Arquivo do dia: 15/08/2010

Monoface (via Dois Comunicação)

Monoface Mono é uma empresa de comunicação norte-americana que trabalha com algumas das maiores e mais tradicionais empresas de lá, como Apple, Harvard Business School, NBA Tv. E fizeram um site promocional muito divertido, no qual você pode construir vários rostos com o pessoal da equipe deles, o Monoface. Dá uma olhada: … Read More

via Dois Comunicação

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Xororó: Junior não é gay, apenas tem uma expressão corporal 'magavilhosa'! (via Rômulo O. Costalarga)

Xororó: Junior não é gay, apenas tem uma expressão corporal 'magavilhosa'! O cantor Xororó saiu em defesa da masculinidade do filho Junior Lima em entrevista ao Famosidades. Classificando como ‘palhaçada’ a onda de boatos sobre a suposta homossexualidade do jovem Durval (Junior Lima nasceu Durval de Lima Junior), o sertanejo acredita que todas estas histórias tenham surgido quando Junior trabalhava em dupla com a irmã, Sandiléia Pés Descalços. Declarou ainda que Junior, naquela época imitando artistas internacionais … Read More

via Rômulo O. Costalarga

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Xororó: Junior não é gay, apenas tem uma expressão corporal ‘magavilhosa’! (via Rômulo O. Costalarga)

Xororó: Junior não é gay, apenas tem uma expressão corporal 'magavilhosa'! O cantor Xororó saiu em defesa da masculinidade do filho Junior Lima em entrevista ao Famosidades. Classificando como ‘palhaçada’ a onda de boatos sobre a suposta homossexualidade do jovem Durval (Junior Lima nasceu Durval de Lima Junior), o sertanejo acredita que todas estas histórias tenham surgido quando Junior trabalhava em dupla com a irmã, Sandiléia Pés Descalços. Declarou ainda que Junior, naquela época imitando artistas internacionais … Read More

via Rômulo O. Costalarga

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações

Fumaça pode fechar aeroporto de Porto Velho nos próximos dias

Por Evandro Ferreira ,do Blog Ambiente Acreano , com informações da Infraero, Sipam e NoticiaRo.com

A densa camada de fumaça que encobre a cidade de Porto Velho nestes últimos dias está causando problemas para a operação do aeroporto da cidade, que poderá fechar a partir de quarta-feira (18.).
Segundo a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), já foi cancelado um vôo e registrado o atraso de outros cinco em razão das dificuldades de navegação aérea. Em entrevista a TV Rondônia, o responsável pelo setor de operações da Infraero, Francisco Mendes, afirmou que os vôos estão operando no aeroporto daquela cidade por instrumento.  E as perspectivas não são animadoras para os próximos dias. Desde ontem uma densa camada de fumaça muito concentrada (20 ug/m³, a mais alta segundo o critério do INPE/CTPEC) se estende por mais de 500 km no sentido SO-NE, e pelo menos 100 km de largura no sentido SE-NO, está estacionada sobre Porto Velho (figura acima).

Aeroporto “Jorge Teixeira de Oliveira” pode fechar até quarta

Na hipótese da manutenção ou aumento do ritmo de queimadas nas cercanias da capital rondoniense e considerando que haverá, a partir da segunda (16/08), uma sensível diminuição dos ventos sobre a região sul da Amazônia em razão do fim de uma  frente fria  prevista para o final da semana  são grandes as chances de fechamento do aeroporto de Porto Velho até a próxima quarta-feira.

A previsão do tempo para a capital rondoniense prevê a ocorrência de pancadas de chuvas apenas para a próxima sexta-feira (20), com picos mínimos diários de umidade de 20% até a quarta. Dessa forma, as condições para a ocorrência de queimadas acidentais ou propositais serão extremamente favoráveis.
Frente fria pode limpar o ar

Meteorologistas do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam),prevèm, por sua vez a chegada de uma frente fria ao Estado que levará a umidade de cerca de 20% para algo em torno dos 40%.
“Embora não tenhamos previsão de chuva, a entrada do vento frio polar e a formação de nuvens já irão limpar um pouco o ar”, explica o meteorologista Luiz Alves.
A previsão é a de que desde o final da semana as cidades do sudeste do Estado e Vale do Guaporé começariam a sentir os efeitos desta friagem, que será a décima do ano e a quinta significativa em Rondônia.
O tempo deverá ficar entre parcialmente nublado e nublado nessas regiões, que sentirão a diminuição do calor no decorrer do dia.
As demais áreas do Estado ainda terão dia ensolarado, com tempo variando de claro a parcialmente nublado, também sem previsão de chuva.

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

A frase do fim de semana

“O Serra é tão feio, que quando nasceu botaram vidro fumê no berçário e insulfim no berço …”

Macaco Simão

1 comentário

Arquivado em Curta Milimetragem

Favor

via

Deixe um comentário

Arquivado em Reblog

O pão de mucunã do Coronel Apolônio

Por Aparício Secundus Pereira Lima

O coronel Apolônio costumava sentar-se na varanda da sua casa de fazenda, à noitinha, depois do jantar. Reunia-se  sempre com vaqueiros, capataz, homens das redondezas, para tocarem viola, escutarem repentistas, contarem estórias.

Os vaqueiros, sentados ao redor do coronel, uns mascando fumo, outros fumando cigarro de palha de milho, ouviam, atentos, estórias de lobisomem, da caipora, feitos de outros vaqueiros famosos, a admiração por Raimundo Jacó, vaqueiro bom que morreu assassinado no exercício da profissão.

–       Vâmicê se alembra, Cumpade Niqueleto, do caso do Zé Lixande, cum a Caipora lá nas brenha do Serrote do Urubu, no ano de 59? – indagou o velho vaqueiro Antenoro, chapéu de palha, barba branca e rala, poucos dentes amarelados na boca.

E o vaqueiro Niqueleto:

–       Num me alembro não, meu cumpade. O que si assucedeu?

–       Ora, cumpade, foi da veiz que ele foi caçá tatu mais os cumpanhêro de roça. Já era tardizinha, eles no mêi do mato e aquele silenço di cimitéro. Zé Lixande sempre contano vantage de home valente, qui pega onça braba cu’as mão, todo chei de prosa. Quando tava iscureceno eles uviro um urro medonho e umas gaitada, umas risada qui fazia isfriá os ispinhaço de quarquer valentão. Intão alguém gritô qui era a Caipora qui vinha infrentá todo mundo cum a foice na mão. Foi um bafafá da mulesta, home pisano in home, cachorro sumino na mata. Zé Lixande, qui si quexava de umas dô nas perna, tratô logo de subi no tronco de uma arve e lá ficô inquanto o pessoá si afastava do locá na carrêra. Foi aí qui apareceu a tá da Caipora, aquele bicho medonho, fumando cachimbo, e ficô bem imbaixo do pé de pau qui tava o Lixande. Ele começô a tremê, a ficá amarelado, a pidí pelo Santo Padim Ciço, e si sigurô prá num caí im cima da diaba da Caipora. E lá ficô o Zé, um tempão, já num si aguentano mais nas perna. E a Caipora lá, dano risada e fumando um cachimbão. De repente, o pessoá, aperriado por causa do Lixande, cumeçô a gritá: “Ó Zé Lixande, onde tu tá, home de Deus! Caipora num ixisti, foi só um vento qui bateu nuns gaio”. E o Zé lá im cima, oiando cuns zóio abutucado prá baxo. Foi aí qui a Caipora olhô prá riba e dixe: “Nóis nem liga, né, Zé?” E cumeçô a ri, dando umas gaitada medonha que doía no pé do ispinhaço. O Zé, coitado, ficô branco qui nem cêra, fechô os ói e deçeu si arranhano todo na arve saino numa carrêra qui nem boi bravo pegava. Chegô im casa, feito lôco, num cunsiguiu dizê uma palavra durante três dia. A premera coisa qui fez quando chegô im casa foi trocá as carça, qui tava numa catinga de dá dó.

Risos gerais. O falatório aumentou. Entraram em outras discussões, até que o vaqueiro Galdêncio lembrou-se da sêca de 32, uma das piores que assolou e matou muita gente no sertão pernambucano.

–       Pois é, minha genti, aquela foi uma sêca da mulesta. Num têvi cristão qui não sofreu cum ela. A mardita acabô cum gado, isturricô tudo nesse mundão de Deus. Só si via muié chorano, minino pariceno uns gravêto. De gordo, só mermo os urubu, qui paricia praga. Eles si dava o luxo de iscoiê os garrote morto prá cumê. Qui disgraça, meu Deus! Procês terem uma idéia, inté pão de Mucunã nóis foi obrigado a cumer pra não morrer de fome…

E o coronel Apolônio, que até então era mero espectador:

– O que? Pão de mucunã? Mas vocês são mesmo uns analfabetos, uns imbecis. O pão de mucunã só é ruim prá quem não sabe prepará-lo. Vocês têm que fazer o seguinte: Pegar a raiz da mucunã, raspar bem, passar em nove águas, trocando-as sempre que ferver, depois bate bem, passa num ralo, faz a massa, leva-a depois ao forno e faz o pão. Depois é só colocar mel, manteiga e açúcar que fica uma delícia!

– O vaqueiro Galdêncio retrucou, com zombaria:

– Ora, seu Coroné Polonho, passano im nove água, cum mel, mantêga e açúca, inté bosta é bom.

Mais risos. O coronel levantou-se, trincou os dentes no charuto apagado e entrou em casa. A reunião havia terminado por aquela noite.

——————————————————————————————————————————————-

Leia também, do autor :

O princípio da senilidade

Quem tem carro velho tem história prá contar

Vasectomia: um “textículo” que virou um conto

O suplicio de um primeiro encontro

Sigla Partidária

O Comício…

Deixe um comentário

Arquivado em Crônicas certeiras