesar do caráter bucólico e saudosista que a mera pronúncia desta palavra desperta em mim, eu confesso que o fonema, em si, não me agrada muito. O som não é legal. Não sei se vocês também acham. Estou falando de abestalhado.

Francamente, não vou me dar ao trabalho de parar o que eu estou fazendo para ir verificar o significado do vocábulo abestalhado no dicionário, embora haja dois deles na minha mesa nesse exato momento: um míni Michaelis, da época do colégio, e o Aurelião, um pouco mais recente que o outro, mas nem por isso um exemplo de juventude. Que é que estaria escrito lá no dicionário? Algo do tipo, adjetivo masculino, singular, sinônimo de bobo. Sei lá, deve ser algo assim. Abestalhado é bobo. Qualidade de quem é besta, de burro, de imbecil.… Read More via SAMBA DE TERNO

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Da quintessência de Z

Enfurecida carne,
Cansaço de ócio e bestialidades
Tantos estranhos expostos, dispostos, retóricos
Carmas impregnados,
Aleluia das trevas

Quem irá vencer os medos meus? Ou seriam nossos??
A quem interessar possa,
Se desvencilhar do universo atroz, feroz, febril
Anseios, reflexos de ontem, espiral “caostrofóbico”
Decadência dos sentimentos, só dos puros

Nasce a indecência permitida
Em meio a mentes destruídas
Pó, ruína… valores mórbidos
Abutres domesticados

Genes espalhados, sofridos, amargurados
Zumbis enfileirados, formatados, treinados
Ecoam vozes estremecidas, irritantes, arrogantes

Embriagues coletiva
Vida anêmica
Tons de pastel, cinza e verde fosco

A quem interessar possa,
Devolva a humanidade a nós…
Pobres mortais…

…………………………………………………………..

Quintessência (quinta essência) é uma alusão à Aristóteles, que considerava que o universo era composto de quatro elementos principais – terra, água, ar e fogo-, mais um quinto elemento, uma substância etérea que permeava tudo e impedia os corpos celestes de caírem sobre a Terra.  A dinamicidade é a propriedade mais atraente da quintessência. O maior desafio de qualquer teoria de energia escura é explicar o fato de ela existir na medida exata: numa quantidade não tão grande para impedir a formação das galáxias no universo primordial, e nem tão pequena que não pudesse ser detectada agora. A energia do vácuo (a constante cosmológica de Einstein), é totalmente inerte, mantém a mesma densidade o tempo todo. Portanto, para explicar a quantidade de energia escura hoje, os valores da constante cosmológica deveriam ter sido muito bem sintonizados na criação do universo para ter o valor adequado com as observações de hoje. Em contraste, a quintessência interage com a matéria e evolui com o tempo, de forma que se ajusta naturalmente aos valores observados na época atual.

Deixe um comentário

Arquivado em Da quintessência de Z

Ford F-250 bate dois recordes mundiais de velocidade


As picapes Ford Série F, veículos mais vendidos da história, acabam de registrar mais uma conquista nos livros dos recordes. A Ford F-250 Super Duty 2011 preparada pela Hajek Motorsports bateu dois recordes mundiais de velocidade, na famosa Bonneville Salt Flats, área desértica no estado de Utah, nos Estados Unidos, tradicionalmente usada para esse tipo de teste. Equipada com o novo motor V8 Power Stroke de 6.7 litros, a picape atingiu 293 km/h usando diesel B20 (com 20% de biodiesel à base de soja) e 275 km/h com diesel comum.  O recorde anterior na categoria de picapes diesel de produção, de 268,5 km/h, pertencia à GM Duramax. Essa categoria normalmente é composta de veículos tunados, com uma série de modificações. Nesse aspecto, a Ford F-250 preparada pela Hajek Motorsports é uma raridade, já que utiliza na maioria peças de produção normal para aumentar a velocidade. Na categoria biodiesel, a marca anterior era de 210 km/h.

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações