Mareal

por JLGalvão Jr

Alcântarus chovia sob nuvens, claras

águas incontinentes mais molhando.

São Luís alinhavada no horizonte,

subia e descia diante da baía.

Contraria vaga curantur,

observa o navegante, profundo.

Cerratense em desvario arregaça mangues,

redime florada atlântica nos remos.

Trabalho recendente a gema rasgada,

vem de dentro quebrando casca desperado.

Esperada metrópole em séculos mosaicos,

emparedando de fora, observante.

Ao horizonte submersas histórias de cascos não chegados.

Águas santas cheias de culpas humanas:

Santa Maria, São Luís, São Cristóvão, São Salvador.

Demandam São Franciscanas chapadas,

São Marcos dos Cristais, Arrependidos.

Inaxis occidentalis

São Sebastião de todos os reis em janeiros,

dezoito séculos d.C. rompe Mantiqueira.

Cordis filheira.

Dondeldorado é berço e tumba,

façanha e barganha,

liberdade e escravidão

Quatro Villas sonhadas doiradas.

Nuvens de ouropó.

Frechadas curare, ne curantur,

em torrealvas Sant’Annas.

Vila Rica, Vila Boa, Vila Real e Vila Bela.

Ai meu Bom Jesus!

Valei-me Nossenhora D’Abadia!

Desafogai-me das águas, embebei-me nas secas.

Navegandante de veredas e cerrados infinitos.

Mare Nostrum.

Novo mediterrâneo espessado sangra

pelo Vermelho, funde Berôocã, repuxa

das Mortes, Uruhu, Almas, Maranhão, até Santa Maria

de Belém do Grão Pará, fusão plena de águaterra.

Além sangra de novo pelo Cuiabá e São Lourenço,

em choro lento pelos desvarios do poeta de Barros.

Estanca, chove pra cima nos Xaraiés, recolhe-se.

Pará Guay até além de los Guaranies.

Imolados Arcanjos,

imolada Guayra,

sete vidas, sete quedas.

Si te quedas en la Mar del Plata,

en el oceano ya quedaste.

Más si vuelves en ollas de nostalgia,

hasta el sol y los alumbrados de los Parecies,

mirad, mas allá America sangra suave.

Observa Ricardo Franco em águas misteriosas opulentas:

Guaporé, Mamoré, Madre de Dios, Beni, Madero.

Solidões de águas emendadas, degelos tropicais.

Urubamba, Ucayali, Marañon, Solimões,

vastas águas Brancas e Negras.

Vasto Amazonas.

E Santa Maria recomeça pelo fim.

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s