Arquivo do dia: 15/11/2010

Banco Panamericano:clima no SBT é de tristeza e profissionais temem demissão. BMG pode ser um possível comprador do Panamericano

O grande sonho de Silvio Santos, alimentado desde os tempos em que era o grande apresentador da TV Tupi nos anos 70 pode ir por água abaixo. O dono do Sistema Brasileiro de Televisão corre o risco de perder a sua própria tv, por conta de fraudes contábeis no banco do grupo, o Panamericano. Os papéis do banco, negociados na Bolsa de Valores com o código BPNM4, caíram mais de 45 % só na semana passada.

O caso do Panamericano é muito semelhante ao da Enron, nos EUA

O Panamericano vendia carteiras de crédito e não dava baixa contábil nas mesmas, que continuavam a figurar como ativos da instituição, mascarando os balanços sempre para cima, com mais lucros que a realidade. O estranho nisto tudo é que tudo passou desapercebido até pelo crivo da auditoria da Caixa Econômica Federal, que recentemente comprou uma grande fatia do Panamericano. Para tentar sair do imbróglio envolvendo o Panamericano, um banco destinado a financiamentos das classes C e D, Silvio Santos deu como garantia seus bens pessoais, inclusive os equipamentos e instalações do SBT, o que deixou apreensivos os seus quase 5.000 funcionários, jornalistas, motoristas, câmeras, técnicos, artistas.  A emissora não pode ser colocada em negócio, por se tratar de uma concessão pública, determinada pela Presidência da República, via Ministério das Comunicações.O rombo do banco é da ordem de R$ 2,5 bilhões e se os bens do SBT entrassem na reestruturação da dívida e o SBT ficasse impossibilitado de continuar funcionando, haveria uma nova licitação pública pelo canal. Interessados não faltam. Victor Civita, do grupo Abril alimenta há anos a possibilidade de ter um canal de TV. O próprio bilionário dos negócios Eike Batista chegou a ser cogitado para suceder Silvio Santos no SBT. Segundo o site R7.”o clima na emissora, localizada em Osasco, na Grande São Paulo, é de profunda tristeza, que contrasta com a euforia recente provocada pelo sucesso da campanha Teleton. A ação arrecadou R$ 24 milhões para a AACD (Associação de Assistência à Criança com Deficiência) e teve Silvio Santos como sua estrela principal, ao lado de Hebe Camargo. ” Também se comenta na emissora que Silvio Santos está muito triste e se sente traído pelos administradores do Panamericano. O R7 apurou que, no dia em que soube do episódio, Silvio deixou a emissora, dirigindo o próprio carro, completamente transtornado.”

Grupo Silvio Santos suspende pagamento de R$ 1,6 milhão à empresa de auditoria Deloitte

O Grupo Silvio Santos decidiu suspender o pagamento de R$ 1,6 milhão que seria destinado à empresa de auditoria e consultoria Deloitte, em meio ao caso de fraude no Banco PanAmericano (BPNM4). No último sábado (13), o grupo emitiu uma nota afirmando que processará cível e criminalmente tanto os ex-diretores do banco como a auditoria responsável pelas demonstrações financeiras.

Liquidação do Panamericano teria sido altamente danosa para a economia

O único pedido de Silvio Santos durante os 26 dias em que negociou socorro financeiro para o Panamericano foi a permissão para vender o SBT por último. Em troca de R$ 2,5 bilhões para o banco, o Fundo Garantidor de Crédito (FGC) exigiu todo o patrimônio do apresentador como garantia – e compromisso de que as empresas sejam vendidas nos próximos anos até a liquidação da dívida. Silvio foi atendido e poderá vender o SBT no último dos dez anos que terá para devolver o dinheiro. Gabriel Jorge Ferreira, presidente do conselho do FGC, afirma que a operação de resgate era a única saída para Silvio, mas foi importante também para o sistema financeiro. A seguir, os principais trechos da entrevista concedida ao Estado, da qual participou também o diretor executivo do FGC, Antonio Carlos Bueno de Camargo Silva.

Como o sr. reagiu ao saber do problema no Panamericano?

Fiquei sabendo pelo Antonio Carlos Bueno, que tinha sido procurado pelo controlador (Silvio Santos). Tenho 50 anos de mercado e já passei por várias situações. Reagi profissionalmente.

O sr. não chegou a perder sono por causa disso?

Durmo pouco e o pouco que durmo, durmo bem. Mas claro que a gente fica pensando na melhor forma de conduzir uma operação dessas.

Qual a perspectiva de receber o dinheiro de volta?

A garantia é formada pelas empresas do Grupo Silvio Santos. Os balanços dessas empresas são auditados. É óbvio que não foi feita uma avaliação econômica, que levaria tempo, mas o valor consolidado das empresas é em torno de R$ 2,7 bilhões. Portanto, com margem em relação ao que foi adiantado.

Dá para confiar no balanço das empresas do Silvio Santos depois de tudo que aconteceu?

Acho que você tem de acreditar nos balanços apresentados. Não temos nenhuma razão para deixar de acreditar que a avaliação das auditorias reflete a situação das empresas.

O Banco Central culpou as auditorias por não terem detectado as fraudes no Panamericano…

Não vi o BC dizer isso. Mas, para saber se o auditor falhou ou se houve omissão, é preciso um trabalho de auditoria para entender o que aconteceu.

Houve falhas na auditoria…

Não tenho a menor condição de dizer o que aconteceu. Esse auditor especificamente tem reputação boa no mercado, já auditou grandes empresas e tem um desempenho normal.

Qual foi a justificativa do BC quando procurou o FGC para sugerir a operação?

A operação de empréstimo está expressamente autorizada no estatuto do FGC. Nunca tinha sido aplicada porque não havia surgido nenhum caso que a justificasse. É uma situação especial porque o acionista controlador estava altamente descapitalizado e o BC disse: “Ou você capitaliza ou busque outra solução”. Por sugestão do BC, ele procurou o fundo e veio expor a situação em que se encontrava o Panamericano.

Havia outra alternativa?

A alternativa que o Banco Central usava antes seria a liquidação. Decretar a liquidação você sabe muito bem o que é: traria um trauma para o mercado, perda de confiabilidade no sistema financeiro, a percepção externa ruim… O Panamericano não era uma instituição de grande porte. Tinha um porte importante, um porte médio. Era uma instituição de visibilidade no mercado em que atuava. Então, seria altamente danoso para o sistema financeiro, para a economia brasileira, se houvesse um incidente como a decretação da liquidação ou de intervenção.

Nos EUA, a quebra de um banco relativamente pequeno desencadeou a crise global. A liquidação do Panamericano poderia desencadear uma crise sistêmica?

Qualquer quebra de instituição abala, ao menos num primeiro momento, a estabilidade do sistema. É sempre um fator de perturbação. A quebra de um banco é diferente da quebra de uma empresa convencional. Quando quebra uma empresa comercial ou uma indústria, os fornecedores e os credores são os únicos atingidos. Com uma instituição financeira, toda a economia sofre. Empresas que tinham recursos depositados podem ficar sem ter como honrar seus compromissos. Isso pode provocar um efeito dominó. Esse banco, se tivesse sido liquidado, viraria uma grande insegurança, afetando principalmente as instituições financeiras de pequeno e médio porte.

Não necessariamente porque tenham algum problema, mas por causa da desconfiança?

Exatamente. Todo mundo adotaria atitudes conservadoras e começaria a retirar recursos dessas instituições, migrando para maiores, como ocorreu em outros momentos de crise. As instituições pequenas e médias têm um histórico de muita eficiência. Ocuparam espaços importantes no mercado. Por exemplo, o crédito consignado, que hoje é o grande produto de crédito, foi iniciado pelos bancos pequenos.

O fundo vai ajudar o Grupo Silvio Santos a vender os ativos?

Não. Como titular das garantias, o fundo tem interesse em que essa venda seja feita da forma mais eficiente possível. Isso significa obter um resultado na realização bastante expressivo, de forma a possibilitar o retorno do empréstimo feito. Aconselhamos o empresário (Silvio Santos) a procurar empresas especializadas nesse tipo de negócio. Vale frisar: não é só a instituição financeira que será vendida. Todas as participações societárias entregues em garantia deverão ser vendidas. O que há – isso é um pedido dele – é que o SBT será a última companhia a ser vendida. Ficou muito claro que ele poderá iniciar o movimento de venda (do SBT) no último ano do prazo de dez anos.

Como disse ao longo da semana, o sr. acredita mesmo que o banco será o primeiro desses ativos a ser vendido?

Sem dúvida. O empresário (Silvio) tem a clara percepção de que o negócio financeiro requer uma administração altamente qualificada.

Depois disso tudo, vai haver comprador?

Não tenho dúvida. A instituição estará muito saudável em tempo relativamente pequeno. O FGC não vai procurar compradores, mas já tivemos sondagens de possíveis interessados na aquisição. Pedimos que se dirigissem ao controlador.

Por que a Caixa não compra de uma vez o banco?

A Caixa não quer criar mais uma instituição financeira pública. Tomou decisão estratégica de comprar posição minoritária.

Esses que sondaram já procuraram o controlador?

Não temos notícia ainda se esses contatos foram mantidos.

Foram daqui ou do exterior?

Foram daqui (do Brasil).

Os srs. receberam a visita do Silvio Santos por 15 dias seguidos. Como foi a negociação?

Eu o encontrei três vezes. É uma pessoa elegante, sensível, estava bastante impactado com o ocorrido, mas em nenhum momento mostrou vacilação em entregar o patrimônio para garantir o FGC. Quem acompanhou isso de perto foi o Bueno.

Bueno: Em todas as visitas, ele vinha sozinho. Apenas em uma a esposa – Íris – o acompanhou. Estava preocupada com a saúde dele. Nem foi preciso, mas ela esteve junto. Ele é uma pessoa de fácil conversa. Desde o primeiro dia conosco, demonstrou preocupação muito grande com os funcionários do banco, que não poderiam perder seus empregos, pois são chefes de família. Os depositantes também não poderiam ser prejudicados. Diante dessa ótica é que desenvolvemos a solução.

Venda para o BMG em vista

Nesta terça(16) a colunista do O Estado de S. Paulo, Sonia Racy, divulgou que havia esta possibilidade de aquisição do PanAmericano pelo BMG. Em consulta do site InfoMoney, a equipe de relações com a imprensa da CEF declarou que “a informação procede”.

Contudo, para que a operação seja efetivada, é preciso o aval das outras partes envolvidas no processo, como o Grupo Silvio Santos, o Banco Central do Brasil e o Fundo Garantidor de Crédito.

Primeira baixa pesada na diretoria do Grupo SS

O presidente do Grupo Silvio Santos, Luiz Sebastião Sandoval, pediu demissão do cargo nesta quinta-feira. Segundo informações publicadas nesta sexta-feira pelo jornal Folha de S.Paulo, o executivo deixou a presidência por não concordar com as decisões que o empresário Silvio Santos quer tomar depois de colocar todas as 44 empresas do grupo como garantia de um empréstimo para salvar o Banco PanAmericano.

A diretoria da instituição financeira foi afastada assim que houve conhecimento do rombo, mas a saída de Sandoval seria a primeira mudança no alto escalão do Grupo Silvio Santos. De acordo com a publicação, quem assumirá o cargo de liderança da holding será o sobrinho do apresentador Guilherme Stoliar, que era diretor-executivo do SBT.

Sinceramente, eu , Beto Bertagna, torço para que Silvio Santos, que fará 80 anos no próximo dia 12 de dezembro, consiga reverter esta enrascada que seus executivos provocaram. A sua própria postura de imediatamente colocar seus bens como garantia por sí só demonstra que o ex-camelô Silvio não é um empresário comum, num país de picaretas como o Brasil. Digam o que disserem.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

A pós-produção criativa

O advento das novas ferramentas digitais de edição e manipulação de imagens promoveu uma mudança no tocante às etapas da pós-produção audiovisual, ampliando o peso da montagem e da finalização sobre o resultado de um filme. Nas mãos de cineastas ousados e criativos, estas novas tecnologias oferecem possibilidades de expressão capazes de resgatar o cinema autoral das banalidades da produção industrial. Para discutir estas questões, a Cinemateca recebe para uma palestra com tradução simultânea, no dia 22, às 20h30, o montador e professor da National Film and Television School do Reino Unido, Roger Crittenden. Sua apresentação será precedida por uma pequena mostra, com cinco filmes de importantes autores do cinema contemporâneo, cujo trabalho ilustra os conceitos apresentados. Dentre os destaques, o inovador clássico de Chantal Akerman, Jeanne Dielman, o finlandês O Homem sem passado e 3 Macacos, de Nuri Bilge Ceylan, revelação do cinema turco. + consulte a programação

Roger Crittenden é montador, professor da National Film and Television School (NFTS) do Reino Unido e autor de diversos livros sobre edição cinematográfica, como Fine Cuts: The art of European film editing e o volume dedicado ao filme A Noite americana, de François Truffaut, publicado na série Film Classics do BFI – British Film Institute. Foi montador de inúmeros filmes, documentários e programas de televisão, incluindo três longas-metragens de Ken Russell (Isadora, Dante’s inferno e Song of summer), três partes da série Civilisation, de Kenneth Clark, uma mini-série para TV baseada no clássico O Último dos Moicanos e documentários biográficos sobre personalidades como Wagner, Schumann, Lênim, Paul Klee e Virginia Woolf. Ao longo dos últimos anos, organizou simpósios e seminários sobre o assunto em instituições como a Escola Nacional de Cinema de Lódz, na Polônia, a EICTV de San Miguel de los Baños, em Cuba e a Universidade das Artes de Yokohama, entre muitas outras.

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Kanindé : 18 anos


A Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé está comemorando os seus 18 anos. Na agenda, uma Mostra de Vídeo e Exposição fotográfica nos dias 16 e 17 , no SESC Esplanada, às 20 hs, uma exposição fotográfica no Porto Velho Shopping nos dias 18 a 21  e uma programação cultural com palestras e danças indígenas no Teatro Banzeiros, no dia 22, com início às 7 da noite. O site é www.kaninde.org e o fone de contato (69) 3229 2826.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Festival de monólogos em Piedade/SP

Entre os dias 10 e 12 de dezembro de 2010, um evento promovido pela Prefeitura Municipal de Piedade, com patrocínio do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e apoio da Associação Cultura Votorantim, deverá receber atores de teatro de todo o Brasil. É o Festival “Paulo de Andrade” de Monólogos, peças teatrais em que o ator se apresenta sozinho, falando para o público ou consigo mesmo. Os trabalhos devem ser enviados para seleção impreterivelmente até o dia 19 de novembro de 2010. Já para assistir aos monólogos selecionados, a entrada é gratuita. Basta retirar os convites nos dias em que acontece o evento, com uma hora de antecedência. A Casa da Cultura “Paulo de Andrade” fica na Praça da Bandeira, 133 – Centro.Para mais informações, o telefone do Setor de Cultura de Piedade é (15) 3244-2670 e o site é http://www.piedade.sp.gov.br/

2 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações