Arquivo do dia: 04/10/2010

FHC vota em branco ontem. Confira foto do flagrante (via Blog do Artur Henrique)

Folheando o Valor Econômico de hoje, vi esta foto acima. FHC votou em branco, isso a foto não deixa dúvida. Só não se sabe para qual cargo ele branqueou. … Read More

via Blog do Artur Henrique

2 Comentários

Arquivado em Reblog

Quem pagou o jatinho de US$ 50 milhões da Marina ? (via Sejaditaverdade )

Na foto, as modestas instalações do jatinho da candidata pobrinha

Como os auditores, policiais ou contadores sabem quando alguém lava dinheiro? Fácil, a pessoa começa a ter um padrão de vida bem superior aos seus rendimentos. Em outras palavras, o suspeito tem um carro que está muito além do seu salário, vive em uma casa com tamanho luxo e não há o que explique a origem dos recursos para a compra da tal casa.

Na campanha presidencial deste ano, uma candidata desponta como aquela que leva um padrão bem acima daquilo que é declarado: é a verde Marina Silva.

Em setembro deste ano, as doações da campanha da candidata superavam a marca de 13 milhões de reais, tornando a campanha de Marina mais cara que a de Lula em 2006.

Ainda sim, Marina e Guilherme Leal, seu vice bilionário e cuja empresa é acusada de biopirataria e tem mais de R$ 1,5 bilhão em multas da Receita Federal, afirmam fazer uma campanha modesta frente aos candidatos José Serra e Dilma Rousseff.

O que o amigo navegante acha mais apropriado para referir-se à Bláblárina:

– Traíra

– Eco-capitalista

– A candidata de duas caras

– Voz de despertador de segunda feira (segundo o Zé Simão)

– Serra do B

Isso dá uma enquete …
Escândalo: Marina faz a campanha presidencial mais cara!
Aos moldes da campanha vitoriosa de Barack Obama nos Estados Unidos, Marina foi a primeira a pedir doações na internet. O objetivo, segundo a candidata, era garantir que as doações fossem transparentes (aqui). As doações são pífias, não tendo passado de pouco mais de R$ 160 mil até a semana passada.
Não foi o que aconteceu. No começo do pleito, Marina viajava o país todo dentro de um jatinho Legacy, propriedade da Natura, empresa do vice do PV.

Há alguns dias, em imagem exibida no Jornal Nacional, percebe-se que o avião agora é outro: um luxuoso e exclusivo jato Falcon 2000 Easy, no valor de mais de 50 milhões de dólares.  Veja a prova irrefutável:

Os custos deste avião são tão caros que havia apenas dois modelos no Brasil. Agora temos um terceiro, o de Marina. Na imagem do Jornal Nacional, podemos observar no canto esquerdo da tela a logomarca da Colt Aviation, conhecida por administrar e alugar jatos de potentados, banqueiros e grandes empresas nacionais e internacionais, além dos altos valores que cobra por seus serviços.

Agora , surgem dúvidas pertinentes aos eleitores:

Por que Marina trocou de avião?

Por que Dilma voa em um Citation e Serra em um Learjet, aviões bastante inferiores aos da falsa humilde ex-Marina, e ela gasta milhões em seu raid aéreo por todo o Brasil?
Por que a candidata do PV prega vida simples e sustentável aos outros, mas para si ostenta o luxo e polui o meio-ambiente voando numa máquina de US$ 50 milhões?
E a pergunta mais importante de todas: QUEM PAGA POR ESTE AVIÃO E QUE INTERESSES TÊM NISSO?

Marina Silva tem que vir a público para explicar estas questões. A sua máscara de boazinha já caiu faz tempo. Caiu com um super jato, com comissária de bordo, navegação e telefonia por satélite, interior luxuosíssimo, cama de casal, bar, escritório e um custo aproximado de US$ 10 mil por hora de vôo?
Barack Obama voou em sua campanha num jato Legacy, da JetBlue Airlines, fabricado no Brasil. Marina silva voa num avião que custo o dobro. Chique, não?

www.conversaafiada.com.br e  sejaditaverdade

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

O jeitinho brasileiro de ser

Por Marli Gonçalves

Somos mesmo um povo muito louco. Nos matamos pelo tanto faz, tanto fez. Adaptamo-nos a situações impensáveis, e aí reside o perigo. Ser unanimidade é tão fácil quanto ser burro, ou palhaço, ou erva daninha, tiririca da vida. Tudo passa, tudo passará. Qualquer coisa vem e vai

Somos todos hábeis manipuladores, com nosso jeitinho brasileiro de ser. Beijinho, beijinho, tchau, tchau. Há meses acompanhamos as intrépidas eleições, seu formato, seus candidatos a qualquer coisa. Alianças impensáveis foram feitas nas nossas fuças. A propaganda intensa, cheia de símbolos, martelada dia após dia na cabeça, vendia e vende a nossa alma. E todos se vangloriam. Com o que der, conviveremos.

Continuamos resolvendo tudo de última hora, de forma casuística. Mas quem se importa com isso? Desde que resolvam… “Alguém”, resolvam! Eles fazem. Eles decidem. Até candidato Ninguém apareceu. Piada pura. É tudo solto, frouxo, descompassado. O comunista de ontem, o direitista de sempre, os guerrilheiros e combatentes do amanhã, os tribalistas, zeros à esquerda, cabeçudo, cabeçudas de toda ordem instalados para onde a gente olha. Ocupam espaços em cadeiras e horizontes. Ninguém consegue fugir, a não ser dando um jeitinho – de não ver.

Nosso jeitinho vem sendo objeto de estudos e estudos. Uns dizem que o usamos para ludibriar, enganar, tripudiar. Outros que o jeitinho maravilhoso é banho de criatividade, de inventividade. Os dois lados têm razão. Porque o jeitinho brasileiro é usado para sobreviver, fator que nos impele a usar todas as forças disponíveis. Sem chegar à conclusão alguma, nunca. Mas dá-se um jeito.

Nos últimos dias, apenas para ilustrar, vimos um candidato jogando a própria mulher aos leões nas eleições do Distrito Federal, e a coitada aceitando. Vimos que a menina de vestido rosa quase massacrada na universidade, bundinha para a Lua, chegou à tevê, menos de um ano depois. Vimos um poste começar a falar. O careca assustador de outrora sorrindo e cantando, embalando criancinhas. A frágil cabocla falando mais do que os povos da floresta em noite de Lua cheia. E o velhinho milionário da esquerda satirizando até a palavra de Deus.

Vimos homens de toga e peruca discutindo e mudando lei em voga, no meio do curso do rio, tentando servir de balsa para atravessar o poder para o outro lado do rio. Vemos contratos não serem respeitados, dessa mesma forma, no meio do caminho. Tinha ou colocam uma pedra. Não há mais a palavra dada, o rigor moral, o compromisso homem a homem. Fidelidade, nem pessoal, amorosa ou partidária. Sempre se dá um jeitinho.

Ainda bem. Ainda bem? Desculpem, mas acho que um dos motivos pelos quais gostamos dessa terra de samba do crioulo doido só pode ser esse – o jeitinho. É pelo menos o único jeitinho que temos de dar para nos conformar porque há tantos anos parece que a situação não muda. Fim dos 80, começo dos 90: Delfim, Maluf, Sarney, Collor, Lula, Serra incluso. Fim da primeira década do século, quem? Delfim, Maluf, Sarney, Collor e Lula. Serra incluso. O que apareceu a mais de diferente só fez piorar a sopa de letrinhas. Ou deram um jeitinho de abafá-los, ajeitando os ajustados.

Digo tudo isso para acalmar o seu coração. Aconteça o que acontecer, daremos um jeitinho. A partir daí criaremos um movimento popular, ou cultural, ou musical. Uma moda. Uma batucada. O mundo nos inveja, e sabemos disso, dando um jeitinho de nos infiltrar em todos os seus cantos, legal ou ilegalmente. Os corrupinhas vão continuar suas atividades, e vamos continuar dando um jeitinho de fazer que não existem as violências e violações. A miséria grassará nas esquinas que a gente pula. O país tem fome, tem abortos e está desassistido.

Mas não querem que ninguém fale nisso. Para não estragar o jogo do jeitinho.

Não sei se vocês vêm percebendo, mas o jeitinho brasileiro quanto mais conhecido fica, mais ineficaz. E tem perdido muito a graça porque está sendo usado é para nos embrulhar. De qualquer jeito.
São Paulo, momento eleitoral, morno e ajeitado, 2010.
……………………………………………………………………………………………………………..
A autora é jornalista. Do seu jeito, usa o jeitinho para aguentar ver tanta gente se ajeitando. Ela escreve no blog http://marligo.wordpress.com e no site www.brickmann.com.br. O e-mail de contato é marli@brickmann.com.br. Leremos mais vezes textos da Marli por aqui.

2 Comentários

Arquivado em Delírio Cotidiano

Workshop sobre técnicas de gravação em câmeras DSLR no IIF, em SP

Um  workshop sobre técnicas de gravação com câmera DSLR  será ministrado pelo professor Alessandro Dias,  direcionado especialmente para explicar o uso de equipamentos e técnicas de produção de vídeo profissional utilizando as câmeras 5D, 7D e T2I Rebel. Para participar deste workshop é necessário como pré-requisito que os alunos tenham conhecimentos de técnica básica.Na programação do curso, -Técnicas de Filmagem com Câmera Fotográfica DSLR- Convergência Tecnologia- Como aproveitar o recurso Video de sua Câmera- Dicas de foco, follow focus, marcação do foco,- Monitoramento externo (monitor HDMI, VGA USB)- Movimentos de câmera, câmera na mão, steadycam, grua, traveling. Mostrar imagens dos mesmos e cenas realizadas, fazer um debate sobre viabilidade dentro da realidade de um fotógrafo.- DIY (Faça você mesmo)- WB customizado- Estilo de Imagem- Menu de Câmera- Configuração Áudio: Microfone Externo. Gravador Externo- Teste sensibilidade ISO: câmeras lado à lado- Velocidade obturador: relação FPS / Obturador- Exposição: Limites ISO (perda qualidade), Obturador (Flicagem), Diafragma (DOP). Triângulo exposição.- Anel conversor Nikon / Canon- Filtros ND- Dicas Iluminação, diferença entre still e imagem em movimento. Será nos dias 23 e 24 de outubro no IIF – Instituto Internacional de Fotografia, com carga horária de 16 horas.  Mais Informações (11) 3021-3335 ou cursos@iif.com.br

1 comentário

Arquivado em Notícias