Arquivo do dia: 18/01/2011

Curto. Dia curto. Curto o dia, o dia é curto. (via Denis Luque – Weblog)

Tão bem começo a deslanchar nas atividades em que mais descanso e o dia já está no fim. O cansaço é só um efeito colateral abestado na manhã, à tarde eu estou apenas no automático, criando, ralando, acordando de um estado de letargia psicológica daquilo que move o meu ser, para então, ao crepúsculo, romper a tênue seda que limita meu invólucro de hibernação alucinógena para a explosão da energia de criação noturna! O prazo para o fim não é só mar … Read More

via Denis Luque – Weblog

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

A Paisagem que queremos

Clique na imagem para ampliar

Por Rud Prado

Com a construção da ponte na região da Balsa, o acesso à margem esquerda do rio Madeira ficará fácil. Fácil demais. Por conta disso já se anuncia e já se inicia uma grande especulação imobiliária. A cidade, devido a esse impedimento natural, durante todo esse tempo resistiu à tentação de ocupar a outra margem. Agora deve fincar no coração da floresta  que teima em existir os alicerces do que chamam “progresso”. Mas a que custo para natureza? A que custo para nossa identidade cultural, para o nosso patrimônio paisagístico? Um dia viramos as costas para rio. Agora não podemos virar as costas o iminente desaparecimento da mata do lado esquerdo do Madeira. Se nada fizermos, a nossa paisagem, a mata ciliar – ou o que dela resta -, vai desaparecer. De um dia para o outro o sol pode não mais encontrar o naco de mata onde repousa. Sim, o por do sol mais belo do mundo pode estar com os dias contados. Se ficarmos calados, inertes, o nosso cartão postal, registrado todas as tardes pelos ávidos cliques das máquinas digitais, poderá ser deletado para sempre. A ganância não tem limite. Sua sede de lucro draga o rio, envenena a água, assassina os peixes, mata a mata. A ganância não dá margem à razão, tratora a emoção. A história de várias gerações é substituída por outra que caiba no balanço anual. Não podemos deixar que arranquem com as árvores, nossa identidade. Não podemos deixar que tirem nosso orgulho, nossa história. Precisamos tirar o grito de nossas gargantas. Porque é certo que virão as máquinas barulhentas. Bocas escancaradas cheirando a óleo diesel, famintas. Comendo casas de pássaros, moradas de caboclos, mastigando a vida.

Mas nós podemos evitar isso. Nós podemos pensar. Nós podemos sentir. Nós podemos gritar. Nós podemos nos juntar. Juntos, vamos impedir que nossa paisagem desapareça. Exigir que se crie um parque, uma reserva florestal urbana. Vamos fazer com que se respeite a mata ciliar da margem esquerda do  Rio Madeira. Porque isso está na lei. Lei da qual nem se falava quando destruímos tudo do nosso lado direito. Quando sobre palafitas foi-se edificando a miséria. Mas agora a margem esquerda pode se tornar um imenso parque horizontal. O tamanho que terá esse parque? Ora vamos debater, ampliar o debate também. Mas é preciso que nele, além da paisagem onde pousa nossos olhares e repousa o sol,  tenha espaço para a arte, para a música, para o teatro. Para o abrir das flores, para a  contemplação. Com o Parque dos Beradeiros, com o nosso parque, podemos dar um passo rumo à sustentabilidade. Fazer de Rondônia um bom exemplo para o mundo. Que a cidade vai se estabelecer do outro lado, não há dúvida. Mas que venha depois da floresta. Do parque que vamos criar. Que se respeite a mata Ciliar, que não se construa na margem do Rio. E que, para essa cidade de lá e de cá, seja pensado um sistema de tratamento esgoto, para não transformarmos o Rio Madeira num imenso canal de dejetos . Para não dar margem à destruição, para salvar a mata do Beradão. Vamos criar juntos o Parque dos Beradeiros.

Deixe um comentário

Arquivado em Ao Norte

Era…

Por Clara da Costa

Era tanto amor,
calor,
torpor,
feito poesia.
Era tanta rima
apaixonada
acariciada,
no teu corpo.
Era tanto
desejo desenfreado,
no grito sufocado,
com sabor de reencontro.
Era tanto…tanto amor,
no brilho dos olhos,
no sorriso acolhedor.
Era tanto…tanto…tanto,
que as letras do poema
se afogaram na saudade…

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Túnel do Tempo – Airton "Pavilhão"

Em tempos de ronaldinho, vale relembrar craques da história recente como o Airton "Pavilhão" , em foto de local, data e camiseta desconhecida. foto AZBarcelos

 

1 comentário

Arquivado em Ao Sul

Túnel do Tempo – Airton “Pavilhão”

Em tempos de ronaldinho, vale relembrar craques da história recente como o Airton "Pavilhão" , em foto de local, data e camiseta desconhecida. foto AZBarcelos

 

1 comentário

Arquivado em Ao Sul