Arquivo do dia: 27/10/2010

27 de outubro:Dia do Patrimônio Audiovisual

Nesse ano, a Cinemateca Brasileira e a Mostra Internacional de Cinema reúnem-se para celebrar o Dia Mundial do Patrimônio Audiovisual (World Day of Audiovisual Heritage), data comemorativa criada pela UNESCO em 2005, e que procura chamar a atenção da sociedade civil e dos governos para a necessidade de ações urgentes que garantam a preservação de materiais fílmicos, televisivos e radiofônicos ao redor do mundo. Para celebrar a efeméride, serão apresentados alguns marcos do cinema popular brasileiro em cópias novas ou restauradas pela Cinemateca. Além de raridades como a ficção científica Bonecas diabólicas, rodada em São Paulo em meados dos anos 1970, a programação exibe, entre outros títulos, a comédia O Corintiano, estrelada por Mazzaropi, e o policial Tocaia no asfalto, marco da filmografia baiana. O Dia Mundial do Patrimônio Audiovisual integra a programação oficial da 34ª Mostra Internacional de Cinema de SP.

Deixe um comentário

Arquivado em Delírio Cotidiano

"Meu filho, meu herói. Ao Mestre Henrique."

“Ao longo da vida ouvimos muitas histórias de grandes heróis e guerreiros que lutaram bravamente sem temer nada em busca da libertação de seu povo e deram a vida com dignidade para conquistar aquilo que acreditavam. Assim, também vejo meu filho Henrique, um grande guerreiro que nunca deixou de lutar por aquilo que queria, sem prejudicar ninguém. Com um coração puro, dedicou-se ao máximo na busca de seus sonhos, dedicou-se completamente aos estudos, tinha uma habilidade enorme e vontade indescritível.

Porém, após uma agressão espontânea, absurda e covarde, o grande guerreiro precisou travar uma luta enorme pela sua vida. Depois de duas cirurgias na cabeça devidas ao trauma causado pela agressão, outras várias intervenções para colocação de drenos, válvulas e cateteres, mais de dez meses, somando 305 dias nessa luta intensa, o grande guerreiro, como tantos outros atingidos justamente em seu ponto fraco, não suportou a dor e agora partiu para viver em um outro plano espiritual junto de Deus.

Mostrou sua capacidade e inteligência desde o início de seus estudos, agradeceu com muito carinho a matrícula que fizemos para ele no colégio técnico, formou-se técnico em publicidade, foi batalhar para poder pagar sua faculdade, onde formou-se designer de produtos, não faltava um dia da semana às aulas, dava valor a cada real que deixava para os cofres da faculdade. Foi considerado pelos próprios companheiros e professores um mestre, e assim era chamado, “mestre”. Realizou todos os trabalhos com a maior perfeição, ganhou vários prêmios pelos trabalhos e para o grande final idealizou o “Mimo”, desfecho garantido e digno do mestre na apresentação de seu TCC, que ficará marcado por todos que compareceram para prestigiar.

Paralelamente, trabalhava na Agevole, agência situada na Av. Paulista, onde conquistou com alegria e disposição vários novos clientes, prêmios para a agência e a confiança de vários profissionais em um mundo muito difícil de destacar. Mas lá estava ele, brigador e confiante naquilo que acreditava e feliz.

Com a família, além de ser um filho maravilhoso, foi um irmão mais velho que sempre orientou e ajudou, o neto carinhoso que se preocupou muito com os avós, sobrinho que se destacou junto a todos os tios, aos quais tratava com muito respeito, e o primo mais respeitado da família, aquele que dava a opinião certa em todos os momentos, na verdade um amigo eterno.

Meu filho, mestre Henrique, deixa guardado em nossos corações um amor que perseverará eternamente, que jamais será esquecido mesmo que nós passemos mais mil encarnações. A alegria e o carinho que tivemos aos longos destes 21 anos – ele completou 22 anos dentro da UTI – e a certeza de que ainda estaremos juntos um dia, pois nos consideramos espíritos eternos, serão algo que me fortalecerá e me guiará no rumo certo, e esperarei cada minuto de minha existência para poder vê-lo novamente. Aí sim poderei dizer novamente quanto o amei e fui feliz pelos momentos que estivemos juntos.

A certeza que tenho neste momento é que foi o maior prazer de minha vida ter sido o pai deste garoto, agradeço a ele e a Deus por ter sido escolhido para esta missão e aceitei devolvê-lo com o mesmo amor, carinho, alegria e dignidade que o recebi. Posso garantir a todos que leem este texto o quanto é difícil passar por este momento, a dor e o vazio ficam estampados dentro do coração. Porém, tenho a sensação de dever cumprido, recebi o filho de Deus, amei, ensinei, acompanhei, orientei, me dediquei e amei novamente, e quando foi solicitado, o entreguei aos braços do Senhor para que ele voltasse a lar eterno.

Tenho a certeza que lá no céu tem uma festa enorme e todos estão alegres com a sua chegada, assim como foi no dia em que ele chegou aqui na Terra onde festejamos muito. Assim, mesmo de coração partido, deixo registrada a partida do “Mestre Henrique” para outra dimensão, onde tenho a certeza que ele estará muito bem e olhando com todo o seu amor, carinho e alegria, com seu sorriso maravilhoso, para nós que ficamos com as saudades, que serão grandes. Mas para quem ama não existe tempo e nem espaço, ele estará para sempre junto de mim e de minha família, dentro de nossos corações.

Te amo filho.
Elifas”

……………………………………………………………………….

Elifas Pereira Filho é pai do designer Henrique de Carvalho Pereira, agredido com um taco de beisebol na Livraria Cultura do Conjunto Nacional em dezembro do ano passado e que morreu nesta semana.

2 Comentários

Arquivado em Delírio Cotidiano

“Meu filho, meu herói. Ao Mestre Henrique.”

“Ao longo da vida ouvimos muitas histórias de grandes heróis e guerreiros que lutaram bravamente sem temer nada em busca da libertação de seu povo e deram a vida com dignidade para conquistar aquilo que acreditavam. Assim, também vejo meu filho Henrique, um grande guerreiro que nunca deixou de lutar por aquilo que queria, sem prejudicar ninguém. Com um coração puro, dedicou-se ao máximo na busca de seus sonhos, dedicou-se completamente aos estudos, tinha uma habilidade enorme e vontade indescritível.

Porém, após uma agressão espontânea, absurda e covarde, o grande guerreiro precisou travar uma luta enorme pela sua vida. Depois de duas cirurgias na cabeça devidas ao trauma causado pela agressão, outras várias intervenções para colocação de drenos, válvulas e cateteres, mais de dez meses, somando 305 dias nessa luta intensa, o grande guerreiro, como tantos outros atingidos justamente em seu ponto fraco, não suportou a dor e agora partiu para viver em um outro plano espiritual junto de Deus.

Mostrou sua capacidade e inteligência desde o início de seus estudos, agradeceu com muito carinho a matrícula que fizemos para ele no colégio técnico, formou-se técnico em publicidade, foi batalhar para poder pagar sua faculdade, onde formou-se designer de produtos, não faltava um dia da semana às aulas, dava valor a cada real que deixava para os cofres da faculdade. Foi considerado pelos próprios companheiros e professores um mestre, e assim era chamado, “mestre”. Realizou todos os trabalhos com a maior perfeição, ganhou vários prêmios pelos trabalhos e para o grande final idealizou o “Mimo”, desfecho garantido e digno do mestre na apresentação de seu TCC, que ficará marcado por todos que compareceram para prestigiar.

Paralelamente, trabalhava na Agevole, agência situada na Av. Paulista, onde conquistou com alegria e disposição vários novos clientes, prêmios para a agência e a confiança de vários profissionais em um mundo muito difícil de destacar. Mas lá estava ele, brigador e confiante naquilo que acreditava e feliz.

Com a família, além de ser um filho maravilhoso, foi um irmão mais velho que sempre orientou e ajudou, o neto carinhoso que se preocupou muito com os avós, sobrinho que se destacou junto a todos os tios, aos quais tratava com muito respeito, e o primo mais respeitado da família, aquele que dava a opinião certa em todos os momentos, na verdade um amigo eterno.

Meu filho, mestre Henrique, deixa guardado em nossos corações um amor que perseverará eternamente, que jamais será esquecido mesmo que nós passemos mais mil encarnações. A alegria e o carinho que tivemos aos longos destes 21 anos – ele completou 22 anos dentro da UTI – e a certeza de que ainda estaremos juntos um dia, pois nos consideramos espíritos eternos, serão algo que me fortalecerá e me guiará no rumo certo, e esperarei cada minuto de minha existência para poder vê-lo novamente. Aí sim poderei dizer novamente quanto o amei e fui feliz pelos momentos que estivemos juntos.

A certeza que tenho neste momento é que foi o maior prazer de minha vida ter sido o pai deste garoto, agradeço a ele e a Deus por ter sido escolhido para esta missão e aceitei devolvê-lo com o mesmo amor, carinho, alegria e dignidade que o recebi. Posso garantir a todos que leem este texto o quanto é difícil passar por este momento, a dor e o vazio ficam estampados dentro do coração. Porém, tenho a sensação de dever cumprido, recebi o filho de Deus, amei, ensinei, acompanhei, orientei, me dediquei e amei novamente, e quando foi solicitado, o entreguei aos braços do Senhor para que ele voltasse a lar eterno.

Tenho a certeza que lá no céu tem uma festa enorme e todos estão alegres com a sua chegada, assim como foi no dia em que ele chegou aqui na Terra onde festejamos muito. Assim, mesmo de coração partido, deixo registrada a partida do “Mestre Henrique” para outra dimensão, onde tenho a certeza que ele estará muito bem e olhando com todo o seu amor, carinho e alegria, com seu sorriso maravilhoso, para nós que ficamos com as saudades, que serão grandes. Mas para quem ama não existe tempo e nem espaço, ele estará para sempre junto de mim e de minha família, dentro de nossos corações.

Te amo filho.
Elifas”

……………………………………………………………………….

Elifas Pereira Filho é pai do designer Henrique de Carvalho Pereira, agredido com um taco de beisebol na Livraria Cultura do Conjunto Nacional em dezembro do ano passado e que morreu nesta semana.

2 Comentários

Arquivado em Delírio Cotidiano

José Serra prepara golpe para incriminar PT às vésperas da eleição

A filósofa Marilena Chaui denunciou nesta segunda-feira (25) uma articulação para tentar relacionar o PT e a candidatura de Dilma Rousseff à violência. De acordo com ela, alguns partidários discutiram no final de semana uma tática para usar a força durante o comício que o candidato José Serra (PSDB) fará no dia 29.

Segundo Chaui, pessoas com camisetas do PT entrariam no comício e começariam uma confusão. As cenas seriam usadas na TV e no programa de José Serra sem que a campanha petista pudesse responder a tempo hábil.

‘Dia 29, nós vamos acertar tudo, está tudo programado’, disse a filósofa sobre a conversa. Para exemplificar o caso, ela disse que se trata de um novo caso Abílio Diniz. Em 1989, o seqüestro do empresário foi usado para culpar o PT e o desmentido só ocorreu após a eleição de Fernando Collor de Melo.

A denúncia foi feita durante encontro de intelectuais e pessoas ligadas à Cultura, estudantes e professores universitários e políticos, na USP, em São Paulo. ‘Não vai dar tempo de explicar que não fomos nós. Por isso, espalhem.’

2 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações

Dilma lá

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Cor: É uma coisa cultural?

“É azul”. “Não, é roxo.” “Seja qual for, é tão azul! Não há uma mancha de roxo nele! ” Aaron e eu tivemos essa discussão um milhão de vezes nos quase seis anos em que possuímos o pequeno Suzuki Swift . Eu não conseguia encontrar as cores originais . Então, eu fiz o que todas as pessoas racionais fazem: Eu comecei uma votação  . “Purple”. “Purple”. “Ah, você quer dizer o carro roxo?” Certamente não posso  ser parcialmente daltônico, posso? Assim,  a cor é uma coisa cultural? Talvez, apenas talvez, alguns tons fiquem tão próximos  em algumas
culturas / regiões / países, que eles são vistos como uma cor, e em outros lugares, a visão é um pouco diferente. E para você,  que cor é este carro?

via http://aaronandsheri.wordpress.com

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Dia Internacional da Animação

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias