Arquivo do dia: 20/07/2010

Mototaxistas : pelo amor de Deus, não ultrapassem pela direita !

Por Beto Bertagna

Com o “surto” econômico que Porto Velho vive aumentou demais o número de carros , motos e ônibus trafegando na cidade (sem considerar os caminhões que andam pela ex-Av Jorge Teixeira, hoje BR). Tudo isto entope as artérias e vias, causando uma espécie de ateroesclerose urbana. Pois bem, sem hipocrisias, sem discussão sobre a legalidade ou não dos mototaxistas. Sinceramente, ainda não cheguei a uma conclusão pessoal sobre o serviço, pois vejo diariamente pessoas que necessitam do mesmo pelo menor custo e pela agilidade. Mas uma coisa tem que ser feita urgentemente, antes que mais vidas sejam ceifadas pela violência e pelo desrespeito às regras de trânsito, principalmente dos mototaxistas.  Este pessoal tem que ser treinado e muito! Em respeito à vida. Sempre tive moto, já trafeguei por São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Porto Alegre mas hoje tenho medo de Porto Velho. A moto é um veículo que ocupa o mesmo espaço que um carro (teóricamente, na lei) e por isso tem que andar atrás dos carros. Mas esta não é a realidade que se vê nas ruas tresloucadas. E enquanto nenhum órgão se manifesta, nenhum sindicato age,  ninguém , nada acontece enquanto as vidas vão se esvaindo pelo ralo vai um apelo deste blogueiro e motociclista aposentado temporariamente. Usando a expressão do narrador Sílvio Luiz, “pelo amor dos meus filhinhos, mototaxistas, pelo menos NÃO ULTRAPASSEM PELA DIREITA !!! “

4 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações

Cine Anima Roraima agita Boa Vista

Por Lula Gonzaga

O Cine Anima Itinerante do Ponto de Cultura Cinema de Animação e do Pontão Cine Anima, está realizando oficinas de desenho animado que fazem parte de um programa da capacitação de professores que trabalham  especificamente com crianças no Pró Infantil do Governo Federal, programa do MEC que em RO e RR tem a responsabilidade da Unir e coordenação da Profª Drª Maria do Carmo dos Santos, com a finalidade de passar para os professores a técnica de realização do desenho animado de forma simples e artesanal. A idéia é que esta técnica seja repassada para os alunos que tenham habilidade para desenho. As capacitações envolvem professores de diversos municípios e as oficinas ainda tem a função de discutir a utilização e os efeitos negativos nas nossas crianças através do desenho animado nos monopólios das televisões e dos cinemas do nosso país, pois são exibidos filmes e vídeos com a Mostra Brasil e a Mostra Nordeste, mostrando uma produção de qualidade artística com abordagem de temas educativos, filmes sobre dominação cultural, meio ambiente, saúde e auto estima. No Pró Infantil funcionam também oficinas de vídeo ministradas por Beto e Lalo Bottino que realizam um documentário, ministram ainda diversas outras oficinas e palestras pedagógicas. Na primeira etapa em Boa Vista, o projeto capacitou 450 professores de todo o estado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

2 Comentários

Arquivado em Efêmeras Divagações

Artistas querem mudar Lei : fim do jabá e controle do ECAD

Frejat e Luiz Caldas são dois dos diversos artistas que tem demonstrado apoio ao Ministério da Cultura (MinC) durante as diversas discussões do MinC com autores nesta fase de consulta pública da modernização da Lei de Direito Autoral.  Nas últimas semanas, representantes do MinC têm se reunido com vários artistas e seus representantes para discutir e aprimorar as propostas apresentadas no último dia 14 de junho. Os temas mais discutidos e apoiados têm sido a supervisão das entidades que arrecadam e distribuem direitos autorais e a criminalização do jabá.

De acordo com o diretor de Direitos Intelectuais do Ministério da Cultura, Marcos Souza, ao Estado, caberá exigir das associações e do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição de Direitos de Execução Musical (Ecad) que mantenham atualizados e disponíveis relatório anual de atividades; o balanço anual completo; e o relatório anual de auditoria externa de suas contas. Em eventuais casos de abuso, os autores terão informações para contestar práticas na Justiça, destituir coordenações e exigir seus direitos.

O que acontece hoje, segundo o músico Tim Rescala, é que não há meios para se fiscalizar o Ecad. Roberto Frejat, cantor, compositor e vocalista do Barão Vermelho, concorda e afirma que essa supervisão é mesmo necessária. “Espero que a gente consiga chegar num consenso interessante e evolutivo. Acho que se a gente conseguir algum tipo de regulação do Ecad, é bom”, declara. “O Ecad é uma iniciativa privada e acho que tem que continuar assim, mas tem que existir algum tipo de poder acima do dele que tenha capacidade de supervisionar e de pedir satisfação, pedir prestação de contas”, destaca.

Sobre a possibilidade de isso ser feito apenas pelos artistas, Tibério Gaspar, do Fórum de Música do Rio de Janeiro, lembra que as entidades arrecadadoras são dirigidas por artistas. Se não houver, outro ente para mediar isso, é como “colocar a raposa para vigiar o galinheiro?”.

O Brasil é caso único na América Latina e no grupo de países com os 20 maiores mercados de música do mundo que não possui estruturas administrativas estatais para supervisionar as associações de gestão coletiva. No Brasil, essa função era desempenhada pelo Conselho Nacional de Direitos Autorais, criado em 1973 pela mesma lei que deu o monopólio da arrecadação de direitos autorais ao Ecad. O órgão foi desativado em 1990.

Jabá criminalizado

A possibilidade do fim do “jabá” – prática de pagamento a emissoras de rádios e TV para que aumentem a execução de determinadas músicas – também tem recebido muito apoio dos artistas. De acordo com Luiz Caldas, foi a estrutura montada em torno da relação entre gravadoras e meios de comunicação que o fez optar pela internet como a principal forma de divulgação de sua obra. “Nós, artistas, não temos como lutar contra o jabá das gravadoras.”, disse.

O “jabá” acarreta dois problemas importantes. Um deles é que a “compra” dos espaços nos meios de comunicação dificulta o acesso de outros artistas às rádios e televisões, impedindo que a população tenha acesso à diversidade de produções realizadas no país.  Outro ponto importante é que, como a arrecadação dos direitos autorais se dá pelo número de vezes que a obra é executada, o aumento desse número de forma artificial faz ganhar mais quem paga “jabá”.

Toda a sociedade está convidada a opinar sobre o anteprojeto de lei que altera a Lei de Direitos Autorais (9.610/98). A proposta de mudança apresentada pelo governo federal se baseia na necessidade de harmonizar a proteção dos direitos dos autores e artistas, com o acesso do cidadão ao conhecimento e à cultura e a segurança jurídica dos investidores da área cultural. As contribuições devem ser postadas na página www.cultura.gov.br/consultadireitoautoral

Ascom/MinC

Deixe um comentário

Arquivado em Notícias

Amazônia encena na rua – hoje 20/07

18 horas – “Colombina”,Cia Será o Benidito?!- Rio de Janeiro (RJ) ,Em uma caixa com várias poesias para o público ler, há uma breve indicação: “Leia uma poesia para Colombina”. Assim tem início uma linda performance circense e poética de rua.

19 horas – “Pulitrica”,Leo Carnevale – Rio de Janeiro (RJ),Afonso Xodó é um falastrão e conhecedor de ciências ocultas. Tenta mostrar uma elevada capacidade em números, que criam efeitos e fenômenos extraordinários, contrários ás leis da natureza. Utilizando-se do humor, a brincadeira toma conta da cena enquanto ele tenta iludir os espectadores, que acabam acreditando mais nos efeitos do riso do que nos efeitos da magia.

20 horas – “Coração de Menino” ,Os Tawera – Palmas (TO),Tudo acontece no quarto de Vô Mundico, um ex-palhaço de circo que vive com suas lembranças na casa de sua filha. Ao ver seu netinho chorando por não ganhar um navio de controle remoto, o velho Mundico começa a contar sua história e a de tantos outros palhaços de circo do Brasil para seu neto Tebas Grego.

21 horas – “Hoje Sou Um, Amanhã Outro”,Cia Vitória Régia – Manaus (AM),Em alguma época, numa certa corte, um casal de Reis luta contra inimigos invasores, que tentam se apropriar do reino. Um jogo de interesse que envolve pessoas que mostram caráter dúbio. Com esse texto, Qorpo Santo demonstra a dualidade humana.
Local: Praça das Três Caixas D´Água

Mais informações www.oimaginarioro.com.br

Deixe um comentário

Arquivado em Efêmeras Divagações