Arquivo do dia: 27/08/2011

Ricos. (via vida breve)

Há algo de perturbador nestas manifestações de ricos que entre Nova Iorque e Paris se mobilizam para que lhes aumentem os impostos. É preciso que uma democracia ultrapasse todos os limites da submissão abjecta aos interesses de uma elite para que esta acorde repentinamente de um torpor de três décadas e nos comunique que nos esquecemos de a taxar.

Não competia a Warren Buffet ou à herdeira da L’Oreal propalar a generosidade de quem sofre com as dores do mundo e deseja, sacrificando-se, mitigá-las. Pelo contrário: nós, a opinião pública e o poder político deviamos tornar esta espécie de grandes gestos ridículos e desnecessários. Num país decente, com uma justiça fiscal rudimentar, os multimilionários deviam queixar-se dos seus impostos como se queixa um cidadão normal. Mas para isso era conveniente que os pagassem.

A Europa e a America encheram-se de vassalos desta casta que agora quer ajudar-nos. Que a criadagem das nossas plutocracias preencha os parlamentos e as administrações das empresas públicas distribuindo entre si as sobras das grandes fortunas com mesuras e salamaleques é o mais trágico testemunho do grande equívoco liberal: a ideia de que podemos deixar os grandes em paz enquanto recomendamos frugalidade aos pequenos e distribuimos roupa e comida pelos pobrezinhos.

Só uma sociedade de escravos consegue ser feliz entre esta miséria moral.

Read More via vida breve

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

O mais irônico de tudo é que eu vou publicar no Facebook (via SAMBA DE TERNO)

Em Pernambuco, no nosso dialeto, existe um adjetivo muito utilizado no cotidiano tanto das pessoas ricas quanto das pessoas pobres. Eu inclusive o utilizo, de vez em quando, e sempre me recordo da minha infância quando escuto soar a referida palavra. E apesar do caráter bucólico e saudosista que a mera pronúncia desta palavra desperta em mim, eu confesso que o fonema, em si, não me agrada muito. O som não é legal. Não sei se vocês também acham. Estou falando de abestalhado.

Francamente, não vou me dar ao trabalho de parar o que eu estou fazendo para ir verificar o significado do vocábulo abestalhado no dicionário, embora haja dois deles na minha mesa nesse exato momento: um míni Michaelis, da época do colégio, e o Aurelião, um pouco mais recente que o outro, mas nem por isso um exemplo de juventude. Que é que estaria escrito lá no dicionário? Algo do tipo, adjetivo masculino, singular, sinônimo de bobo. Sei lá, deve ser algo assim. Abestalhado é bobo. Qualidade de quem é besta, de burro, de imbecil.… Read More via SAMBA DE TERNO

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações