Arquivo do dia: 08/11/2010

ENEM : Justiça Federal do CE e MPF determinam suspensão em todo o Brasil. Ministro Haddad diz que vai tentar reverter decisão judicial. UNE lança central para que estudantes comuniquem problemas.Gráfica americana erra feio e põe a culpa nas ‘regras de segurança’

A Justiça Federal no Ceará determinou a imediata suspensão – em caráter liminar – das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) aplicadas nesse final de semana. A avaliação aplicada a 3,3 milhões de candidatos foi marcada por erros nas provas que podem prejudicar a nota dos estudantes. Vinte e um mil cadernos de prova amarelos apresentaram erro de montagem e não continham todas as 90 questões aplicadas no sábado (6). Não se sabe ainda quantos candidatos foram prejudicados por esse problema e o MEC estuda aplicar novas provas para esse grupo de estudantes. Para a juíza Karla de Almeida Miranda Maia, da 7ª Vara Federal, a solução apresentada não resolve o problema, já que deixará “em desigualdade todos os candidatos remanescentes”.Outro problema ocorreu na folha em que os estudantes marcam as respostas das questões, que estava com o cabeçalho das duas provas trocado. O exame teve 90 questões, sendo a primeira metade de ciências humanas e o restante de ciências da natureza. Mas, na folha de marcação, as questões de 1 a 45 eram identificadas como de ciências da natureza e as de 46 a 90, como de ciências humanas. De acordo com Karla, a solução apresentada pelo Ministério da Educação para reparar o prejuízo causado aos estudantes que possam ter marcado o gabarito de forma incorreta não é suficiente para resolver o problema. O MEC prometeu disponibilizar na página do Enem na internet, a partir de quarta-feira, um módulo de requerimento para que o candidato que tenha marcado o gabarito seguindo a indicação dos cabeçalhos possa pedir a correção invertida.

Haddad descarta necessidade de anular Enem e diz que número de prejudicados é pequeno

O Ministro da Educação,Fernando Haddad, descartou hoje (8) a necessidade de anular as provas do ExameNacional do Ensino Médio (Enem) aplicadas nesse fim de semana. O Ministério da Educação (MEC) está levantando o número exatos de estudantes que foram prejudicados por um erro de montagem nos cadernos de prova amarelos. A estimativa inicial é que a falha teria atingido 2 mil candidatos, mas até o momento os casos apurados são em número inferior. De acordo com Haddad, o erro foi localizado em um lote de 21 mil provas, mas havia cerca de 370 mil cadernos sobressalentes que poderiam ser trocados pelos fiscais no momento em que o candidato percebeu o erro. O MEC está apurando com o consórcio responsável pela aplicação do exame o total de participantes que não teriam recebido uma nova prova. Hoje, a Justiça Federal no Ceará recomendou a anulação da prova por considerar que os alunos que vão refazer a prova não terão respeitadas as condições de isonomia de um concurso. Haddad ressaltou que o método estatístico utilizado no Enem, a Teoria de Resposta ao Item (TRI) permite elaborar provas diferentes com o mesmo nível de dificuldade.

O ministério vai tentar convencer a juíza de que não é necessário anular a prova.

“Vamos apresentar os dados técnicos para convencê-la a rever a sua decisão. Este é o procedimento que vamos adotar, cabendo recurso em caso de negativa”, disse. Até o momento, segundo o MEC, há um relato mais concentrado de estudantes que não puderam trocar a prova defeituosa em uma escola de Sergipe, além de “casos pontuais” espalhados pelo país.  “Estamos apurando caso a caso, nosso objetivo é identificar todas as situações, queremos contemplar todos os estudantes e temos a vantagem de reaplicar essa prova sem nenhuma dificuldade do ponto de vista técnico”, afirmou o ministro. Para Haddad, a realização de uma segunda prova não atrasaria a divulgação dos resultados do exame, prevista para a primeira quinzena de janeiro. Os custos de uma reaplicação serão arcados pela própria gráfica que hoje admitiu o erro na impressão dos cadernos amarelos e poderá pagar, uma multa pelo erro, conforme previsto em contrato.

UNE lança central para que estudantes comuniquem problemas no Enem

A União Nacional dos Estudantes (UNE) montou uma central para receber reclamações de estudantes prejudicados pelos erros ocorridos durante a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nesse fim de semana. Os candidatos podem entrar em contato com a entidade pelo e-mail enem2010@une.org.br e pelo telefone (11) 2771-0792, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. A entidade quer que o Ministério da Educação (MEC) calcule o mais rápido possível o número exato de estudantes que foram prejudicados. Vinte e um mil cadernos de prova amarelos apresentaram erro de montagem e não continham todas as 90 questões aplicadas no sábado (6). Não se sabe ainda quantos candidatos foram prejudicados por esse problema e o MEC estuda aplicar novas provas para esse grupo. Outro problema ocorreu na folha em que os estudantes marcam as respostas das questões, que estava com o cabeçalho das duas provas trocado. O exame teve 90 questões, sendo a primeira metade de ciências humanas e o restante de ciências da natureza. Mas, na folha de marcação, as questões de 1 a 45 eram identificadas como de ciências da natureza e as de 46 a 90, como de ciências humanas. Na avaliação do presidente da UNE, Augusto Chagas, não há necessidade de anular o exame  se o número de participantes prejudicados for pequeno. “Nossa primeira impressão é que se o problema for localizado, não há justificativa. O prejuízo é inegável aos estudantes que receberam a prova com defeito, mas se o número for pequeno, você tem, por outro lado, milhões de alunos que se prepararam e fizeram a prova sem problemas. Não seria correto prejudicar a ampla maioria em nome de uma minoria.” A UNE defende o uso do Enem como uma forma de superação do modelo de vestibular tradicional, considerado por Augusto como uma ferramenta “arcaica”. “O Enem deve se consolidar na direção da democratização da universidade brasileira como são os casos do ProUni e da seleção de dezenas de universidades federais pelo país, superando o velho modelo do vestibular, cruel método de acesso ao ensino superior no país”, diz nota divulgada pela entidade.

AGU vai enviar informações técnicas à juíza que suspendeu o Enem

A  AGU (Advocacia Geral da União) vai enviar na próxima quinta-feira (11) informações técnicas à juíza Karla Miranda Maia, da 7ª Vara Federal do Ceará, que determinou a suspensão das provas do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2010. A intenção é tentar convencê-la a rever sua posição antes que o órgão envie um agravo de instrumento recorrendo da decisão, conforme foi anunciado na última segunda-feira (8).

Entre as provas aplicadas no sábado (6) havia 21 mil cadernos amarelos de questões que apresentaram erro de montagem. Não se sabe ainda quantos candidatos foram prejudicados pelo problema. O MEC (Ministério da Educação) sugeriu aplicar o exame para esses estudantes, mas, para a juíza Karla, a solução não garante a isonomia entre os concorrentes. O advogado-geral da União, Luís Inácio Lucena Adams, disse na terça-feira (9) que o princípio da isonomia está garantido no caso de reaplicação do Enem, já que a metodologia utilizada na prova, a TRI (Teoria de Resposta ao Item), permite elaborar testes com o mesmo grau de dificuldade, ainda que as questões sejam diferentes. O ministro da Educação, Fernando Haddad, descartou a necessidade de anular o Enem. O MEC está levantando o número exato de estudantes que foram prejudicados pelos erros. A estimativa inicial é que a falha teria atingido 2.000 candidatos.

Gráfica estadunidense erra feio nas provas do Enem e põe a culpa nas ‘regras de segurança’

Após cometer erros grosseiros na impressão de 33 mil cadernos de provas amarelas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), com defeito de ordenamento e ausência de questões, a Gráfica RR Donnelley tentou jogar a culpa nas “regras de segurança” pelo ocorrido. Segundo a gráfica, de capital estadunidense, a impressão do material ocorreu “conforme previsão contratual, dentro dos mais rigorosos critérios de segurança e sigilo, evitando dessa forma o vazamento do conteúdo da prova”. Para a Donnelley, o erro, que prejudicou milhares de estudantes que prestaram o concurso, está “dentro da normalidade técnica para esse processo industrial”. O fato é que a monumental irresponsabilidade da Donnelley – e de quem no Ministério da Educação concordou com o tal “critério especial” que “impedia que elas fossem revisadas depois de impressas” -, fez com que fossem apresentadas aos estudantes questões divididas entre os cabeçalhos. Assim, no caderno da prova, as questões de 1 a 45 eram de ciências humanas e suas tecnologias e a de 46 a 90, de ciências natureza. No gabarito de respostas, os subtítulos estavam invertidos: com 1 a 45 de ciências da natureza e de 46 a 90 para ciências humanas e suas tecnologias. O evidente descalabro, fruto da não observância de um procedimento elementar – a revisão – de qualquer processo gráfico, deixou aberta a porta para que a mídia reacionária, contrária à iniciativa democratizadora do Enem, destilasse tudo o que tem de mais podre contra o exame que tem facilitado o acesso dos estudantes mais pobres às faculdades particulares e universidades públicas. Vale lembrar que em 2009, as provas haviam vazado da gráfica da “Folha de S. Paulo”, que foi corretamente afastada – por comprovada incompetência – da concorrência deste ano. E que o então governador José Serra aproveitou para sabotar o Enem, retirando as universidades de São Paulo do exame. Após tirar da gráfica da “Folha” a incumbência de imprimir as provas do Enem, o MEC colocou no lugar o monopólio norte-americano, a RR Donnelley, fundado em Chicago, em 1864. Anos depois, passaria a imprimir as revistas Time e Life. Em busca do lucro máximo, como toda multinacional, estendeu seus tentáculos por Cingapura, Argentina, México, Chile e Brasil, a partir dos anos 1980. Em 2004, a Donnelley se fundiu com a Moore Wallace, formando maior complexo gráfico do mundo, com faturamento anual de US$ 7,2 bilhões e atuação em 30 países da Europa, Ásia e América Latina, além dos EUA. Atualmente o Enem conta com 4,6 milhões de inscritos, com 47 mil vagas em universidades federais dependendo do seu resultado, que é critério para entrar no ProUni e que no próximo ano também será critério para receber financiamento do Fies. Será aberta uma página na internet, a partir desta quarta-feira (10), para os alunos que preencheram a folha de respostas seguindo os cabeçalhos, solicitarem a correção invertida. Essa página funcionará até o dia 16. A nova prova deve acontecer entre o fim de novembro e o início de dezembro.

Via Agência Brasil

4 Comentários

Arquivado em Delírio Cotidiano

Calem a boca, nordestinos! (via TRAMPOLIM – É melhor aceitar os riscos e viver intensamente do que ficar em entediante segurança.)

Por José Barbosa Junior

A eleição de Dilma Rousseff trouxe à tona, entre muitas outras coisas, o que há de pior no Brasil em relação aos preconceitos. Sejam eles religiosos, partidários, regionais, foram lançados à luz de maneira violenta, sádica e contraditória.

Já escrevi sobre os preconceitos religiosos em outros textos e a cada dia me envergonho mais do povo que se diz evangélico (do qual faço parte) e dos pilantras profissionais de púlpito, como Silas Malafaia, Renê Terra Nova e outros, que se venderam de forma absurda aos seus candidatos. E que fique bem claro: não os cito por terem apoiado o Serra… outros pastores se venderam vergonhosamente para apoiarem a candidata petista. A luta pelo poder ainda é a maior no meio do baixo-evangelicismo brasileiro.

Mas o que me motivou a escrever este texto foi a celeuma causada na internet, que extrapolou a rede mundial de computadores, pelas declarações da paulista, estudante de Direito, Mayara Petruso, alavancada por uma declaração no twitter: “Nordestino não é gente. Faça um favor a SP, mate um nordestino afogado!”.

Infelizmente, Mayara não foi a única. Vários outros “brasileiros” também passaram a agredir os nordestinos, revoltados com o resultado final das eleições, que elegeu a primeira mulher presidentE ou presidentA (sim, fui corrigido por muitos e convencido pelos “amigos” Houaiss e Aurélio) do nosso país.

E fiquei a pensar nas verdades ditas por estes jovens, tão emocionados em suas declarações contra os nordestinos. Eles têm razão!

Os nordestinos devem ficar quietos! Cale a boca, povo do Nordeste!

Que coisas boas vocês têm pra oferecer ao resto do país?

Ou vocês pensam que são os bons só porque deram à literatura brasileira nomes como o do alagoano Graciliano Ramos, dos paraibanos José Lins do Rego e Ariano Suassuna, dos pernambucanos João Cabral de Melo Neto e Manuel Bandeira, ou então dos cearenses José de Alencar e a maravilhosa Rachel de Queiroz?

Só porque o Maranhão nos deu Gonçalves Dias, Aluisio Azevedo, Arthur Azevedo, Ferreira Gullar, José Louzeiro e Josué Montello, e o Ceará nos presenteou com José de Alencar e Patativa do Assaré e a Bahia em seus encantos nos deu como herança Jorge Amado, vocês pensam que podem tudo?

Isso sem falar no humor brasileiro, de quem sugamos de vocês os talentos do genial  Chico Anysio, do eterno trapalhão Renato Aragão, de Tom Cavalcante e até mesmo do palhaço Tiririca, que foi eleito o deputado federal mais votado pelos… pasmem… PAULISTAS!!!

E já que está na moda o cinema brasileiro, ainda poderia falar de atores como os cearenses José Wilker, Luiza Tomé, Milton Moraes e Emiliano Queiróz, o inesquecível Dirceu Borboleta, ou ainda do paraibano José Dumont ou de Marco Nanini, pernambucano.

Ah! E ainda os baianos Lázaro Ramos e Wagner Moura, que será eternizado pelo “carioca” Capitão Nascimento, de Tropa de Elite, 1 e 2.

Música? Não, vocês nordestinos não poderiam ter coisa boa a nos oferecer, povo analfabeto e sem cultura…

Ou pensam que teremos que aceitar vocês por causa da aterradora simplicidade e majestade de Luiz Gonzaga, o rei do baião? Ou das lindas canções de Nando Cordel e dos seus conterrâneos pernambucanos Alceu Valença, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Lenine? Isso sem falar nos paraibanos Zé e Elba Ramalho e do cearense Fagner…

E Não poderia deixar de lembrar também da genial família Caymmi e suas melofias doces e baianas a embalar dias e noites repletas de poesia…

Ah! Nordestinos…

Além de tudo isso, vocês ainda resistiram à escravatura? E foi daí que nasceu o mais famoso quilombo, símbolo da resistência dos negros á força opressora do branco que sabe o que é melhor para o nosso país? Por que vocês foram nos dar Zumbi dos Palmares? Só para marcar mais um ponto na sofrida e linda história do seu povo?

Um conselho, pobres nordestinos. Vocês deveriam aprender conosco, povo civilizado do sul e sudeste do Brasil. Nós, sim, temos coisas boas a lhes ensinar.

Por que não aprendem conosco os batidões do funk carioca? Deveriam aprender e ver as suas meninas dançarem até o chão, sendo carinhosamente chamadas de “cachorras”. Além disso, deveriam aprender também muito da poesia estética e musical de Tati Quebra-Barraco, Latino e Kelly Key. Sim, porque melhor que a asa branca bater asas e voar, é ter festa no apê e rolar bundalelê!

Por que não aprendem do pagode gostoso de Netinho de Paula? E ainda poderiam levar suas meninas para “um dia de princesa” (se não apanharem no caminho)! Ou então o rock melódico e poético de Supla! Vocês adorariam!!!

Mas se não quiserem, podemos pedir ao pessoal aqui do lado, do Mato Grosso do Sul, que lhes exporte o sertanejo universitário… coisa da melhor qualidade!

Ah! E sem falar numa coisa que vocês tem que aprender conosco, povo civilizado, branco e intelectualizado: explorar bem o trabalho infantil! Vocês não sabem, mas na verdade não está em jogo se é ou não trabalho infantil (isso pouco vale pra justiça), o que importa mesmo é o QUANTO esse trabalho infantil vai render. Ou vocês não perceberam ainda que suas crianças não podem trabalhar nas plantações, nas roças, etc. porque isso as afasta da escola e é um trabalho horroroso e sujo, mas na verdade, é porque ganha pouco. Bom mesmo é a menina deixar de estudar pra ser modelo e sustentar os pais, ou ser atriz mirim ou cantora e ter a sua vida totalmente modificada, mesmo que não tenha estrutura psicológica pra isso… mas o que importa mesmo é que vão encher o bolso e nunca precisarão de Bolsa-família, daí, é fácil criticar quem precisa!

Minha mensagem então é essa: – Calem a boca, nordestinos!

Calem a boca, porque vocês não precisam se rebaixar e tentar responder a tantos absurdos de gente que não entende o que é, mesmo sendo abandonado por tantos anos pelo próprio país, vocês tirarem tanta beleza e poesia das mãos calejadas e das peles ressecadas de sol a sol.

Calem a boca, e deixem quem não tem nada pra dizer jogar suas palavras ao vento. Não deixem que isso os tire de sua posição majestosa na construção desse povo maravilhoso, de tantas cores, sotaques, religiões e gentes.

Calem a boca, porque a história desse país responderá por si mesma a importância e a contribuição que vocês nos legaram, seja na literatura, na música, nas artes cênicas ou em quaisquer situações em que a força do seu povo falou mais alto e fez valer a máxima do escritor: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte!”

Que o Deus de todos os povos, raças, tribos e nações, os abençoe, queridos irmãos nordestinos!

via TRAMPOLIM – É melhor aceitar os riscos e viver intensamente do que ficar em entediante segurança.

Leia também  Mayara Petruso no Twitter : MPF investiga denúncia de racismo. Pai diz que “tem raiva de quem tem preconceito”. Irmão divulga carta e pede compreensão

7 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações

Obra Inacabada (via ultralafa)

Obra Inacabada

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

CPMF, sempre ela… (via Com Fel e Limão)

Por Vinicius Duarte

Novamente surgiu um bafafá a respeito de uma suposta volta da CPMF, criada no governo do FHC, mantida pelo Lula e extinta pelo Congresso neste ano, depois de várias tentativas anteriores. As justificativas para acabar com a contribuição são aquelas de sempre: “custo Brasil”, máquina estatal de devorar dinheiro do povo, é um imposto “em cascata”, blablabla. Patrocinadores da causa, os de sempre: os pilotos de impostômetro da ACSP, FIESP etc. E o gado vai seguindo atrás deles. Eu, do alto da minha ignorância econômica, nunca entendi o porquê de se acabar com um tributo que, ao final das contas, muito pouco afetava a vida do cidadão comum, “insonegável” e que, se não era lá grandes coisas em termos arrecadatórios, consistia em excelente (o melhor) meio de se fiscalizar o pagamento dos OUTROS tributos. Sim, porque a CPMF “marca” o dinheiro e aponta onde estão os sonegadores/bandidos.  Mas é a velha história: fala-se “A”, mas quer se dizer “B”. Dá pra escapar de qualquer tributo no Brasil, menos da CPMF. E, com a CPMF tirando os centavinhos da sua conta a cada débito, e esses centavinhos se somando e transformando-se em reaizinhos, dezenas de reaizinhos, centenas de reaizinhos ou MILHARES de reaizinhos, a brava Receita Federal poderá perguntar ao pacato “cidadão de bem” como ele consegue, por exemplo, pagar R$ 380 por mês de CPMF (que indicaria um movimento de R$ 100.000) e apresentar uma Declaração de IR murchinha, murchinha, alegando isenção por falta de rendimentos tributáveis. Dá pra ver, com um simples cruzamento, quais são as empresas que usam caixa 2. Quem usa laranjas pra esquentar dinheiro. Pode, inclusive, combater o tráfico de drogas (alô, Nascimento!). “Follow the money”, ensinou Eliot Ness há quase CEM anos. Quando se fala em redução da carga tributária, supondo-se que não “brota” dinheiro do nada na economia, entende-se que, se a grana não vai para o governo, vai para outra pessoa. Quando o Lula decidiu combater a crise via redução de IPI, você foi às Casas Bahia e percebeu a diminuição do preço dos produtos: o “sócio” Governo abriu mão da sua parte. Pois bem: o mesmo governo, forçado, abriu mão da CPMF. Esse dinheiro, em tese, reverteria para quem antes pagava o imposto, certo? Você percebeu alguma melhora na vida com o fim da CPMF? Você precisaria ganhar R$ 10.000 mensais para que o fim da CPMF te gerasse, em contrapartida, UMA PIZZA e um guaraná 2 litros. Se ganha menos, daria pra um saquinho de Ruffles no fim do mês. Portanto, quem vocifera contra a CPMF E NÃO É o Afif Domingos ou o Eike Batista está trocando um excepcional instrumento de combate à sonegação por uma batata Ruffles, um chiclete ou, na melhor das hipóteses, uma pizza de muzzarela. E quem escapa de recolher bilhões para a ReceitaFederal em IR, IPI, PIS/Cofins te agradece, penhoradamente. E, claro, antes dos patrulheiros de sempre acharem que eu escrevi isto pra aliviar a barra da Dilma, leia este outro post meu, de 2007 .

Lambido  COM FEL E LIMÃO,

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações