Arquivo do dia: 16/05/2011

Brasília : Ônibus executivo Aeroporto x Centro por R$ 8. Usuários aplaudem, mas taxistas fazem ameaças

Para circular entre o Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek e o centro de Brasília, turistas e brasilienses têm poucas opções. Como as linhas de transporte público são escassas, a maioria das pessoas opta pelo táxi ou depende da boa vontade de parentes ou de amigos na hora do embarque ou do desembarque. Mas, depois de três anos de discussões e batalhas jurídicas, entra hoje em circulação o ônibus executivo que vai ligar o terminal à região central de Brasília. Apesar da resistência dos taxistas, que temem perder clientela, o governo vai oferecer o transporte diariamente, das 6h30 às 23h.  Durante o treinamento dos condutores dos veículos executivos, houve registros de funcionários hostilizados e ameaçados pelos taxistas que atuam na área.  A criação dessa linha era uma reivindicação antiga dos moradores da cidade e, principalmente, de entidades ligadas ao setor do turismo. Os ônibus existem nos aeroportos da maioria das grandes cidades brasileiras. Em São Paulo, por exemplo, são equipados com ar condicionado e bagageiros e ligam os terminais de Guarulhos e de Congonhas à área central e aos principais hotéis da cidade. Lá, entretanto, o preço é mais salgado: a passagem para ir do aeroporto internacional ao centro custa R$ 33. Já no Rio de Janeiro, os valores são mais próximos dos cobrados em Brasília. Variam entre R$ 6,50 e R$ 8. A Secretaria de Transporte alega que a medida faz parte da estratégia do governo de preparar a cidade para os eventos internacionais que acontecerão no país. “O início das operações dos ônibus executivos é parte das ações do Governo do Distrito Federal (GDF) para a melhorar o sistema de transporte público e para adequar Brasília, que é uma das sedes da Copa do Mundo de 2014”, explicou o secretário de Transporte, José Walter Vazquez Filho. Ao todo, foram comprados cinco ônibus de luxo — cada um custou R$ 446 mil. Do aeroporto, os passageiros seguirão pela Esplanada dos Ministérios, pela Rodoviária do Plano Piloto, pelos setores hoteleiros Sul e Norte e, depois, o ônibus voltará ao aeroporto. Essa é a segunda tentativa de criar uma linha executiva ligando o aeroporto ao centro. Em julho de 2008, a TCB já havia comprado veículos de luxo para a implantação desse trajeto, mas o então governador José Roberto Arruda decidiu suspender a criação da linha por conta da pressão de taxistas, que não queriam concorrência. A presidente do Sindicato dos Permissionários de Táxi do DF, Maria do Bonfim, nega que haja resistência.

1 comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Gente que encontrei por aí, Nati Mesa, na Ruta 22, Patagônia

No meio do deserto da Patagônia, uma inesperada pane seca… Faltaram 14 quilômetros para o próximo posto. A  XT66 aumentou demais o consumo por conta do forte vento de proa. Que cagada ! Mas no  meio do sufoco apareceu este anjo, Nati Mesa,  policial da Provincia de Rio Negro (à direita na foto)  que deu guarida e segurança para Zane na beira da Ruta 22 enquanto eu providenciava nafta. Ajudou até a parar um solitário e improvável caminhão num domingo, 1º de maio,  colocando um cone no meio da pista e lá fui até Choele Choel comprar 2 litros da Super 95. Na volta, a Policia Caminera deu uma força (claro que Maradona é melhor que Pelé !) e parou um impecável Ford Falcon 73 que me deu nova carona… Nati,  muchos besos , querida ! 

1 comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Orgulho Verde ?

Um site intitulado “Orgulho Verde” vem mandando spam incessantemente para divulgar o seu conteúdo. Aparentemente é um defensor do meio ambiente, mas tal lobo disfarçado de cordeiro, mostra as suas unhas afiadas do radicalismo ou coisa pior.

Um trecho do site : ” O Brasil vive levantando bandeiras em defesa da preservação da Amazônia, mas na hora de botar pra quebrar, quanta incompetência! São acordos e leis ambientais que não funcionam e gente desmatando a floresta na cara dura. E daí a gente se pergunta: se ninguém, nem mesmo Dilmão, dá jeito nisso, por que não optar pela internacionalização?

Se internacionalizássemos toda a região e criássemos uma espécie de Conselho Internacional composto por instituições ambientais mundiais e presidido por ONGs como a WWF e o Greenpeace, que são referência em preservação ambiental e têm competência o bastante para cuidar disso, certamente reverteríamos este quadro.

Com um órgão internacional tomando conta, os índios receberiam tratamento de primeira linha, inclusive com direito a uma cadeira cativa no conselho dando-lhes mais voz ativa.

Fora isso, tem a questão ambiental. Este conselho poderia desapropriar as terras dos produtores rurais da região que não contribuem em nada com a expansão agrícola do país e distribuí-las para o povo, dando prioridade aos ribeirinhos, levando em conta a renda familiar de cada um e exigindo o uso sustentável da área, assim, nem o meio ambiente nem a população sairia perdendo e teríamos nossa produção agrícola de qualidade garantida.

Por isso e por todas as outras vantagens ambientais de termos de volta o pulmão do mundo funcionando como a gente merece é que devemos lutar por esta causa. Compartilhe esta ideia com seus amigos e familiares nas redes sociais.  A existência da Amazônia depende de nós! ” 

Em outra parte do site :

” Tá na hora de acordar! Se você concorda com isso e também quer aderir ao movimento, divulgue esta idéia nas redes sociais e convide seus amigos para conhecerem este espaço, assim você exerce sua cidadania e ajuda a aumentar esta corrente em pról do meio ambiente.”

Que lindo ! Resposta prá isto já tem , é velha e circula um tempão na net. A suposta carta do Cristóvão Buarque . Já o Greenpeace caiu fora e disse que não tem nada a ver com isto, apesar do site estar cheio de links apontados para ele.  Afinal. Tem ou não tem ? O site é de responsabilidade de quem ?

1 comentário

Arquivado em Ao Norte

Do amor à família (via Deve estar tudo debaixo do tapete)

Essa história de se posicionar contra ou a favor de algum assunto é complicado. Não necessarimente pela argumentação, mas principalmente pelo reboliço que causa. Parece  que é difícil as pessoas entenderem que existem opiniões contrárias à delas. De qualquer forma, resolvi me pronunciar (soem os tambores, a guerra de comentários pode começar a qualquer instante). E o assunto – como não poderia deixar de ser – é polêmico. Pessoas do mesmo sexo podem ter uma relação estável, segundo o Supremo Tribunal Federal. Aliás, todos podemos ter uma relação estável (só uma questão: existe relação estável? Porque a maioria dos casais que conheço, heteros ou homosexuais, vira e mexe brigam).

O STF mal tinha aprovado e a discussão já estava inflamada. “A família vai acabar”, gritam de um lado. “Não deixem a instituição criadora do Estado ser destruida”, esperneiam do outro. Dos gritos para os ponta-pés é um pulo. E é justamente essa falta de respeito à opinião alheia que acaba com a família. É o pai e a mãe que não aceitam seu filho ou sua filha gostarem de alguém do mesmo sexo que os afastam (ou você acha que eles sempre quiseram viver em guetos?). Gays e lésbicas gostam de suas famílias, amam seus pais e irmãos. Mas no momento em que decidem contar quem realmente são para as pessoas que amam (e que acreditam ser importantes), levam gritos na cara e veem lágrimas de decepção inundarem o quarto.

Uma família não se forma com um pai, uma mãe e filhos. Fosse assim, onde se encaixariam, na sociedade, as crianças orfãs?  Família é, acima de tudo, amor e convívio. Hoje, dia 15 de maio, é o dia da família. Não gosto desses “dias para isso…” e “dia para aquilo…”, mas eles têm uma função: nos fazer refletir. Você pode não concordar com nada do que leu até aqui, mas a ideia é te fazer refletir. Discorde ou concorde, mas não ataque. Enquanto vivermos jogando pedras (e elas estão nas mãos de ambos lados), estaremos destruindo a base da sociedade: que é o ser humano. Mais amor, por favor – como dizem as pichações por aí. Só com ele poderemos entender que a diferença e o respeito são a base para uma sociedade.

Read More via Deve estar tudo debaixo do tapete

Deixe um comentário

Arquivado em Reblog

CurtAmazônia : Inscrições abertas até 31 de maio

 Continuam abertas até o dia 31 de maio de 2011 as  inscrições de filmes e vídeos para o  2º Festival de Cinema Curta Amazônia. Atenção para o último dia da postagem (31).  O Festival acontece no segundo semestre em Porto Velho. São diversas categorias com temática livre, entre as categorias de curta-metragem com tempo de 1 a 25 minutos, temos: ficção, documentário, experimental, ambiental, animação. Outras categorias: celular, máquina fotográfica digital, reportagem regional e nacional. As inscrições podem ser feitas em formulário disponível no site www.curtamazonia.com ou tire sua dúvida no email da organização: festival@curtamazonia.com.

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Norte

Cerveja japonesa

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

O dom de iludir

por Antônio Alves

A propósito das bobagens que se diz por aí a torto e a direito com over dose xenófoba, nada tenho a declarar, mesmo porque essas coisas são enfadonhas pra chuchu. Aliás, não sei por que raios nós, humanos, nos deixamos influenciar por coisas tão assim sensabores. Já viram, por exemplo, quão insulso é esse tal de rapinha que confunde Rondônia com um imenso espelho? Pronto, caio na contradição como sempre, e haja blábláblá sobre o que não gosto e não entendo

Mas, dá licença? Também me acho no direito de esbravejar asneiras, a exemplo daquele deputado fulo da vida com a brincadeira do palhaço do PQP que vilipendia Rondônia e seu  povo. Que defesa! O coronel-mor do Senado, do Maranhão, do Amapá e do Brasil também emitiu seu consistente ponto de vista sobre aquela besta lá da escola de Realengo, no Rio. Eles sabem das coisas e nem sentem remorso.

Opiniões amiúde de cá, de lá e de alhures. Todas muito bem sopesadas, concatenadas, coerentes. E eu, na minha obtusidade, sem entender bulhufas sobre isso e aquilo, mas sempre na teimosia de querer me igualar com gente tão douta e bem intencionada.

Por essas e outras é que eu deveria me esforçar mais em me manter quieto no lugar que me cabe neste latifúndio. Aí, inerte e sem argumento, parafraseio Camilo Castelo Branco: “A maior calúnia que se pode assacar contra um Ente Perfeito é imputar-lhe a criação do homem”.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano