Arquivo do dia: 26/03/2010

Livros imprescindíveis para entender Rondônia – 7 – O Outro Braço da Cruz

” O livro do Coronel Paulo Nunes Leal, ex-governador de Rondônia retrata o nascimento, nos idos dos anos 60, da rodovia BR-29, hoje BR-364. O que representou a estrada para a região pode ser bem avaliado pelo progresso atual de Rondônia, que passou de um inexpressivo Território Federal, com escassos 100.000 habitantes, ao atual Estado pujante.”(palavras do então governador de Rondônia, Jorge Teixeira de Oliveira,o “Teixeirão” no lançamento do livro que “coincidiu” com a inauguração do asfaltamento da BR-364.

Na contra-capa o autor reproduz um trecho de conversa com o então Presidente Juscelino Kubitschek.

– “Sr. Presidente, o sr. já ligou Brasília a Belém e a Porto Alegre e a está ligando à Fortaleza. Por que não completa o outro braço da cruz, construindo a Rodovia Brasília-Acre?

-Uai, Paulo. E pode?

-Pode, Presidente, mas é negócio para homem.

-então vai sair. ”

Anúncio do Ministério dos Transportes veiculado em jornais e revistas da época

Deixe um comentário

Arquivado em Livros para entender RO

Pimenta Bueno/RO : Vladimir Herzog passou por aqui

Vladimir Herzog, numa cela do DOI-CODI em São Paulo. 25/10/1975

Vlado Herzog, que assinava Vladimir por considerar seu nome muito exótico para estas bandas brasileiras era um jornalista, fotógrafo, professor e dramaturgo nascido na Croácia e naturalizado brasileiro.  Com o golpe de 64, foi com a familia morar em Londres. De volta ao Brasil, foi convidado pelo Secretário de Cultura de São Paulo, José Mindlin para assumir o jornalismo da TV Cultura.   Na noite do dia 24 de outubro de 1975, o jornalista foi intimado e apresentou-se espontâneamente na sede do DOI-Codi (Destacamento de Operações de Informações/ Centro de Operações de Defesa Interna) para prestar esclarecimentos sobre suas ligações com o PCB (Partido Comunista Brasileiro). No dia seguinte, foi morto aos 38 anos. A morte de Herzog foi um marco na ditadura militar (1964 – 1985) provocando reações imediatas da sociedade civil.

As redações de todos os jornais, rádios, televisões e revistas de São Paulo pararam.  Os donos dos veículos de comunicação fizeram um acordo com os jornalistas para que estes trabalhassem apenas uma hora afim de que os jornais circulassem e os rádios e tvs não interrompessem as programações.

Vlado integrava a Expedição Ford (Caravana Ford) , a primeira a percorrer a BR 29, como correspondente do “Estado de São Paulo” . No relatório do Sr. Antônio Brasileiro, primeiro chefe da Caravana Ford ao Governo do Território  ele descreve a primeira parte da viagem até Muqui , quando passou o bastão para a chefia de Eduardo Lima e Silva, que conduziu a caravana até Porto Velho. Diz ele em certa parte:
” – Peço permissão a V. Excia para deixar registrada neste relatório a cooperação prestada à Caravana pelo pessoal de imprensa que nos acompanhou até Pimenta Bueno. O sr. Hugo Penteado, da Folha de São Paulo, excelente amigo, minucioso nas suas anotações, muito observador,excepcional. O sr. Wlado Herzog , repórter do “Estado de São Paulo”, desenvolveu sempre intensa atividade e teve oportunidade de fazer diversas observações, encontrando sempre meios para transmití-las a seu jornal, mantendo assim em evidência a nossa progressiva marcha. ”

Aliás, o relatório inteiro está reproduzido no livro ” O Outro Braço da Cruz”, indicado por este site como um dos livros imprescindíveis para entender Rondônia.

A construção da BR 29, hoje BR 364 na década de 60 interrompeu o isolamento do Território de Rondônia e é um capítulo importante na história da ocupação amazônica.

O Presidente Juscelino Kubitschek derrubou, simbólicamente, a última árvore que obstruía a BR 29,  em Vilhena, no dia 6 de julho de 1960. A foto , histórica, de JK caminhando em cima da árvore foi feita por Manuel Rodrigues Ferreira, autor do consagrado livro “A Ferrovia do Diabo” .

6 Comentários

Arquivado em Notícias