Arquivo do dia: 08/12/2010

Bañuelos , o novo "capo" da Brasil Ecodiesel perde na Espanha o que ganha no Brasil, diz jornal El Economista. Ele estaria de olho na Refinaria de Manguinhos ?

Enrique Bañuelos de Castro nasceu em Valência, na Espanha, no dia 14 de fevereiro de 1966. Sua história está ligada ao mercado imobiliário espanhol e, recentemente, ao brasileiro.Enrique Bañuelos nasceu em uma família operária. Aos nove anos, seu pai morreu vítima de um acidente de trabalho em uma siderúrgica. A empresa responsabilizou-se em pagar seus estudos. Formou-se em Direito e Administração de Empresas. Aos 16 anos fundou a sua primeira empresa, que distribuía mel e derivados. Depois, interessou-se pelo mercado imo biliário. Entrou no setor urbanizando uma área de 17.400.000 metros quadrados no Mediterrâneo. Lá, construiu e comercializou cerca de 50 mil casas destinadas à classe média espanhola que queria uma segunda moradia. Em média, cada unidade vendida girava em torno de 120 mil euros. Em 2006, Bañuelos fez a fusão de várias de suas empresas a fim de formar o grupo Astroc. A crise imobiliária e financeira, porém, fez com que o empresário vendesse grande parte da companhia e transferisse os seus investimentos para mercados fora da Espanha. Ele é casado e tem duas filhas. Faz parte do restrito grupo de 12 espanhóis que permanecem na lista dos homens mais ricos do mundo, segundo a Forbes. Em 2010, sua fortuna foi avaliada como a 655ª maior do mundo. Com a incorporação das ações da Maeda pela Brasil Ecodiesel pelos seus respectivos acionistas, os atuais acionistas da Maeda se tornarão acionistas da Brasil Ecodiesel e a Maeda passará a ser subsidiária integral da Brasil Ecodiesel. Assim, Bañuelos passará a ter aproximadamente 33 % do capital da nova empresa. É esperar para ver se agora a Ecodiesel decola de vez. Segundo o Jornal El Economista, Bañuelos perdeu na Espanha tudo que ganhou no Brasil.Em matéria assinada por Javier Romero e Ramon Alejandra, o jornal publica que a Espanha continua a dar mais uma dor de cabeça ao investidor.

Bañuelos-frente.jpgA Kavaal Real Estate, a sociedade patrimonial, que reúne as empresas da Península Ibérica, comeu todo o lucro obtido no ano passado com as incorporações das empresas brasileiras. Segundo o jornal, “Bañuelos cruzou o oceano no final de 2008, após perder a maior parte dos cerca de 6.000 milhões de euros (8,000 bilhões), segundo a Forbes, quantia que que fez dele o terceiro homem mais rico de Espanha. As ações da  Astroc tque valiam em maio de 2006 .7 euros , valorizaram em menos de dez meses a um valor  superior a 70 €.   Assim, em oito semanas ele conseguiu comprar a propriedade do Banco Sabadell, bem como a participação em promoções da Rayet. Sua idéia era engolir empresas e reuni-las para formar um verdadeiro líder imobiliário espanhol. Mas seu sonho foi desfeito quando  o preço de mercado da Astroc despencou com o estouro da bolha imobiliária.  Em maio passado fundiu a sua nova empresa(AGRE),  com a PDG Realty e criou assim a  maior do mercado imobiliário brasileiro, detendo 6 por cento do seu capital.O problema é que, embora este novo gigante tenha atingido nos primeiros nove meses de 2010 lucro líquido de 295 milhões de euros (662 milhões de reais), este não será suficiente, dado o envolvimento de Bañuelos, para lidar com a enorme perdas no mercado espanhol. Por agora, Kavaal Real Estate, o ex-CV Capital, está realizando uma reorganização de todos os seus negócios para consolidar as suas contas, que já fez uma significativa redução da dívida, mas também de seus ativos, cujo valor tem caído quase a metade, para 346,9 milhões. Nesse sentido, um dos últimos passos que vai tomar é a venda da participação na Quabit Imobiliária , uma empresa que surgiu em 2007 da fusão de 19 imóveis, incluindo Rayet, Paisagem e a extinta Astroc , para criar uma sinergia  de competências, recursos e bens. Hoje, Quabit é controlada pelo grupo Rayet, que detém 53,5 por cento do seu capital, na qual também está presente, como um segundo parceiro, o grupo Creina.  Embora ainda tenha projetos para a Espanha, ao que parece sua grande aposta ainda é  o Brasil. O novo CEO acrescenta uma carteira de terrenos no valor de 12.000 milhões de euros e deverá investir até 3.300 milhões de euros em projetos imobiliários em todo o ano. Ainda assim, Enrique Bañuelos, abriu recentemente um escritório em Madrid  da Veremonte, sua empresa para investir em empresas espanholas para abrir o mercado brasileiro, fundindo-as com empresas brasileiras ou abrir as portas do Brasil para elas. O novo escritório da empresa de investimento Bañuelos, localizada no Paseo de la Castellana, em Madrid, no centro de negócios da capital, soma a que já existe em Londres, onde está sediada a Veremonte, e em São Paulo, onde o empresário concentra seus negócios desde 2008. No Brasil, a entidade patronal, através  da Arion Capital controla a empresa de agronegócio Maeda, um dos principais produtores de algodão e soja no país e que se fundiu com a Brasil Ecodiesel, primeiro grupo de biodiesel no Brasil. Saúde e finanças são outros setores em que o investidor pretende diversificar seus negócios. Em especial, a negociar a compra de um pacote de hipotecas, devido a um dos três principais bancos nacionais e de saúde em São Paulo, onde pretende criar uma empresa  de grande porte, reunindo centenas de clínicas de cirurgia plástica e beleza.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Bañuelos , o novo “capo” da Brasil Ecodiesel perde na Espanha o que ganha no Brasil, diz jornal El Economista. Ele estaria de olho na Refinaria de Manguinhos ?

Enrique Bañuelos de Castro nasceu em Valência, na Espanha, no dia 14 de fevereiro de 1966. Sua história está ligada ao mercado imobiliário espanhol e, recentemente, ao brasileiro.Enrique Bañuelos nasceu em uma família operária. Aos nove anos, seu pai morreu vítima de um acidente de trabalho em uma siderúrgica. A empresa responsabilizou-se em pagar seus estudos. Formou-se em Direito e Administração de Empresas. Aos 16 anos fundou a sua primeira empresa, que distribuía mel e derivados. Depois, interessou-se pelo mercado imo biliário. Entrou no setor urbanizando uma área de 17.400.000 metros quadrados no Mediterrâneo. Lá, construiu e comercializou cerca de 50 mil casas destinadas à classe média espanhola que queria uma segunda moradia. Em média, cada unidade vendida girava em torno de 120 mil euros. Em 2006, Bañuelos fez a fusão de várias de suas empresas a fim de formar o grupo Astroc. A crise imobiliária e financeira, porém, fez com que o empresário vendesse grande parte da companhia e transferisse os seus investimentos para mercados fora da Espanha. Ele é casado e tem duas filhas. Faz parte do restrito grupo de 12 espanhóis que permanecem na lista dos homens mais ricos do mundo, segundo a Forbes. Em 2010, sua fortuna foi avaliada como a 655ª maior do mundo. Com a incorporação das ações da Maeda pela Brasil Ecodiesel pelos seus respectivos acionistas, os atuais acionistas da Maeda se tornarão acionistas da Brasil Ecodiesel e a Maeda passará a ser subsidiária integral da Brasil Ecodiesel. Assim, Bañuelos passará a ter aproximadamente 33 % do capital da nova empresa. É esperar para ver se agora a Ecodiesel decola de vez. Segundo o Jornal El Economista, Bañuelos perdeu na Espanha tudo que ganhou no Brasil.Em matéria assinada por Javier Romero e Ramon Alejandra, o jornal publica que a Espanha continua a dar mais uma dor de cabeça ao investidor.

Bañuelos-frente.jpgA Kavaal Real Estate, a sociedade patrimonial, que reúne as empresas da Península Ibérica, comeu todo o lucro obtido no ano passado com as incorporações das empresas brasileiras. Segundo o jornal, “Bañuelos cruzou o oceano no final de 2008, após perder a maior parte dos cerca de 6.000 milhões de euros (8,000 bilhões), segundo a Forbes, quantia que que fez dele o terceiro homem mais rico de Espanha. As ações da  Astroc tque valiam em maio de 2006 .7 euros , valorizaram em menos de dez meses a um valor  superior a 70 €.   Assim, em oito semanas ele conseguiu comprar a propriedade do Banco Sabadell, bem como a participação em promoções da Rayet. Sua idéia era engolir empresas e reuni-las para formar um verdadeiro líder imobiliário espanhol. Mas seu sonho foi desfeito quando  o preço de mercado da Astroc despencou com o estouro da bolha imobiliária.  Em maio passado fundiu a sua nova empresa(AGRE),  com a PDG Realty e criou assim a  maior do mercado imobiliário brasileiro, detendo 6 por cento do seu capital.O problema é que, embora este novo gigante tenha atingido nos primeiros nove meses de 2010 lucro líquido de 295 milhões de euros (662 milhões de reais), este não será suficiente, dado o envolvimento de Bañuelos, para lidar com a enorme perdas no mercado espanhol. Por agora, Kavaal Real Estate, o ex-CV Capital, está realizando uma reorganização de todos os seus negócios para consolidar as suas contas, que já fez uma significativa redução da dívida, mas também de seus ativos, cujo valor tem caído quase a metade, para 346,9 milhões. Nesse sentido, um dos últimos passos que vai tomar é a venda da participação na Quabit Imobiliária , uma empresa que surgiu em 2007 da fusão de 19 imóveis, incluindo Rayet, Paisagem e a extinta Astroc , para criar uma sinergia  de competências, recursos e bens. Hoje, Quabit é controlada pelo grupo Rayet, que detém 53,5 por cento do seu capital, na qual também está presente, como um segundo parceiro, o grupo Creina.  Embora ainda tenha projetos para a Espanha, ao que parece sua grande aposta ainda é  o Brasil. O novo CEO acrescenta uma carteira de terrenos no valor de 12.000 milhões de euros e deverá investir até 3.300 milhões de euros em projetos imobiliários em todo o ano. Ainda assim, Enrique Bañuelos, abriu recentemente um escritório em Madrid  da Veremonte, sua empresa para investir em empresas espanholas para abrir o mercado brasileiro, fundindo-as com empresas brasileiras ou abrir as portas do Brasil para elas. O novo escritório da empresa de investimento Bañuelos, localizada no Paseo de la Castellana, em Madrid, no centro de negócios da capital, soma a que já existe em Londres, onde está sediada a Veremonte, e em São Paulo, onde o empresário concentra seus negócios desde 2008. No Brasil, a entidade patronal, através  da Arion Capital controla a empresa de agronegócio Maeda, um dos principais produtores de algodão e soja no país e que se fundiu com a Brasil Ecodiesel, primeiro grupo de biodiesel no Brasil. Saúde e finanças são outros setores em que o investidor pretende diversificar seus negócios. Em especial, a negociar a compra de um pacote de hipotecas, devido a um dos três principais bancos nacionais e de saúde em São Paulo, onde pretende criar uma empresa  de grande porte, reunindo centenas de clínicas de cirurgia plástica e beleza.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Pontão de Cultura Cine Anima no XI Encontro dos Sem Terrinha 2010

Este slideshow necessita de JavaScript.

O projeto Cinema de Animação atua com formação, produção e exibição, prioriza seu atendimento a um público alvo de jovens alunos das escolas públicas, com o Ponto de Cultura Cinema de Animação e Pontão de Cultura Cine Anima, realiza há vários anos o Cine Anima Itinerante com oficinas ou mostras de Cinema de Animação, o projeto tem atuação nacional em especial nas regiões Norte e Nordeste, com a intenção de possibilitar a interação do cinema artesanal (animação tradicional na mesa de luz e stop motion) aliado com a tecnologia digital, através da finalização em computador gráfico e vídeo digital. Toda a nossa produção tem o conceito da estética da cultura popular do Nordeste e Norte,  priorizando o estilo da xilogravura, do cordel, do movimento armorial, dos bonecos gigantes de Olinda, de Bajado, dos mamulengos, dos bonecos de barro, das pinturas indigenas.  O Cine Anima Itinerante atua com oficinas e exibição com duas mostras, a Mostra Nordeste, com mais de 40 filmes e vídeos produzidos na região e a Mostra Ibero America com filmes do Brasil, Cuba, Argentina, Chile, México, Portugal e Espanha Há mais de 10 anos, temos o privilégio de ser parceiros do MST e mais uma vez estivemos com nosso projeto de exibição, com a Mostra Nordeste no XI Encontro dos Sem Terrinha que aconteceu no Ginásio de Esporte da Imbiribeira em Recife.

nosso blog    http://pontocinemadeanimacao.blogspot.com

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

E o prêmio "Motosserra de Ouro" vai para….

Ativista tenta entregar a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) réplica dourada de motossera em hotel de Cancún, no México

A senadora Kátia Abreu , do DEM-TO recebeu nesta quarta-feira o prêmio Motosserra de Ouro. É um prêmio merecido, já que Abreu é considerada a líder da bancada do agronegócio no Congresso, inimiga do meio-ambiente e fiel defensora das propostas de mudanças no código florestal brasileiro. A entrega foi feita por uma ativista do movimento indígena da Amazônia, junto com o Greenpeace. Kátia desprezou o agrado e, visivelmente irritada, deixou apenas os xingamentos a seus assessores. O projeto ruralista anistia desmatadores e reduz o tamanho da área que o proprietário de terra e o Estado estão obrigados a conservar para o bem público. “As alterações no Código Florestal representam um retrocesso em uma das legislações florestais mais avançadas do mundo”, diz André Muggiati, representante da Campanha Amazônia do Greenpeace na COP-16, conferência da ONU para o clima. O protesto teve apoio do GTA (Grupo de Trabalho Amazônico) e da Coiab (Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira). E você , se fosse premiar um político com uma motosserra dourada quem seria o escolhido ?

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

E o prêmio “Motosserra de Ouro” vai para….

Ativista tenta entregar a senadora Kátia Abreu (DEM-TO) réplica dourada de motossera em hotel de Cancún, no México

A senadora Kátia Abreu , do DEM-TO recebeu nesta quarta-feira o prêmio Motosserra de Ouro. É um prêmio merecido, já que Abreu é considerada a líder da bancada do agronegócio no Congresso, inimiga do meio-ambiente e fiel defensora das propostas de mudanças no código florestal brasileiro. A entrega foi feita por uma ativista do movimento indígena da Amazônia, junto com o Greenpeace. Kátia desprezou o agrado e, visivelmente irritada, deixou apenas os xingamentos a seus assessores. O projeto ruralista anistia desmatadores e reduz o tamanho da área que o proprietário de terra e o Estado estão obrigados a conservar para o bem público. “As alterações no Código Florestal representam um retrocesso em uma das legislações florestais mais avançadas do mundo”, diz André Muggiati, representante da Campanha Amazônia do Greenpeace na COP-16, conferência da ONU para o clima. O protesto teve apoio do GTA (Grupo de Trabalho Amazônico) e da Coiab (Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira). E você , se fosse premiar um político com uma motosserra dourada quem seria o escolhido ?

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

Tudo de mau se repete neste bananal (via Professor Hariovaldo Almeida Prado)

Tudo de mau se repete neste bananal

A imagem não deixa margem para dúvidas: mais uma vez o povo brasileiro é humilhado pelo festival de incompetência e corrupção que assola este bananal outrora chamado “Brazil”. As boas famílias, pagadoras dos impostos escorchantes e tementes a Deus padecem na carne toda a sorte de malefícios e castigos inenarráveis, que só encontram paralelos nos textos bíblicos e na literatura que trata dos crimes dos marxistas.Como pode um homem de bem programar suas férias em Miami ou Paris se, ao chegar nestes escombros que o subgoverno petralha chama de “aeroportos”, um processo de tortura atroz terá início? O cidadão defrontar-se-á com os mais evidentes sintomas de uma catástrofe anunciada.Oh, São Serapião, vós que sois o clemente! Permiti, vós, que as boas e puras criaturas que restam nesta terra recebam, ainda em vida, as bênçãos e bálsamos que aplacam as tenazes dores que invadem nossa alma!      Read More

via Professor Hariovaldo Almeida Prado

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Cinefotografia : produza vídeos HD

A cinefotografia abre aos fotógrafos um novo panorama: o da produção de imagens em movimento. Esta nova tendência, estimulada pela facilidade de gravação de vídeos por celulares, câmeras fotográficas compactas e full HD, já está sendo explorada na gravação desde simples vídeos para o youtube até filmes publicitários e de seriados norte americanos, mas pode estender-se à área de eventos sociais: agora pode-se filmar um casamento usando a câmera fotográfica! É essa tecnologia que será abordada no curso de cinefotografia do IIF e Toni Martin Gilles, que disponibilizará todo o seu equipamento de produção cinematográfica para mostrar aos alunos o que de mais recente existe nesta área, além de técnicas de captação, linguagens e software de edição. Toni Martin Giles é formado pela Vancouver Film School do Canadá. Trabalha há mais de 15 anos como fotografo e diretor de cena.Vencedor de prêmios de cinema no Brasil, também expôs os seus trabalhos fotográficos em varias partes do mundo. O Curso apresentará as novas tendências, equipamentos e técnicas de produção de vídeo profissional utilizando a câmera 5D Mark II.  Desenvolvido para fotógrafos que desejam ampliar a sua área de trabalho penetrando no universo do vídeo HD e para os videomakers que desejem entender esta nova e poderosa solução de gravação utilizando câmeras fotográficas HD. Desta forma gostaríamos compor o curso com profissionais das duas áreas, possibilitando assim um poderoso intercambio convergente de informações.

Dia 1 – Introdução a cinefotografia, histórico das câmeras DSLR e tendências no mercado internacional e nacional, apresentando o equipamento e exemplos de vídeos produzidos pela Canon Mark II e outras soluções como a Canon 7D, Nikon D 90, Nikon D300S, Panasonic GH1 e DMC – GF1.

Dia 2 – Introdução aos conceitos de cinematografia, pre-produção e produção e pos-produção. Neste dia faremos a preparação de um pequeno roteiro de curta metragem, utilizando um interessante software de pré-produção: Celtx

Dia 3 -Descobrindo o equipamento e suas características, trabalharemos com a 5D Mark II. Aprofundaremos as características técnicas da câmera e acessórios, follow focus, monitor HD externo, som e acessórios, filtros e tripés.

Dia 4 – Gravação em estúdio usando luz continua e set up da câmera, uso de lentes e follow focus. Faremos dois ensaios videográficos com modelos no estúdio. Gravação em ambiente aberto, características e uso de lentes e follow focus.
Cenas cinematográficas, produção de curta metragem, usando dois modelos.

Dia 5 – Montagem cinematografico.

As aulas vão de  17 a 21 de janeiro de 2011,  de segunda a sexta das 9h às 18h. No dia 19 e 20 de janeiro (fase de pré-produção e gravação) esse horario pode ser extendido.
O local é o  IIF – Instituto Internacional de Fotografia. Rua Eusébio de Paiva, n° 68, Alto da Lapa. O site é http://www.iif.com.br/site/

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Wikileaks : EUA tentaram usar Saito e Jobim para venda dos caças

Por Natalia Viana, via wikileaks.brunogola.com.br

A disputa pela venda de 36 caças para as Forças Aéreas Brasileiras foi palco de grande atuação da representação americana no Brasil. Documentos obtidos pelo WikiLeaks revelam que a embaixada procurou o ministro da Defesa, Nelson Jobim e o comandante da FAB Brigadeiro Juniti Saito para influenciar na decisão. Ao mesmo tempo, instava o governo americano a se mexer, assim como o francês estava fazendo.A menos de um mês do final do governo Lula, a compra dos caças continua sem definição e deve ser decidida pela presidente eleita Dilma Rousseff. Nesta semana, ela retoma a discussão em reunião com o ministro Jobim.

Lobby

Mas desde maio de 2009, a embaixada americana em Brasília tenta fazer com que o governo dos EUA se engaje mais na disputa. Em um telegrama do dia 19, (CLIQUE AQUI), a Ministra Conselheira Lisa Kubiske pediu que Washington faça um lobby mais intenso, pois alguns contatos brasileiros “dizem não acreditar que o governo dos Estados Unidos esteja apoiando a venda fortemente”, enquanto o presidente francês Nicholas Sarcozy estaria envolvido diretamente e os suecos estariam atuando “em nível ministerial”.Kubiske acredita que a falta de atuação pessoal “é uma desvantagem crítica em uma sociedade brasileira na qual os relacionamentos pessoais servem de fundação para os negócios”, e refoça que o governo deve assumir posição favorável à aprovação de transferências de tecnologia.“A embaixada recomenda o seguinte, como próximos passos a fim de reforçar nossos argumentos no que tange à transferência de tecnologia: uma carta do presidente Obama ao presidente Lula defendendo a causa; uma carta da secretária Clinton ao ministro da Defesa Jobim afirmando que o governo americano aprovou a transferência de toda a tecnologia apropriada.”Também recomenda tentar influenciar senadores que vistariam os EUA em junho daquele ano. “Concentrando as atenções em senadores importantes, temos a oportunidade de conquistar o apoio de indivíduos que podem influenciar os responsáveis pela decisão e garantir que as pessoas que terão de aprovar os dispêndios do governo brasileiro compreendam que o F-18 lhes oferece mais valor”.Para Lisa, a campanha francesa é mentirosa: “Nos últimos meses, o esforço francês de vendas vem se baseando em alegações enganosas, se não fraudulentas, de que seu caça envolve apenas conteúdo francês (o que o isentaria dos incômodos controles de exportação dos Estados Unidos). Mas isso não procede. Uma análise da Administração de Segurança da Tecnologia de Defesa encontrou alta presença de conteúdo norte-americano, o que inclui sistemas de mira, componentes de radar e sistemas de segurança que requererão licenças norte-americanas”

Aliados

A decisão americana em atuar mais fortemente foi vista com apreciação pelo brigadeiro Juniti Saito, comandante das Forças Armadas. Por causa da atuação pessoal de Obama, que conversou com o presidente Luís Inácio Lula da Silva na cúpula do G8 em Áquila, na Itália, em 9 de julho de 2009, Lula teria instruído Jobim e Saito a conversarem com o Conselheiro de Segurança Nacional, general James Jones, segundo revela um telegrama de 31 de julho de 2009 (CLIQUE AQUI).“Ela (a conversa) abriu as portas para que eu pudesse procurar o embaixador, como fiz”, teria explicado Saito durante um jantar por ocasião da visita do comandante do Comando Sul, o general Doug Fraser.Na ocasião, Saito chamou o embaixador Sobel e seu conselheiro político de lado para indicar que preferia o F-18 ao francês Rafale. E afirmou que não existia dúvida, do ponto de vista técnico, que americano era o melhor avião. “Voamos equipamento americano há décadas e sabemos que é confiável e que sua manutenção é simples e oferece bom custo/benefício por meio do sistema de vendas militares externas”.Saito insistiu ainda que o governo americano enviasse a carta que ele havia pedido se comprometendo com transferência de tecnologia. O embaixador teria dito que a carta estava na fase final de aprovação. “Aliviado, Saito disse que precisava ter a carta em mãos no dia 6 de agosto”, relata o telegrama assinado pelo embaixador Clifford Sobel. “Essa foi a expressão mais clara de que Saito pretende recomendar o F18”. Em 5 de janeiro, pouco antes da mudança de embaixador, Lisa Kubiske envia outro telegrama (CLIQUE AQUI) dizendo que a embaixada vai tentar influenciar Jobim para convencer o presidente. “Permanece, entretanto, o formidável obstáculo de convencer Lula. Nosso objetivo agora deve ser garantir que Jobim tenha argumentos reforçados ao máximo possível para ir a Lula em janeiro”. Para ela, o “alto preço” do Rafale e “as dúvidas sobre o desenvolvimeno do Gripen” levariam o Super Hornet a ser a “opção óbvia”. Mas “o fato é que Lula reluta em comprar um avião dos EUA”. Um dos últimos telegramas obtidos pelo WikiLeaks (CLIQUE AQUI) relata uma conversa telefônica entre Nelson Jobim e o atual embaixador dos EUA, Thomas Shannon, em 5 de fevereiro deste ano. O embaixador Shannon fez pressão, dizendo que “apesar da venda ser conduzida como uma transação comercial, a sua importância para a relação bilateral não deve ser ignorada”. Segundo ele, “a decisão inédita de trasnferência de tecnologia americana em apoio ao Super Hornet mostra o alto grau de confiança que o governo americano coloca na sua parceria com o Brasil”.

Patriota, Irã e Haiti

Antonio Patriota, anunciado como futuro ministro das Relações Exteriores durante o próximo governo, também foi alvo de lobby sobre os caças. Durante uma reunião de uma hora no dia 4 de fevereiro, ouviu que a decisão de liberar toda a tecnologia necessária ao Brasil refletia uma mudança de paradigma para os EUA e ouviu que a decisão ainda não estava tomada. Mas ouviu mais. Segundo o relato de Shannon (CLIQUE AQUI), Patriota comentou ainda a situação do Irã, que na época sofria pressões contra mais uma rodada de sanções contra seu programa nuclear. Teria dito que o Brasil quer “evitar uma repetição do Iraque”, e que se havia uma saída diplomática, ela deveria ser adotada. “A desconfiança é grande (sobre o Irã). Nós nunca sabemos o quão sinceros, mas vamos continuar tentando”, concluiu. O embaixador recomendou ao governo brasileiro que se movimentasse com cautela em relação ao Irã. Sobre a situação do Haiti, que havia sofrido um terremoto em 12 de janeiro, Patriota teria dito: “nós teríamos que encontrar uma forma de contornar a escolha entre um governo corrupto no Haiti e colocar tanto dinheiro nas mãos de ONGs não-haitianas”. Os telegramas fazem parte de milhares de documentos da embaixada e consulados dos EUA no Brasil que serão publicados pelo WikiLeaks nas próximas semanas.

Veja também:

– EUA criticam Plano Nacional de Defesa, mas vêem oportunidade
– De olho nas Olimpíadas, US faz lobby e amplia presença no país
– Brasil rejeitou prisioneiros de Guantánamo

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações