Arquivo do dia: 26/08/2011

Da quintessência de Z

Enfurecida carne,
Cansaço de ócio e bestialidades
Tantos estranhos expostos, dispostos, retóricos
Carmas impregnados,
Aleluia das trevas

Quem irá vencer os medos meus? Ou seriam nossos??
A quem interessar possa,
Se desvencilhar do universo atroz, feroz, febril
Anseios, reflexos de ontem, espiral “caostrofóbico”
Decadência dos sentimentos, só dos puros

Nasce a indecência permitida
Em meio a mentes destruídas
Pó, ruína… valores mórbidos
Abutres domesticados

Genes espalhados, sofridos, amargurados
Zumbis enfileirados, formatados, treinados
Ecoam vozes estremecidas, irritantes, arrogantes

Embriagues coletiva
Vida anêmica
Tons de pastel, cinza e verde fosco

A quem interessar possa,
Devolva a humanidade a nós…
Pobres mortais…

…………………………………………………………..

Quintessência (quinta essência) é uma alusão à Aristóteles, que considerava que o universo era composto de quatro elementos principais – terra, água, ar e fogo-, mais um quinto elemento, uma substância etérea que permeava tudo e impedia os corpos celestes de caírem sobre a Terra.  A dinamicidade é a propriedade mais atraente da quintessência. O maior desafio de qualquer teoria de energia escura é explicar o fato de ela existir na medida exata: numa quantidade não tão grande para impedir a formação das galáxias no universo primordial, e nem tão pequena que não pudesse ser detectada agora. A energia do vácuo (a constante cosmológica de Einstein), é totalmente inerte, mantém a mesma densidade o tempo todo. Portanto, para explicar a quantidade de energia escura hoje, os valores da constante cosmológica deveriam ter sido muito bem sintonizados na criação do universo para ter o valor adequado com as observações de hoje. Em contraste, a quintessência interage com a matéria e evolui com o tempo, de forma que se ajusta naturalmente aos valores observados na época atual.

Deixe um comentário

Arquivado em Da quintessência de Z

Ford F-250 bate dois recordes mundiais de velocidade


As picapes Ford Série F, veículos mais vendidos da história, acabam de registrar mais uma conquista nos livros dos recordes. A Ford F-250 Super Duty 2011 preparada pela Hajek Motorsports bateu dois recordes mundiais de velocidade, na famosa Bonneville Salt Flats, área desértica no estado de Utah, nos Estados Unidos, tradicionalmente usada para esse tipo de teste. Equipada com o novo motor V8 Power Stroke de 6.7 litros, a picape atingiu 293 km/h usando diesel B20 (com 20% de biodiesel à base de soja) e 275 km/h com diesel comum.  O recorde anterior na categoria de picapes diesel de produção, de 268,5 km/h, pertencia à GM Duramax. Essa categoria normalmente é composta de veículos tunados, com uma série de modificações. Nesse aspecto, a Ford F-250 preparada pela Hajek Motorsports é uma raridade, já que utiliza na maioria peças de produção normal para aumentar a velocidade. Na categoria biodiesel, a marca anterior era de 210 km/h.

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações