Arquivo do mês: junho 2011

Acidente na BR 364 mata "Zé Gaúcho", liderança da Ponta do Abunã

Zé Gaúcho, ao centro, de chapéu faleceu em acidente na BR 364

Zé Gaúcho, ao centro, de chapéu em audiência com o Governador Confúcio Moura.

José Hermeto Mazurkewicz, o “Zé Gaúcho” , morador de Extrema e um dos criadores do movimento de emancipação dos Distritos de Porto Velho da Ponta do Abunã, morreu nesta noite de quinta-feira (30) , num acidente automobilístico na BR 364. “Zé Gaúcho” , morador antigo e líder comunitário ficou conhecido por sua luta para promover a emancipação daquela região que faz fronteira com o Estado do Acre.

Sobre ele disse o ‘Governador de Rondônia, Confúcio Moura em um post no seu blog :” – Zé Gaúcho, como sempre, um eterno defensor da emancipação do Distrito de Extrema. Ele que não é advogado. Mas, já escreveu alguns tratados de direito sobre o caso. Eu vou lendo o que escreve e pegando fundamentos de tudo. Se amparado, nomear o prefeito e implantar o município porque merece. Não resta dúvida”, finalizou.

Sobre os 100 primeiros dias do Governo Confúcio, Zé Gaúcho escreveu em abril deste ano:
“Governo sério não investe em propaganda, trabalha, mostra serviço…e o povo fica satisfeito. Este poderá ser um dos fatores, que nos principais jornais dão tanta ênfase ás dificuldades de ajustes de administração do governo Confúcio Moura.Porém mesmo que gratuitos estes questionamento são benéficos para o aprimoramento do rumo das ações de governo, pois o inicio em qualquer administração, tem necessariamente, conhecer primeiro os elementos e as ações que estavam em curso no mandato anterior e inteirasse daquilo que ficou para prosseguir, que já vinha planejado pelo antecessor, que certamente tinha uma “lógica diferente”.Mas o governo precisa urgentemente se “desvencilhar” de bajuladores que em vez de somar, talvez impede que lhe seja informado que impedem “algo estranho” está acontecendo, que pela falta de capacidade dos “baba ovos”, o governo é surpreendido quando o problema já está grave ou difícil de controlar…Porém Confúcio, com o dom do velho “Mestre Chinês”, não se abala e vai procurando “sincronizar as engrenagens para que a máquina possa então rodar macio”…Avaliações eletrônicas mostram que superadas as dificuldades que todo novo governo encontra ou herda da administração anterior, Confúcio, com toda a tranqüilidade e segurança de administrador provado, fará um governo diferente, mas positivo.Certamente agora será a vez do povo, rondoniense colher os frutos que ajudou a plantar……E na Ponta do Abunã, é grande a expectativa pelo “grito da independência” para que a sonhada autonomia administrativa passe a ser um fato !”

Nota de Pesar do Governo do Estado

É com grande consternação que o governador Confúcio Moura recebeu a notícia da abrupta morte do pioneiro na região da Ponta do Abunã, José Hermeto Mazurkewicz, o “Zé Gaúcho”. O governador reconhece a dedicação e o trabalho de Zé Gaúcho, em defesa do desenvolvimento e emancipação política e administrativa daquela região. É, portanto, com enorme pesar que o governador Confúcio Moura presta condolências aos familiares e amigos do popular e ilustre Zé Gaúcho e manifesta sentimento de sincera solidariedade. 

Confúcio Ayres Moura 
Governador de Rondônia 

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Norte

Acidente na BR 364 mata “Zé Gaúcho”, liderança da Ponta do Abunã

Zé Gaúcho, ao centro, de chapéu faleceu em acidente na BR 364

Zé Gaúcho, ao centro, de chapéu em audiência com o Governador Confúcio Moura.

José Hermeto Mazurkewicz, o “Zé Gaúcho” , morador de Extrema e um dos criadores do movimento de emancipação dos Distritos de Porto Velho da Ponta do Abunã, morreu nesta noite de quinta-feira (30) , num acidente automobilístico na BR 364. “Zé Gaúcho” , morador antigo e líder comunitário ficou conhecido por sua luta para promover a emancipação daquela região que faz fronteira com o Estado do Acre.

Sobre ele disse o ‘Governador de Rondônia, Confúcio Moura em um post no seu blog :” – Zé Gaúcho, como sempre, um eterno defensor da emancipação do Distrito de Extrema. Ele que não é advogado. Mas, já escreveu alguns tratados de direito sobre o caso. Eu vou lendo o que escreve e pegando fundamentos de tudo. Se amparado, nomear o prefeito e implantar o município porque merece. Não resta dúvida”, finalizou.

Sobre os 100 primeiros dias do Governo Confúcio, Zé Gaúcho escreveu em abril deste ano:
“Governo sério não investe em propaganda, trabalha, mostra serviço…e o povo fica satisfeito. Este poderá ser um dos fatores, que nos principais jornais dão tanta ênfase ás dificuldades de ajustes de administração do governo Confúcio Moura.Porém mesmo que gratuitos estes questionamento são benéficos para o aprimoramento do rumo das ações de governo, pois o inicio em qualquer administração, tem necessariamente, conhecer primeiro os elementos e as ações que estavam em curso no mandato anterior e inteirasse daquilo que ficou para prosseguir, que já vinha planejado pelo antecessor, que certamente tinha uma “lógica diferente”.Mas o governo precisa urgentemente se “desvencilhar” de bajuladores que em vez de somar, talvez impede que lhe seja informado que impedem “algo estranho” está acontecendo, que pela falta de capacidade dos “baba ovos”, o governo é surpreendido quando o problema já está grave ou difícil de controlar…Porém Confúcio, com o dom do velho “Mestre Chinês”, não se abala e vai procurando “sincronizar as engrenagens para que a máquina possa então rodar macio”…Avaliações eletrônicas mostram que superadas as dificuldades que todo novo governo encontra ou herda da administração anterior, Confúcio, com toda a tranqüilidade e segurança de administrador provado, fará um governo diferente, mas positivo.Certamente agora será a vez do povo, rondoniense colher os frutos que ajudou a plantar……E na Ponta do Abunã, é grande a expectativa pelo “grito da independência” para que a sonhada autonomia administrativa passe a ser um fato !”

Nota de Pesar do Governo do Estado

É com grande consternação que o governador Confúcio Moura recebeu a notícia da abrupta morte do pioneiro na região da Ponta do Abunã, José Hermeto Mazurkewicz, o “Zé Gaúcho”. O governador reconhece a dedicação e o trabalho de Zé Gaúcho, em defesa do desenvolvimento e emancipação política e administrativa daquela região. É, portanto, com enorme pesar que o governador Confúcio Moura presta condolências aos familiares e amigos do popular e ilustre Zé Gaúcho e manifesta sentimento de sincera solidariedade. 

Confúcio Ayres Moura 
Governador de Rondônia 

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Norte

Netho Vignol na rádio Putzgrila, em POA

 Isabelino Vignol Neto , o Netho Vignol nasceu em Porto Alegre em 62. Filho de costureira e pai militar, irmão de mais cinco militares, duas irmãs guerrilheiras fora agregados que ” formaram minha capacidade de questionar e entender desde cedo que espaço é uma coisa que se conquista com muita perseverança, determinação e sem pressa.”  Estudou no Israelita brasileiro (primário) e fez o nível médio no Colégio Militar. Dessas experiências surge a descoberta de ser livre o que faz até hoje através de ações no ramo da música e mais recentemente no rádio como forma de expressão.

Formou sua primeira banda aos onze anos achando que “era só isso que deveria fazer”. Como compositor, letrista, vocalista e baixista, tem três álbuns gravados e  um editado, Cine Privé , banda dos anos 80 que realizou vários shows nas principais casas da época: Porto de Elis, Opinião, Madame Satã , etc… Estão gravados e não editados dois álbuns com a Banda La Bronca de nomes Metralhadora Giratória e Sovinas & Muquiranas com letras de cunho social e político.

Agora é radialista na web pela rádio Putzgrila de Porto Alegre com total liberdade para produzir e falar sobre os mesmos temas que o atormentam desde sempre.

“Pode até ser coisa de família, mas é a maneira que me relaciono com o mundo. O programa tem a modesta pretensão de despertar a capacidade de indignação nas pessoas já que ao meu olhar parece entorpecida pela capacidade que todos adquiriram de se endividar e comprar e ter até mesmo o que não precisa. Esquecem por causa obvia dos conceitos e regras de convívio social”.

“- Já que todos em si “mesmados“ com problemas econômicos não tem tempo para vida, diversão e Rock’n Roll. A criança que vive dentro de todos nós morre e sobram o egoísmo e pretensão” – finaliza Netho. “Então se liguem na www.radioputzgrila.com.br e sejam felizes pelo tempo que estiverem ligados…”

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

A Parada Gay de Angeli (via andre dahmer)

A Parada Gay de Angeli

via andre dahmer

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

musa súbita

Por Binho

a
tatuagem

do
cangote
à
espádua
da
galega

é
paisagem

as
madeixas
louras
que
saltam
soltas
em
suas
costas
são
miragens

o
sabor
de
ameixa
e
o
olor
rosáceo
do
seu
sexo
são
selvagens

via Menino da Água Doce

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

O Rally dos Sertões cai no samba

As marcas positivas que o Rally dos Sertões deixa não param de crescer. Não apenas, 1) na área esportiva, com a realização anual de um evento modelo para as comunidades dos esportes a motor; como 2) na incisiva ação social que dura todo o ano e que leva para as comunidades assistências diversas; 3) na inédita ação ambiental que a cada ano se amplia e renova apresentando soluções inéditas de cuidado e preservação do meio ambiente; 4) no atento respeito às tradições culturais das regiões atravessadas; sem esquecer, 5) da admirável contribuição para a divulgação de áreas de turismo ainda pouco aproveitadas.  Como se todos os motivos enumerados não fossem suficientes o Rally dos Sertões mostra o seu fôlego ao ser escolhido como fio condutor do enredo do Carnaval 2012 do Grêmio Recreativo Cultural Escola de Samba X9 Paulistana. A escola conhecida por seus enredos criativos e com firme referência a assuntos contemporâneos escolheu em sua quadra localizada na zona norte da cidade de São Paulo, no último dia 19 de junho, o seu enredo: “Trazendo para os braços do povo o coração do Brasil… A X9 Paulistana desbrava os sertões dessa gente varonil”!!

5000km de samba no pé.

E para mostrar a preocupação da X9 Paulistana em transportar para a avenida o verdadeiro espírito de aventura da prova é que os carnavalescos da escola, Rodrigo Cadete e Flávio Campello, vão acompanhar a competição de 9 a 19 de agosto de Goiânia a Fortaleza. “É muito bom ver a preocupação da X9 com a correta referência sociocultural e a adequada exposição do  forte impacto que o Rally dos Sertões tem nas mais diversas mídias e diferentes estratos da população”, comenta Marcos Moraes, proprietário da Dunas, empresa organizadora do Rally dos Sertões e do Sertões Series. Para a X9, segundo o seu presidente José Manoel Gaspar, “É a confirmação do samba como fator de união, um traço de orgulho da escola, de seus passistas, de sua bateria, de seus carnavalescos e de sua comunidade.”

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Vá se ligando (via Ossos do Ofídio)

Noto, não é de hoje, o uso repetitivo, insistente de alguns verbos. Digo: fracos. Digo: verbos que aprendemos no primário. No secundário, não sei. Os pentelhos agarram no pé do nosso parágrafo. E não largam mais. Ai, ai. Quais? Eis: os verbos de ligação. A saber: ser, estar, parecer, permanecer, ficar, continuar e andar. Pode notar. Deles, é claro, o verbo “ser” ganha disparado.  Tudo é, tudo foi, tudo será. Até entendo.  … Read More via OSSOS DO OFÍDIO

Deixe um comentário

Arquivado em Reblog

Concurso de Fotografia "Rondônia é mais…"

Clique na imagem para ir ao site

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Norte

Concurso de Fotografia “Rondônia é mais…”

Clique na imagem para ir ao site

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Norte

Larika dos Muleke

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Fragilidade na net : internautas usam senhas fracas

O Brasil e o resto do mundo têm vivenciado graves problemas com hackers que invadem sistemas públicos e privados com intuito de roubar informações confidenciais ou pelo simples prazer de provar que são bons no que fazem. Ter uma senha que seja difícil de ser descoberta para cada conta de email, rede social, Internet banking, entre outros serviços online, é uma medida simples que pode evitar futuras dores de cabeça.Segundo pesquisa da PC Tools, realizada em 2009, 47% dos homens entrevistados no Reino Unido admitiram usar apenas uma senha para todas as contas de serviços online. As mulheres demonstraram ser mais cautelosas – 26% dizem fazer o mesmo. Outra pesquisa, feita em 2010 na Austrália, apontou que 28% dos jovens entre 18 e 38 anos possuíam senhas fáceis de serem adivinhadas, como nome de namorado(a) – facilmente desvendados em redes sociais –, sequências de número “123456” ou de letras do teclado “qwerty”,  nome de animais de estimação ou do esporte favorito.

Sempre mude sua senha – Use senhas diferentes para cada conta; e-mail, internet bank, sites de relacionamento e outras redes sociais. Saiba como em :  http://www.pctools.com/guides/password/

Exemplo de senha segura:

Troque letras por números: “i” por “1”, “o” por “0”, “s” por “5” e “g” por “9”
Substitua letras por símbolos: Use “@” para “a” ou “$” para “s”
Utilize pelo menos uma letra maiúscula para cada senha
Use mais de uma palavra e que não tenham relações entre si
Use números no início ou final da senha, mas que não sejam datas comemorativas ou seu aniversário

ÁguaSeca71      =       @9ua$ecA71

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Imprensa inconsequente contribui para trazer o AI5 Digital de volta (via Somos andando)

Imprensa inconsequente contribui para trazer o AI5 Digital de volta A “maior onda de ataques a sites do governo”, segundo os que entendem do metiê, não passou de um ataque primário, cujo único resultado poderia ser tirar os sites do ar, sem qualquer tipo de acesso a informações ou prejuízos maiores ao governo. Pois estes ataques estão agora sendo usados como justificativa para retomar um projeto de lei extremamente nocivo, que criminaliza usuários de internet, tira-lhes sua privacidade, instaura o vigilantismo… Read More via Somos andando

Deixe um comentário

Arquivado em Reblog

Massa Crítica

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Sul

Ônibus de São Paulo para Cuzco, no Peru

A Expreso Internacional Ormeño começou a operar na Rodoviária Tietê, em São Paulo provavelmente a rota de maior percurso da América do Sul, ligando São Paulo, Cuzco e Lima.  A Ormeño foi à primeira empresa a cobrir rotas internacionais terrestres começou inicialmente a rota Lima-Buenos Aires e a seguir ampliando seus destinos como Santiago do Chile, Guaiaquil, Quito (Equador), Cali, Cucutá, Bogotá (Colômbia) e Caracas (Venezuela). A rota Lima- São Paulo compreende os trajetos Lima, Cusco, Porto Maldonado (em Peru) e Rio Branco, Porto Velho, Cuiabá até São Paulo pela nova estrada transoceânica. De São Paulo a Lima, o ônibus percorre cerca de 5.800 km durante cinco dias passando pelos trechos 1, 2 e 3 da Interoceânica que se estende por 2.600 Km sendo parte deles pela selva amazônica. Segundo executivos da Ormeño, um dos objetivos da linha é atender ao fluxo de turistas peruanos durante a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. A empresa fica no guichê 319 da ala internacional do Terminal Rodoviário Tietê. O fone é (11) 2089 1196 . O site é http://www.grupo-ormeno.com.pe

5 Comentários

Arquivado em Ao Norte

Desmundos

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Para-choque de blog

“Relaxa que eu tenho um plano!”

Deixe um comentário

Arquivado em Para-choque de Blog

Guest Post: Montmartre Vignettes (via Little Big)

 E por falar em Dani, Pigalle,  Montmartre…Veja Mais via Little Big

Deixe um comentário

Arquivado em Reblog

Do blog da Dani Norberto – Festa Estranha

Clique na imagem para ampliar – via Danidana.posterous.com

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Órfãos do detetive Columbo (Peter Falk) no fim de semana

Quem era fã da série “Columbo” , nos anos 70 ficou mais triste neste final de semana. O ator americano Peter Falk que encarnou o detetive 69 vezes na célebre série da televisão, morreu nesta sexta-feira aos 83 anos, confirmou a família. Seu humor mordaz, o eterno impermeável bege, o Peugeot 403, o charuto inseparável e a mímica inimitável valeram a Peter Falk sucesso e simpatia.

Naquela época não havia a profusão de séries e personagens, como hoje a tv a cabo e via satélite oferecem. A gente tinha que se contentar com dois, três canais de televisão e olhe lá. No meu caso, a série passava na TV Difusora canal 10, hoje da Rede Bandeirantes, de Porto Alegre/RS. E no dia que passava Columbo era sagrado ligar a velha Philips preto e branco, a tubo e com válvulas que demoravam a esquentar…

Falk nasceu em 16 de setembro de 1927 em Nova Iorque, numa família judia, de pai russo e mãe tcheca. Aos três anos, um tumor maligno fez com que perdesse um olho. Após ter completado o mestrado em ciências políticas na Universidade de Siracusa (NY), e de ter trabalhado como cozinheiro, tentou em vão se integrar à agência americana de informação, a CIA, lançando-se na carreira de funcionário público do Estado de Connecticut. Deixou o cargo em 1957 por sua paixão, a comédia.

Iniciou, então, a carreira de ator, já numa série de televisão. No filme “Dama por um dia” de Frank Capra, levou um Oscar. No total, trabalhou em 60 filmes, principalmente os de seu amigo John Cassavetes, entre eles “Os Maridos”, em 1970, e “Uma Mulher sob influência”, em 1974. Em 1992, em “O Jogador” de Robert Altman, desempenhou seu próprio papel.

A partir de 1968, e durante 35 anos, foi o Columbo, que teve o primeiro episódio dirigido pelo então jovem de 25 anos Steven Spielberg. Em 69 episódios, Peter Falk produziu ou co-produziu 24,o último deles em 2003.

Há vários anos, Peter Falk sofria de Alzheimer, e vivia na dependência da segunda mulher, Shera Danese. Atuou, ainda, em Asas do Desejo (Wim Wenders) 1987; A Princesa Prometida (Rob Reiner) 1987; Deu a Louca no Mundo (Stanley Kramer) 1963; Assassinato por Morte (Robert Moore).

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

As estrelas e as luzes da cidade

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Gente que encontrei por aí… Luiz Nobre

Deixe um comentário

Arquivado em Gente que encontrei por aí

Terra sem lei: Reportagem da Revista Marie Claire serve para profundas reflexões

A reportagem “Terra sem Lei : Prostituição, Drogas e Violência na maior obra do Pac, de Maria Laura Neves (texto) e André Vieira (fotos) , publicada na Revista Marie Claire mostra situações sociais no distrito de Jacy Paraná, a 90 km de Porto Velho que merecem uma profunda reflexão. Leia e forme sua opinião.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

"Velozes 5" e "Se beber, não case 2": que países são esses? (via Complexo C)


De um lado a animação Rio, do brasileiro Carlos Saldanha, usa estereótipos ultrapassados para representar a Cidade Maravilhosa de maneira ufanista. Do outro, o quinto filme da franquia de ação Velozes e furiosos atualiza a mitologia que cerca o Rio, mas o faz de maneira a depreciar a cidade. O mesmo faz a comédia Se beber, não case! Parte 2 com a capital da Tailândia. … Read More via Complexo C

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

“Velozes 5” e “Se beber, não case 2”: que países são esses? (via Complexo C)


De um lado a animação Rio, do brasileiro Carlos Saldanha, usa estereótipos ultrapassados para representar a Cidade Maravilhosa de maneira ufanista. Do outro, o quinto filme da franquia de ação Velozes e furiosos atualiza a mitologia que cerca o Rio, mas o faz de maneira a depreciar a cidade. O mesmo faz a comédia Se beber, não case! Parte 2 com a capital da Tailândia. … Read More via Complexo C

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Para quem gosta de gatos…

Selecione a opção HD 720p e ponha seu bichano na frente da tela!

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Sessão "A vingança dos filmes B!" (via Cinema Ex Machina)

Sobrevivendo às margens do cinema mainstream, as produções independentes de baixo orçamento, além das óbvias dificuldades financeiras de realização, sempre lutaram contra um sistema de distribuição dominado por monopólios, e por vezes com a incompreensão de um público acostumado a uma estética cinematográfica culturalmente imposta pelos grandes estúdios.  … Leia Mais via Cinema Ex Machina

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Sessão “A vingança dos filmes B!” (via Cinema Ex Machina)

Sobrevivendo às margens do cinema mainstream, as produções independentes de baixo orçamento, além das óbvias dificuldades financeiras de realização, sempre lutaram contra um sistema de distribuição dominado por monopólios, e por vezes com a incompreensão de um público acostumado a uma estética cinematográfica culturalmente imposta pelos grandes estúdios.  … Leia Mais via Cinema Ex Machina

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Trânsito, irracionalidade e silêncio oficial

Por Marcelo Rocha*
 
A brutalidade irracional do trânsito de São Paulo fez mais uma vítima. Um dos principais executivos da indústria paulista, que teria todos os meios a sua disposição para se deslocar apenas de carro, ou até mesmo de helicóptero, como fazem tantos empresários desta cidade, foi assassinado sobre uma bicicleta. Em uma cidade como a nossa, em que o trânsito mata 50 ciclistas por ano, não surpreende mais esse descaso com a vida. Diariamente, veículos ocupados caprichosamente apenas por seu condutor travam uma batalha covarde com pedestres e ciclistas. Sentados dentro de suas armaduras, cada vez maiores e ameaçadoras, investem contra seres humanos desarmados, em faróis, entradas de estacionamentos de shoppings, portas de escolas e tantos outros locais onde se exibe infinita estupidez. E o pior: julgam ter direito a todo o espaço disponível da cidade; afinal, a cidade foi e continua sendo cada vez mais alterada em favor deles. Ruas se alargam, calçadas se estreitam, árvores são derrubadas: tudo pelo bem dos veículos que precisam transitar por uma cidade que, sem se preocupar com o transporte coletivo – pelo menos com o de qualidade -, investe em mais ruas, avenidas e extinção da vida.
É curioso observar como os motoristas acreditam ser natural avançar contra os cidadãos em faróis abertos ou fechados, faixas de pedestres ou simplesmente para se divertirem diante de pessoas que não têm à sua disposição um monte de lata de uma tonelada. É como se tivessem um direito divino sobre as vias da cidade, onde pedestres são obstáculos que não podem atrapalhar o livre fluxo dos carros.
Prefeito após prefeito, nada tem sido feito para alterar esse quadro. Ciclovias não existem, ou existem como piada. Alguém já observou como têm crescido as ciclovias de São Paulo? Faria Lima, Berrini, JK, Hélio Pelegrino… Será que o morador dessas regiões deixará o carro em casa para se deslocar para o trabalho de bicicleta? As ciclovias só podem ser utilizadas por algumas horas aos domingos nessas regiões nobres da cidade porque obviamente o morador do Itaim realmente precisa de carro para se deslocar até seu trabalho na Paulista ou nos Jardins, percurso que poderia fazer a pé em 20 minutos, dando grande contribuição para a sua saúde e a da cidade.
Uma ciclovia desse tipo não serve ao trabalhador comum; serve ao lazer do paulistano dessas regiões.
Acompanhando cidades como Paris, que adotou a bicicleta como uma alternativa para percursos curtos, os bicicletários paulistanos limitam-se aos 45 km de ciclovias de São Paulo. Já Bogotá, na Colômbia, tem 121 km.
Sempre que tragédias como essa acontecem em nossa cidade, autoridades mandam flores, dão apoio à família e lançam palavras que se diluem em um mar de promessas. Até que se concretizem, quantos ciclistas não chegarão a seu destino?
* Presidente da Associação Horizontes (www.ah.org.br), entidade sem fins lucrativos que visa promover sustentabilidade, cidadania, inclusão social e geração de trabalho e renda por meio da educação

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Para-choque de blog

“A sorte sorrí para os corajosos”

Deixe um comentário

Arquivado em Para-choque de Blog

As 100 coisas mais nojentas do planeta

De besouros que comem esterco a larvas que devoram carne; de filhotes de aves que esguicham vômito a pepinos gosmentos; de cogumelos fétidos a plantas repugnantes que podem devorar até um camundongo, o mundo natural está repleto de seres vivos realmente asquerosos. É claro que muitos deles são nojentos só para nós – afinal de contas, todos eles simplesmente procuram apenas sobreviver, como todo ser vivo na Terra. Acontece que, para isso, muitas espécies – incluindo os seres humanos! – tiveram que desenvolver alguns hábitos que são verdadeiramente muito nojentos… Um livro de Anna Claybourne , autora de vários livros sobre o mundo natural destinados a jovens leitores, incluindo 100 coisas mais perigosas do planetaUsborne Internet-Linked Encyclopedia of Planet Earth,Extreme Earth,Weird Wildlife: PlantsKiller Creatures: Tiger e muitos mais. A Editora é a Zastras e o preço sugerido é de R$ 39,00 .

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Para-choque de blog

“O único lugar onde o sucesso vem antes do trabalho é no dicionário.”

Deixe um comentário

Arquivado em Para-choque de Blog

Altos e baixos de uma vida bipolar

“Sei exatamente como é querer morrer, como dói sorrir, como você tenta se ajustar e não consegue, como você se fere por fora tentando matar o que tem dentro”. A frase, proferida por Winona Ryder no filme “Garota Interrompida”, reflete com exatidão os sentimentos de um portador de uma doença crônica e sem cura: o transtorno bipolar.

O transtorno afetivo bipolar do humor (TAB) é caracterizado pela variação brusca e extrema de temperamento, na qual uma hora a pessoa está eufórica, feliz e satisfeita, e, no momento seguinte, em depressão profunda. Muito se engana quem acha que o distúrbio é relativamente recente. Segundo o psiquiatra José Alberto Del Porto, professor titular da Unifesp, os primeiros relatos referentes à doença bipolar remontam há muitos séculos. “Na realidade, há descrições sobre a doença desde o século I d.C., feitos por Araeteus da Capadócia, sobre a unidade da doença maníaco depressiva”.

A bipolaridade é caracterizada  pela ocorrência das fases maníacas, depressivas e pelos estados mistos (sintomas de mania e depressão ao mesmo tempo). As classificações oficiais incluem o transtorno bipolar do tipo I (mania plena e depressão maior) e o transtorno bipolar do tipo II (depressão maior alternada com hipomania – pequena mania -, ou mania mitigada, de menor intensidade e duração). O transtorno bipolar do tipo II é o mais prevalente na população geral, porém ainda pouco diagnosticado.

De acordo com Del Porto, a prevalência do transtorno bipolar, em suas formas típicas (I e II), chega a 1,4% da população geral. “No entanto, ao incluir nas estatísticas as formas mais brandas da doença – o chamado ‘espectro bipolar’-,  a prevalência chega a 4,5% da população geral, o que faz do transtorno bipolar um verdadeiro problema de saúde pública”, alerta.

Possuidora de uma carga genética amplamente reconhecida, a doença pode ocorrer não só na fase adulta, mas em qualquer fase na vida. “Embora se inicie geralmente no adulto jovem, o TAB pode começar também na infância e na adolescência. Nessa faixa etária, os episódios podem apresentar oscilações muito rápidas do humor, entre depressão e mania, muitas vezes no mesmo dia”. Nesses casos, o diagnóstico deve ser realizado por psiquiatras em conjunto com psicopedagogos. “A enfermidade também acomete os idosos, motivada, na maioria das vezes, por causas orgânicas como as várias formas de demência comuns com o avanço da idade”.

A detecção do transtorno bipolar exige tempo, investigação cuidadosa e, muitas vezes, entrevistas com os familiares do paciente. O diagnóstico precoce é importante, pois pode prevenir recorrências futuras e deterioração da qualidade de vida. “O diagnóstico não pode ser feito de forma ampla. É preciso levar em consideração uma série de critérios, como a duração dos sintomas, alteração no funcionamento do organismo, mudanças no relacionamento social, entre outros. Apesar de não ter cura, é possível prevenir os episódios com o tratamento adequado, que inclui medicamentos estabilizadores do humor e acompanhamento psicoterápico”, orienta Del Porto.

Atualmente, existem no mercado opções de tratamento do transtorno bipolar capazes de reduzir os efeitos colaterais normalmente causados por este tipo de medicamentos. Incluem-se entre elas o Geodon (cloridrato de ziprasidona), que teve uma nova indicação para o controle da mania bipolar aprovada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no Brasil. Indicado também para controle da fase aguda, prevenção de recorrência em pacientes bipolares e para portadores de esquizofrenia, o produto tem a vantagem de não apresentar alguns dos efeitos adversos associados aos demais antipsicóticos atípicos, como ganho de peso excessivo e indução à síndrome metabólica (aumento do colesterol, triglicérides e da glicemia).

Aprender a viver com uma condição crônica não é impossível. O psiquiatra ressalta a importância da adoção de alguns hábitos que os portadores de transtorno afetivo bipolar podem adotar no seu cotidiano para ajudá-los a conviver com a doença. “É muito importante a educação do paciente e de seus familiares quanto à necessidade da adesão ao tratamento. Dormir e acordar em horários regulares e evitar os trabalhos em turnos é recomendável, uma vez que o bipolar costuma trocar o dia pela noite. Também é indicado evitar o consumo de álcool, cafeína, cigarros e drogas, como maconha e cocaína, que podem precipitar crises. Outra sugestão é participar de grupos de psicoeducação, que auxiliam e ensinam o paciente a lidar com a doença e prevenir suas recorrências”, orienta Del Porto.

Fases do Transtorno Bipolar

Sintomas da Mania

Sintomas da Depressão

·   Humor excessivamente animado, exaltado, eufórico, alegria exagerada e duradoura;·   Extrema irritabilidade, impaciência ou “pavio muito curto”;·   Aumento de energia, da atividade, começando muitas coisas ao mesmo tempo sem conseguir terminá-las;

·   Otimismo e confiança exageradas;

·   Pouca capacidade de julgamento, incapacidade de discernir;

·   Crenças irreais sobre as próprias capacidades, acreditando possuir muitos dons ou poderes especiais;

·   Comportamento inadequado, provocador, intrometido, agressivo ou de risco;

·   Aumento do impulso sexual;

·   Insônia e pouca necessidade de sono;

·   Uso de drogas, em especial cocaína, álcool e soníferos.

· Humor melancólico, depressivo;· Perda de interesse ou prazer em atividades habitualmente interessantes;· Sentimentos de tristeza, vazio, ou aparência chorosa/melancólica;

· Inquietação ou irritabilidade;

· Perda ou aumento de apetite/peso, mesmo sem estar de dieta;

· Excesso de sono ou incapacidade de dormir;

· Sentir-se ou estar agitado demais ou excessivamente devagar (lentidão);

· Fadiga ou perda de energia;

· Sentimentos de falta de esperança, culpa excessiva ou pessimismo;

· Dificuldade de concentração, de se lembrar das coisas ou de tomar decisões;

· Pensamentos de morte ou suicídio, planejamento ou tentativas de suicídio.

 

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Luzes da Cidade (1931) (via Já viu esse?)

Cerca de 6 meses depois, consegui tempo para dar sequência ao que me propus aqui: conhecer a filmografia do Charles Chaplin. Tendo sido lançado já na época do “cinema falado”, Luzes da Cidade representa um marco na carreira de Chaplin por ser seu último filme “mudo”. Apesar de possuir uma trilha sonora sincronizada com as cenas e um breve “discurso” inicial composto de sons incompreensíveis, os diálogos do filme ainda são apresentados através de cartelas… Read More via Já viu esse?

Deixe um comentário

Arquivado em Reblog

Crise terminal do capitalismo? (via Leonardo Boff)

Tenho sustentado que a crise atual do capitalismo é mais que conjuntural e estrutural. É terminal. Chegou ao fim o gênio do capitalismo de sempre adapatar-se a qualquer circunstância. Estou consciente de que são poucos que representam esta tese. No entanto, duas razões me levam a esta interpretação. A primeira é a seguinte: a crise é terminal porque todos nós, mas particularmente, o capitalismo, encostamos nos limites da Terra. … Read More via Leonardo Boff

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Caneca de Lente Fotográfica (via Banco & Balcão)

Outro dia no twitter eu estava comentando sobre a minha paixão por café. Logo depois falava sobre meu gosto por fotografia e como apesar de não entender nada sobre o assunto, improvisava para tirar algumas fotos dos pratos que você vê aqui. Foi quando vi um produto sensacional que unia as paixões e tuitei à respeito, dizendo que num mundo perfeito eu teria um Caneca térmica de lente fotográfica.  … Read More via Banco & Balcão

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Para-choque de blog

“Por maior que seja o buraco em que você se encontra, sorria, porque, por enquanto, ainda não há terra em cima.”

Deixe um comentário

Arquivado em Para-choque de Blog

Somos Manés?

Por Rud Prado

Evo Morales é mesmo muito preocupado com as refinarias. Desta vez não é o negro petróleo boliviano que defende com unhas e dentes.  Ao legalizar os veículos que estão “sem documentação” que circulam pela pátria boliviana, Morales decreta uma carreira promissora para o tráfico da branquinha e de seus derivados. O cultivo e o refino da coca vão de vento em popa. Nossos carros, como sempre, vão e não voltam. Como sempre porque o presidente narconacionalista  só fez carimbar o que, na prática, sempre ocorreu: a criminosa  coparticipação do estado boliviano no saque da frota brasileira. E no Paraguai também é por aí.  Não tem choro nem vela. A roda tocou o solo dos nossos hermanos, já era: vai trabalhar para comprar outro, Mané!

O estado brasileiro faz vista grossa para o problema que há  tempos deixou de ser apenas caso de polícia, para ser uma causa diplomática. Mas a causa é sem dono. Nos falta um item de série: culhão. E não vai aqui nenhuma discriminação à presidenta. A falta de culhão é antiga. Nossas autoridades nunca se incomodaram com a permissividade das autoridades vizinhas. O sentimento de impotência do cidadão brasileiro ao se deparar com seu veículo em terras fronteiriças, e não poder fazer nada para recuperar seu patrimônio, parece não mexer com os brios de nossos governantes.

Agora Evo Morales dá um tapão na cara dos brasileiros.  Será que servirá para alguma coisa? Quem sabe sirva para fazer com que nossos representantes  no parlamento saíam em nossa defesa. Talvez o povo vá para rua de carro ou a pé – nunca se sabe –  para cobrar uma atitude do estado brasileiro.   Quem sabe caia a ficha para a gravidade da situação. Pessoas perdem suas economias quando o veículo é levado. Pessoas perdem a vida todos os dias para que algum aproveitador compre um carro brasileiro a preço de banana, ou em troca de alguns quilos de porcaria. Sem documento mas com dono Sr. Evo Morales!  Não quero fazer aqui nenhuma apologia ao criador da frase, mas deixemos de ser Manés: ou o Brasil mostra que tem aquilo roxo – ou viramos pó.

1 comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Comeu, morreu…

Uma certa lanchonete em Natal / RN foto : Zane Santos

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Esse Obscuro Objeto do Desejo (1977) (via Já viu esse?)

Apesar de ter assistido Um Cão Andaluz na faculdade, eu só lembrava do nome do Buñuel por conta da música Gaiola das Cabeçudas do Marcelo Adnet. Pelo que eu andei lendo, o “cineasta espanhol amigo do Salvador Dali” parece gozar de grande popularidade entre os cinéfilos por, entre outras coisas, apresentar em seus filmes elementos surreais e críticas a burguesia. Esse Obscuro Objeto do Desejo foi o último filme feito pelo Buñuel  …Leia Mais via Já viu esse?  Leia também Meu último suspiro e Buñuel:um “anjo” ateu

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Velho Briza

Ana Nascimento/ABr

foto : Ana Nascimento/ABr

Para quem não lembra, hoje , 21 de junho, faz 7 anos que morreu Leonel Brizola …

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Governo de Rondônia anuncia construção de 20 escolas indígenas

Por Ana Aranda

foto: J. Gomes

foto: J. Gomes

O governador de Rondônia, Confúcio Moura, assinou hoje convênios para a construção de 20 escolas em Terras Indígenas (TIs) de Rondônia. As novas escolas vão substituir outras que estão em precárias condições. No ato de assinatura dos papéis, Confúcio alertou para as dificuldades que o governo do Estado terá para fazer as obras nas aldeias, que estão localizadas em áreas longínquas, de difícil acesso. “Vamos tentar organizar pequenas  empresas familiares e cooperativas para as construções em municípios como Alta Floresta e Guajará. Em alguns casos, o acesso às aldeias exige até seis horas de barco”, informou. O governador lembrou que não poderá contar com empresas de construção civil de Porto Velho, que estão encarregadas das obras do PAC em andamento na Capital. Continue Lendo via Amazônia da Gente

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Espírito da finura

Eu ía escrever um monte de coisa bonita sobre o Jean Ricardo. Que ele é um cara bacana, autêntico, patati-patatá…Não vou conseguir, e sua poesia por si só define o cara. Manda aí, Jean !

“PARAÍSO”

Água corre, lavando… Vai se reciclando! Cheiro de recinto limpo. Sol não aparecendo. Roupas num varal.

Ferro passando, a luz  Elétrica apagada/ doméstica   Sogra, sogro, cunhados,  Dia:  Água no corpo, na pia,  No copo, na garganta.

Gente que conversa   Se trata/ contrata.    Eu que não converso.   Com verso,  tranqüilo…

Água que não para de correr!  Jeito que deixa,  Quando quer deixar de ser: – Mesmo morrendo,  Palavras por elas mesmas.

Grito atrás de parede!  Silêncio numa hora que não podia ser…  Inquietude! Mente lembrando,  Cérebro respirando.

Pássaro que não para(só quando falo!) de cantar.  Dia quente de noite quente ! Que o primeiro que levanta, É o último que se deita!

Pássaro cantando quando não falo!  E pelo tempo que levou esse verso: O silêncio do pássaro…

Que volta a cantar,  No silêncio,  (Insilenciável) da voz do pássaro:

A versão dos versos  Dos que vieram na barca de Noé…  Adão e Eva dos pássaros!

Todos filhos de Abraão!

A mistura das penas.  A multiplicação dos pássaros.  A invasão do Brasil. As índias da cidade  Que mostram os peitos na beira do rio

Coisa que se lembra e se conta,  Mostrando que o negócio é fugir,  Para voltar ao assunto…

Pássaros que cantam  Na manhã em que se faz es-  [se…  Vários poemas!

A participação deles na primeira missa!  A catequização dos pássaros:   Louro falando português!  O fim dos cultos pagãos!  A extinção das aves!  O surgimento da galinha:  O espanto!  Com o ovo de Colombo;

Dizem as boas línguas  (que muitos atribuem más) que era castrado.  Por isso se lançavam ao mar,  Junto de muitas bichas,  Que deixavam seus filhos e suas putas!  Salgando os cais  Soltando os gais  (caises gases;peidos portos  tanto faz!)

A questão é, não houve Colombo II  E não porque terceiros,  Dizem primeiros  Que segundos vieram  (Aos montes!)  Cagar as praias do Brasil!

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Gente que encontrei por aí… Rogério Dias

Rogério pulou a cerca...

e depois foi conferir alguns empreendimentos no Norte. foto: D. Curado

2 Comentários

Arquivado em Gente que encontrei por aí

Laio

foto : S. Ramos

A semana começa mais triste com a notícia da morte do Laio (Francisco Lázaro) , beiradeiro de Calama, músico, ex- integrante dos Anjos da Madrugada, irmão do também meu amigo Serginho Santos. Laio além de grande músico era produtor, e pelas mãos dele passou a maioria dos CD´s gravados em Porto Velho. As informações dão conta que seu corpo será transladado de São Paulo para Rondônia nesta segunda-feira. E o velório e sepultamento ocorrerão no cemitério “Jardim da Saudade “. Laio fez parte do antológico CD “Amazônia em Canto” , uma seleção de músicos regionais que mostraram o seu talento para o Brasil e o mundo. Laio também participou da trilha sonora do meu primeiro documentário feito por estas bandas “Latitute 8 º 46´Sul – Porto das Esperanças” , que acabou se tornando um LP e um show que foi mostrado até na Sala Cecília Meirelles, da Funarte no RJ. A arte de Rondônia, definitivamente,  está de luto com a perda deste guerreiro.

Laio – O silêncio do Uirapuru

Por Altair dos Santos(Tatá)

Um dos uirapurus da Amazônia silenciou de vez. O Laio rasgou a cortina do tempo, estufou o peito, soltou a voz e foi cantar lá no céu. Cantava como poucos, de forma emocionada. O criativo compositor e cantor tanto fez que ultimamente já não habitava os raios dos holofotes da cena cultural e emprestava o seu melodioso em forma de oração para o movimento da Renovação Carismática Católica entoando, de quando em vez, orações musicais que iam alojar-se direto nos corações das pessoas. Por entre rios e florestas, quis o imã do registro histórico que buscássemos agora, em simbólico mergulho nas barrentas e apressadas águas do Madeira, o menino Laio, conterrâneo nosso lá da Vila de Calama (hoje distrito). Sem receios, mas aboletado na sua curiosidade beradeira, um dia aportou no Cai N`Água, pruma vida de prosa cultural e fé católica na cidade porto. Abriu o paneiro e passou então a exibir os bribotes da sua criação e invencionice musical, melódica e poética. O Laio cantou pro botos e pras araras, cantou pras matas e pros pássaros, pros índios e pros brancos. Se permitiu ser e fazer árvore fértil, prenhe de pura seiva, deixando gotejar, com fluidez, do seu tronco-peito os poemas, os versos e os cantos, cujos quais, podemos, definir como mantras amazônicos. Sua marcante voz se vez ouvir pelos brados dos Movimento Cultural Grito de Cantadores, ecoando nos longes do Teatro Amazonas (Manaus), Praça da Sé (São Paulo), Sala Cecília Meirelles (Rio Janeiro), Museu da Imagem e do Som (Belo Horizonte). A voz do “caboco” foi longe e exprimiu a força do nosso verde e o multicor da nossa verve criativa. O Laio também hasteou a bandeira do nosso cultural aqui e noutras paragens. Não bastando em si, criou com seus pares, Tatá, Monteiro, Nazareno e Roberto Matias, o ainda hoje atuante grupo seresteiro Anjos da Madrugada. Com os Anjos ele também cantou pra cidade e pras pessoas, pro amor e pra alegria de viver, como quem, dissesse ser a vida, uma dança mágica. Do epicentro de sua explosão criativa saiu vestido com o chapéu de fitas e se fez o amo do Bumba Diamante Negro. Antes, porém, já houvera brincado nos improvisos do fama Rei do Campo. Pensava rápido e compunha com maestria. Em suas autorias constam versos marcantes em defesa do vôo livre das asas azuis e vermelhas (música Por Deus, Por Nós). Disse que “cantar bumba e a alegria do povo, é ser feliz de novo, na Flor do Maracujá” (música Toadas). Cantou a fronteira do roçado com a floresta versando: “és coração como acero, se da mata és o início, do roçado és o fim” (música Acero). Fincado em suas raízes e sentimentos animou a brincadeira popular cantando “quem corre cansa, quem anda alcança, boneco duro, rouba bandeira, brinca de roda, da machadinha e bela condessa.” (música Terreiros). De tanto lutar, viver, cantar e compor, lá se foi o Laio, um desses uirapurus amazônicos que nos deixa o legado de homem bom e de boa fé. Na prateleira da existência, deixa uma história de vida ornada por sua obra. No peito da família e dos amigos fica um vazio com o nome saudade. Antes que esta dor se nos encha o peito, fechemos os olhos e imaginemos o Laio a nos embalar com ânimos para vida adiante com estes versos: “quando alguém tiver de se desesperar e quiser sentir no coração a poesia, a fantasia, a certeza de um tempo, é cantar é compor. Cada verso que eu escrevo é fantasia, é a vida que me deixa assim, mas parece até que é coisa do destino, cada verso é um pedaço de mim.”

8 Comentários

Arquivado em Delírio Cotidiano

O cavalo caiu e a culpa foi única e exclusivamente do cavalo (via Blog do Lucas Figueiredo)

O cavalo caiu e a culpa foi única e exclusivamente do cavalo Responsável pela construção da imagem do irmão Aécio Neves (PSDB-MG), a jornalista Andrea Neves parece ter ficado traumatizada com os arranhões causados pelo Bafometrogate. Só isso justifica o esforço em amenizar o que por si só já é ameno: um tombo de cavalo.  … Read More via Blog do Lucas Figueiredo

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Vista-se com isto.

Por Marli Gonçalves

Já que agora somos livres para dizer e apelar para o que queremos, vamos desfilar por aí. Suba nessa passarela. Já pensou se usássemos nossos corpos como cartazes, com roupas que passassem recados por aí? Quanta coisa para dizer! Mensagem do dia. Tabuleta. Bandeirinha. O que você escreveria na sua?

O menino vinha andando, mãos no bolso, um ser normal, aparência tranquila. Mas ele – só pode ser – queria mesmo é se comunicar sem falar, mantendo informadas as pessoas com quem cruzasse, para que ficassem longe – me pareceu que era uma preguiça até peculiar de explicar muito. REVOLTADO: era o que diziam as letras brancas em sua camiseta preta. Apenas isso: revoltado. Ninguém sairia com uma dessas, sem se sentir assim. Sem estar assim. Sem ser assim. E revoltado com tudo, sem exceções. Palavra forte, essa.

Vi esta cena já há alguns dias, mas ela ficou na minha cabeça. Vamos virar cápsulas daqui a pouco. Penso que cada vez mais, até por conta de tantas tecnologias, nos fechamos em nós mesmos. Isso não é bom. Pensou se, por exemplo, a gente pudesse ter uma eletrotela na cabeça, que ficasse passando o noticiário, o “nosso” noticiário? Um Twitter vivo? “Não fale brusco comigo. Estou na TPM”. “Quero que o mundo acabe em melado”. “Hoje vou à luta”. “Passa um SMS”. “Só ligo a cobrar”. “Dormindo em pé”.

Já conhecemos aqui nesta terra um presidente que, quando começou a se isolar, comunicava-se por intermédio da camiseta com a qual corria no fim de semana, e chegou até ao deselegante “aquilo roxo”. Um tanto grosseiro, mas esse cidadão ainda continua por aí, de volta aos círculos íntimos do poder. Devia usar uma assim: Bandido.

Aperfeiçoando a minha invenção, já pensou se fosse como uma máquina da verdade, daquelas que lêem seus pensamentos? O que diria a eletrotela de Dilma Rousseff? E quando está ao lado de Michel Temer? Você não tem essa curiosidade? De vez em quando, admita, também não imagina e põe balõezinhos na cabeça das pessoas, ou na sua mesmo, com um pensamento que fica ali pairando? Sabe aquele desenho que tem bolinhas e o balão, para denotar que é apenas um pensamento? Alguns são realmente censuráveis.

Não é tão louca a ideia, gente – já existe, já vi, passa uma mensagem vermelha, um banner, mas só para duas ou três palavras, fixadas na fivela do cinto ou mesmo no peito de uma camiseta. Você programa. Não é a coisa mais bonita do mundo, mas escuta só que não vai demorar e algum maluco beleza lança algo em laser, ou holografia, 3-D, neon, tinta invisível. Vai ser um aplicativo.

Aqui só fiz aperfeiçoar a “criação”, dar uma de stylist, e desejando única e exclusivamente melhorar o entendimento entre os humanos que não anda nem um pouco fácil. Mal ou bem, se a gente pensar, essa onda de tatuagens não deixa de ser essa forma de expressão, só que mais radical; imagem eterna. Faz, mas não dá para mudar mais de ideia, nem de estado de espírito. Se tatuou dragão, não vai mostrar borboleta; se tatuou beija-flor, não dá para virar urubu de uma hora pra outra. Não pega nem bem. Sacou?

Melhor então é voltar à proposta inicial, roupas. Uma palavra. No máximo duas, uma composta ou substantivo + adjetivo, um sinal de pontuação. Pensei também se não seria uma boa uma coisa até mais intelectual, mas que também dissesse tudo sobre você. Viajei na ideia de um vestido preto, simples, com bom caimento, com as letras no peito, brancas:“BALZAC?”. Ou talvez apenas SADE, SARTRE, DALI, CONFUCIO, PICASSO, DA VINCI, PELÉ. Depende de quem você gostaria de estar representando, ou de quem você gostaria de ter como se fosse um autógrafo no corpo.

Estampas não faltarão. Inclusive na linha bons desejos. Teve uma época que uma grife fez umas assim, mas começaram a piratear e eles desistiram. A linha era essa: Paz, Amor, Fraternidade, Igualdade, Liberdade. Proponho VerdadeMentira. Tive um par de meias assim que amava: um era YES; o outro pé, NO. Serviam também como sinalizadores.

Longe da política e da militância a favor de qualquer coisa, podíamos pensar também em uma linha de lingerie especial, para homens e mulheres: Aperte Aqui, Abra devagar, Entre. Fique. Também poderiam ser usados os símbolos internacionais de trânsito. PARE. Curva acentuada à direita. Siga em frente. Cuidado: obstáculo. Livre, à frente. Proibido parar.

Garanto que ia ter um monte de gente comprando, para ver se melhorava a comunicação em casa. Uma coisa bem particular. Ou na rua. Agora podemos tudo, mesmo. Somos quase LIVRES.

São Paulo, TRÂNSITO PARADOCONGESTIONADO. TÚNEL INTERDITADO. 2011.
(*) Marli Gonçalves é jornalistaJá pensou se combinássemos todos e passássemos a fazer SEGREDO ETERNO também dos nossos gastos com a copa e cozinha? 

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Fausto Wolff não morreu

Prá quem é fã do cara, como eu, lá vai uma lista de links com matérias sobre o lobo.

Fausto e os Fogos – Aldir Blanc
Fausto Wolff e Deus num réveillon da Atlântica – Fernando Soares Campos
Fausto Wolff. – Wallace Camargo
Algumas palavras – vários
MEU QUERIDO WOLFF – Anna Fortuna
O ‘JB’ resistiu às pressões – Paulo Caruso >> JB
“O jornalista pede desculpas e morre” – Márcio Pinheiro >> Zero Hora
FAUSTO WOLFF FOI EMBORA – Henrique Perazzi de Aquino
Memórias do Fausto – Luiz Chagas >> Revista Brasileiros
O defensor dos palestinos – Sérgio Caldieri >> Palestina livre!
Fausto, nos melhores autógrafos de Fabrício Carpinejar
Com se faz um Fausto Wolff – Marcelo Backes >> Zero Hora
O LOBO E A ESTRELA – Vanessa Anacleto >> Overmundo
Camarada Fausto Wolff, presente! – Secretariado Nacional do PCB
Fausto Wolff – Aluizio Amorim
Fausto Wolff manda lembranças – Márcia Denser >> Congresso em foco
TERMINAMOS MAL, FAUSTO WOLFF!!! – Luíz Horácio >> revista Aplauso
E Fausto Wolff se foi… – Vicente Portella
FAUSTO WOLFF: LEMBRANÇAS – Sára Wolffenbüttel Véras >> blog do Cacau Menezes
RIP Fausto Wolff – Leonardo Foletto >> Cenabeatnik
FAUSTO WOLFF: JORNALISMO E CORAGEM – Cunha e Silva Filho >> Entre-textos
Cada um se despede como consegue – Mario de Almeida >> Coletiva.net
O lobo eterno – Bárbara Lia >> blog Chapar as borboletas
JEBÃO FOI EMBORA – Ivan Schmidt >> Paraná Online
O mundo particular de Fausto Wolff – Ricardo Schott >> JB
UMA HOMENAGEM A FAUSTO WOLFF – Ricardo Soares >> TV Brasil
Leila Richers relembra Fausto Wolff >> Jornal do Brasil
Grande perda para o jornalismo – Marcelo Henrique Marques de Souza >> blog Impostura
O SÁBADO PÓS-FAUSTO WOLFF – Gustavo Grisa >> Capital Gaúcha
É MUITA DESPEDIDA DOLOROSA – Ziraldo >> Jornal do Brasil
E o Velho Lobo se entregou – Eduardo Nunes >> Blog Periscópio
Um comunista maravilhoso – Do blog Agente 65
Memórias de Fausto Wolff – Paulo Polzonoff Jr.
FAUSTO WOLFF PEDE DESCULPAS E SAI – Licurgo >> blog Celeuma
FAUSTO WOLFF, UMA REFERÊNCIA POLÍTICA – Sindicato dos Bancários
RÉQUIEM A UM PANFLETÁRIO – Antônio Siqueira >> Via Fanzine
[ Fausto Wolff ] – do blog Sem_cohmando
MENOS UM DOS GRANDES – Por Bruno Dorigatti
É COM PROFUNDO PESAR QUE RETIRO ISTO DO BAÚ – Tavinho Paes
FAUSTO WOLFF: O LOBO QUE NÃO SE RENDE
REBELDE COM CAUSA – por Araken Vaz Galvão
FAUSTO WOLFF – por Olsen Jr.
O LOBO, O LOBO – Drops da Fal
Morreu FAUSTO WOLFF – Carlos André Moreira
A CONSPIRAÇÃO DOS DEMOLIDORES – por Pedro Ayres
MEU TIO FAUSTO MORREU – Pimenta
FAUSTO WOLFF FOI FIEL A SEUS IDEAIS ATÉ O FIM – por Miguel Arcanjo Prado
DESENHO DO ADEUS – por Paulo Caruso
FOI PRA ISSO QUE VOCÊS FIZERAM A REVOLUÇÃO? – por Mário Augusto Jakobskind
O que dizem alguns amigos

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

E você, sabe a diferença entre 15 centímetros e 1,5 metro? (via Quintal – Ideias para um mundo melhor)

Existem duas falácias que costumo ouvir sobre o artigo 201 do Código de Trânsito e a aplicação de multas. O Artigo 201 diz que, ao ultrapassar uma bicicleta, o motorista deve reduzir a velocidade e manter distância mínima de 1,5 metro do ciclista. O desrespeito a essa lei pode, facilmente, levar à morte do ciclista. … Read More via Quintal – Ideias para um mundo melhor

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Retorno

Por Aparicio Secundus

Os meus dedos ainda tentaram tocar teus dedos,
Antes que de repente houvesse  um vazio
Que de tão absoluto as almas não se tocaram
E o desaquecimento se fez presente no abandono insensato
Dos corpos ,  que, de tão desnorteados,  já não se sentiam
E nem se tocavam como antes
Na lucidez dos poros dispersos em ambientes disformes.
Eu já não era eu e não estávamos mais presentes em nós mesmos.
De tão ausentes, pela prática de presentes dissimulados,
Pensamos  em futuros  distantes
E nos envolvemos em capas de eus sozinhos
Sufocando-nos  na lucidez angustiante de nós dois.
Perdemo-nos  pensando no dar e receber em troca
Buscando atenção, carinhos e cobertores diversos.
Depois  se fez um silencio tão absoluto
Tão negro em seu estertor,
Tão vazio em sua ignorância
Tão esquisito na sua maneira de ser
Que o medo  de perder-se um do outro disse ”não”,
Acovardou-se em sua essência,
No ar de si mesmo,
E  voltou-se, inesperadamente  e desesperadamente,
À estaca zero onde o primeiro beijo trêmulo aconteceu,
E  parou, estático, contemplando o amanhecer de mais um dia de romance
Entre beijos, abraços, promessas e maçãs.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Sayonara (via Team McFord)

Hoje é meu último dia em Okinawa. Eu estou muito animado para voltar para casa e começar nova aventura em breve. Mas ao deixar  um lugar, provavelmente para sempre, é sempre um pouco triste para mim…

Sayonara , Oki !  Read More via Team McFord

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano